O conturbado ano de 2020 acabou e as tendências de inovação e alimentação vegana para 2021 começam a surgir.

Em princípio, o Livekindly publicou suas principais previsões para o ano, que incluem frutos do mar e carne suína de origem vegetal ocupando um pouco mais de espaço. Além disso, avanços rápidos na carne cultivada – carne produzida em laboratório a partir de células animais – e outras inovações que podem mudar o impacto de como comemos.

Aqui estão as principais tendências de inovação e alimentação vegana:

1. Frango vegano é o novo hambúrguer

Não é novidade, os hambúrgueres veganos têm sido os queridinhos do mercado de alimentos à base de plantas, com bons motivos. Hambúrgueres são icônicos. Além disso, a produção de carne também é uma das principais causas de emissões de carbono e desmatamento relacionados a alimentos. Mas em 2021, é a vez do frango.

A KFC vem testando frango frito vegano desenvolvido pela Beyond Meat, com sede na Califórnia, desde o verão de 2019. Ambas as marcas não falam sobre isso desde este verão (quando testaram uma receita atualizada na área de Los Angeles) e prevemos que 2021 será ano em que a KFC lança frango vegano em todo o país. Lembre-se, isso é para os EUA – vários locais internacionais colocaram frango à base de plantas no menu em 2020. A partir daí, nenhuma rede de restaurantes vai querer ser a única sem um sanduíche de frango vegano no menu.

2021 também verá um influxo de opções de frango vegano no corredor do supermercado americanos de marcas importantes como Quorn e Lightlife Foods e startups como Simulate, Daring Foods e uma mistura de marcas nacionais e internacionais. Podemos esperar ainda mais opções de nuggets, costeletas, tiras e talvez até baquetas. Beyond Meat silenciosamente descontinuou Beyond Chicken Strips, o primeiro lançamento da marca, em 2019. O CEO e fundador Ethan Brown disse em uma entrevista que podemos esperar um novo produto – 2021 será o ano?

2. Ovos à base de plantas

Como ocorre com o frango à base de vegetais, os ovos veganos não são exatamente novos no mercado. Mas também é uma categoria de crescimento rápido com muito espaço para expansão, de acordo com a organização sem fins lucrativos Good Food Insititute (GFI).

“Muitos dos substitutos de ovos existentes estão preenchendo lacunas em funcionalidades específicas”.

O Just Egg, um ovo em garrafa à base de plantas feito de feijão mungo, lançado no verão de 2019, até agora tem sido o nome líder no mercado de ovos de base vegetal. E o final de 2020 viu mais concorrentes surgindo no espaço. Crack’d, outro ovo vegano líquido, fez sua estreia no Reino Unido. Na França, dois cientistas estão aperfeiçoando um ovo vegetal que vem com uma casca. Em Cingapura, a Float Foods está desenvolvendo sua versão com clara e gema, um ovo vegano integral.

A Clara Foods, por exemplo, usa “tecnologias de fermentação e engenharia de fermento avançadas para cultivar seletivamente novas cepas nas cepas de levedura produzidas”.

A clara de ovo vegana resultante pode ser usada para panificação, bem como outras aplicações alimentares. Os chamados “ovoprodutos” multifuncionais provavelmente terão ainda mais movimento em 2021.

3. Proteínas fermentadas

A tecnologia que pode criar whey vegano e caseína, as proteínas primárias encontradas em produtos lácteos, está mais acessível do que nunca. A startup de tecnologia alimentar com sede na Califórnia Perfect Day é uma empresa que adotou isso.

Ele usa um fungo que é particularmente bom no cultivo de proteínas animais. Fascinante, certo? A Perfect Day pode então vender essas proteínas para empresas que desejam fazer laticínios vegetais com sabor realista. Por exemplo, Brave Robot é uma marca de sorvete vegano feita com essas proteínas vegetais.

Esse é apenas um exemplo de como serão os produtos feitos com proteína fermentada. De acordo com a GFI, a indústria de proteína fermentada inclui fungos, koji, bactérias, micélio e microalgas.

De acordo com Emma Ignaszewski, estrategista de engajamento corporativo da GFI, “2020 foi um ano marcante para a fermentação”. Houve um recorde de $ 435 milhões investidos em proteína fermentada em 2020, de acordo com um relatório do GFI publicado em setembro.

Segundo a organização sem fins lucrativos, os investidores no espaço incluem grandes empresas de alimentos e bebidas, como Kellogg, Danone, Kraft Heinz, Mars e a gigante avícola Tyson Foods. E há espaço para crescimento.

Produtos com proteínas fermentadas

Provavelmente veremos mais produtos feitos com proteínas fermentadas chegarem ao mercado. Clara Foods, uma startup de tecnologia de alimentos fundada a partir da IndieBio, produz proteína de clara de ovo por fermentação. A Nature’s Fynd, com sede em Chicago, fabrica “Fy”, uma proteína fermentada feita de um fungo encontrado em uma fonte termal ácida de Yellowstone.

