Estão ocorrendo muitos investimentos em carnes alternativas, portanto, é natural imaginar qual será o futuro desse mercado. Se você já se fez essa pergunta, vamos falar desse assunto. 

Conforme dados da SPINS, encomendados pelo The Good Food Institute e pela Plant-Based Food Association (PBFA), as vendas no varejo de alimentos à base de plantas aumentaram nos Estados Unidos e atingiram US$ 7 bilhões em 2020, apresentando um crescimento de 27% com relação ao ano anterior. 

Além disso, 52% dos cidadãos desse país acreditam que o futuro da alimentação é à base de plantas, segundo uma pesquisa da The Harris Poll. Vale destacar que 51% tentou ou gostaria de tentar uma dieta flexitariana, diminuindo seu consumo de carne. 

Aqui no Brasil as coisas não são tão diferentes, uma pesquisa do IPEC apontou que 32% dos brasileiros priorizam as opções veganas nos restaurantes quando essas estão especificadas, ainda, 46% não consome carne — por desejo próprio — pelo menos uma vez na semana. 

Isso tudo se reflete mundialmente, pois, segundo uma pesquisa do Report Linker é provável que o mercado global de proteínas alternativas atinja US$ 4,8 bilhões até o ano de 2027. 

Foodtechs brasileiras 

Conforme o whitepaper The FoodTech Landscape in Latin America, feito pela Endeavor e apoiado pela Pepsico, havia no ano passado 123 foodtechs e scale-ups de alimentação no nosso país. 

Considerando a América Latina (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia e México), tinha 323 foodtechs operantes em todos esses países, dessas, 23 estavam categorizadas como “novos alimentos”, aquelas que desenvolvem comidas mais sustentáveis. 

Exemplos são a NotCo (Chile), Fazenda Futuro (Brasil), Tomorrow Foods (Argentina) e a Heartbest Foods (México). É informado que todas as empresas da categoria “novos alimentos” levantaram US$ 399 milhões em 4 anos, considerando 14 rodadas. 

Investimentos em carnes alternativas 

Vamos conhecer algumas empresas que receberam grandes investimentos no setor de carnes alternativas? Uma delas é uma brasileira que está apresentando um grande crescimento! 

Impossible Foods 

A Impossible Foods oferece várias opções à base de plantas. No final do ano passado, a empresa captou US$ 500 milhões em uma rodada de investimentos, que foi liderada pelo Mirae Asset Global Investments, gestora de ativos diversificados da Coreia do Sul, além de contar com a participação de outros investidores existentes. 

A empresa também pretende realizar um IPO no ano de 2022 — ou fazer uma aquisição de propósito específico (SPAC) — o que tornaria a marca pública sem precisar fazer um IPO. 

Next Gen Foods 

A Next Gen Foods é uma empresa criada pelo brasileiro Andre Mendez e pelo alemão Timo Rekker, tendo sido fundada em Cingapura. 

A empresa é detentora da marca de frango à base de plantas TiNDLE, no ano passado a marca levantou US$ 20 milhões em uma extensão de rodada seed. Segundo o crunchbase, já conseguiu US$ 32,2 milhões em toda sua história, que data só de dois anos. 

Atualmente, o produto está disponível em diversas regiões, como Cingapura, Hong Kong, Emirados Árabes Unidos e até mesmo na Malásia. Para 2022, planejam chegar nos restaurantes dos Estados Unidos e da Europa. 

Fazenda Futuro

A Fazenda Futuro é a brasileira que está tendo um crescimento fenomenal. Para ter uma ideia, a marca teve valuation de R$ 2,2 bilhões após uma captação de R$ 300 milhões em uma rodada da Série C. 

Seu portfólio é extenso, sendo composto por análogos de hambúrguer, carne moída, linguiça, frango, entre outros. Segundo o Infomoney, está atuando em 25 países e metade do seu faturamento vem dos mercados internacionais, sendo que no ano passado entraram nos Estados Unidos. 

Simulate

O Simulate é uma empresa criada por Ben Pasternak que também recebeu grandes investimentos. Um de seus apoiadores é o cantor Jay-Z

No ano passado, a empresa levantou US$ 50 milhões e conseguiu atingir um valor de mercado de mais de US$ 250 milhões. O crunchbase também informou que a marca já obteve US$ 57 milhões desde a sua fundação, no ano de 2018. 

O portfólio atual é composto por nuggets com sabor normal e nuggets picantes, todos eles são veganos. Atualmente, buscam um processo de certificação de seus alimentos como kosher (que obedecem à lei judaica). 

Vendo esses investimentos e observando as análises de mercado, podemos concluir que o futuro da carne vegana e plant-based é muito próspero e só tende a crescer.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

The Good Food Institute: acelerando a inovação das proteínas alternativas

Bilionário prevê o fim da carne, laticínios e peixes em 10 anos

Varejo on-line: carne alternativa tem crescimento de 199%

*Imagem ilustrativa de capa: Unsplash



por Amanda Stucchi em 11 de janeiro