Outros produtos serão um pouco mais familiares, como a micoproteína, o ingrediente herói da vanguarda da indústria de Quorn. O Prime Roots, que foi lançado recentemente nas lojas Whole Foods da Bay Area no ano passado, usa koji.

Ignaszewski diz que a carne é uma categoria “pronta para ser interrompida” pela proteína fermentada. Mas, a proteína fermentada também resultará em laticínios à base de plantas, semelhante ao que o Perfect Day está fazendo com o sorvete.

la acrescenta que a categoria de sorvetes provavelmente verá mais movimento em 2021 graças à fermentação.

4. Carne de porco e peixe

Carne de porco e peixe estão cada vez mais na conversa sobre a substituição de alimentos convencionais por opções mais sustentáveis. Portanto, fazem parte das tendências de inovação e alimentação vegana. No ano passado, as salsichas foram uma das poucas opções de carne suína vegetal a chegar ao mercado americano.

Mas no ano que vem, provavelmente veremos carne de porco moída vegana e talvez um ou dois novos bacons veganos nos corredores dos supermercados.

Em Hong Kong, OmniPork, uma carne de porco vegetal feita de ervilhas, soja e cogumelos shiitake, vem na forma de carne de porco moída, tiras, carne de almoço tipo SPAM, bolinhos, pães cozidos no vapor e pratos prontos. Nos EUA, a Prime Roots lançou o bacon vegano feito de koji, o fungo usado para fermentar saquê e molho de soja. E o Hungry Planet de St. Louis faz carne de porco moída vegana. Isso deixa espaço para mais alternativas para entrar no espaço.

A categoria de frutos do mar veganos crescerá conforme as conversas sobre o impacto da indústria pesqueira no planeta se abram. A Good Catch Foods, que fabrica atum, bolinhos de peixe e bolinhos de caranguejo à base de vegetais, expandiu sua presença no varejo em 2020. Também anunciou uma joint venture com a Bumble Bee Foods, uma das maiores empresas de frutos do mar da América do Norte.

“Também estamos percebendo um interesse cada vez maior no espaço por parte de investidores com foco no oceano, que tradicionalmente se concentram mais na aquicultura”, explica Ignaszewski. “Assim, com o influxo de financiamento de capital, acho que veremos mais atividade no espaço alimentar.”

5. A revolução da carne cultivada

Definitivamente, essa é uma das tendências de inovação e alimentação vegana mais esperadas e 2020 terminou com algum progresso importante na carne cultivada. A Eat Just obteve aprovação regulamentar em Cingapura para vender carne cultivada. E teve a degustação de seu frango de cultura, que será vendido em um restaurante no próximo ano. Este é um momento crucial.

Em um comunicado ao Livekindly, Meera Zassenhaus, Gerente de Comunicações e Mídia da New Harvest, um instituto de pesquisa de fundo aberto sem fins lucrativos que promove avanços na agricultura celular, disse que as nações do Leste Asiático estarão à frente das nações ocidentais quando se trata de aprovações. É por isso que uma empresa como a JUST, com sede nos Estados Unidos, está se mudando para Cingapura.

O progresso não aconteceu apenas na frente de aprovações. Zassenhaus acrescenta que 2020 viu uma “explosão de empresas focadas em tecnologias habilitadoras” como biorreatores, andaimes e gorduras, que são todos essenciais para o processo de produção de carne em cultura. “Acho que veremos mais disso em 2021, com a indústria construindo sua própria cadeia de suprimentos.”

Um dos maiores gargalos do produtor de carnes de cultura, explica ela, é a disponibilidade de talento técnico.

“A questão é que os PhDs são empreendimentos de vários anos”, acrescenta ela. “Nosso longo investimento em pesquisa acadêmica agora está começando a dar frutos, pois os alunos estão terminando seus PhDs e aumentando exponencialmente o pool de talentos de agricultura celular.”

6. A embalagem ganha um facelift

De fato, 2021 não será apenas sobre novos produtos alimentícios. A embalagem também fará diferença. Plásticos descartáveis ​​serão menos comuns e papelão reciclado pós-consumo com rotulagem de carbono se tornará o padrão. Muitos supermercados, como o Trader Joe’s nos EUA e o Tesco no Reino Unido, já fizeram progressos na eliminação do desperdício. Mais empresas o seguirão – estudos mostram que os consumidores buscam cada vez mais produtos que estejam alinhados com seus valores.

Enfim, conhecer as tendências de inovação e alimentação vegana para o mercado internacional é imprescindível para quem transita pela grama verde do mercado vegano brasileiro. Algumas das tendências elencadas pela Livekindly já podem ser percebidas por aqui, com um certo lapso temporal, mas certeiras.

Veja mais:

Frango vegetal em várias versões, incluindo da Fazenda Futuro e da Verdali.

Já temos bacalhau 100% vegetal e Atum à base de plantas!

Ovo de plantas brasileiro? Temos também!

Ah! Também falamos sobre uso de embalagens plásticas e sustentabilidade, aqui.



por Nadia Ferreira Gonçalves em 25 de janeiro