Você sabia que 52% dos estadunidenses acreditam que o futuro da alimentação é plant-based? É isso que descobriu uma pesquisa da empresa The Harris Poll, encomendada pela Alpha Foods, que oferece comidas à base de plantas. 

Além disso, quem já possui uma dieta à base de plantas concorda ainda mais com essa afirmação, com um total de 61%. 

O futuro da alimentação é plant-based 

É afirmado que 51% dos estadunidenses tentaram ou gostariam de tentar uma dieta flexitariana (ou seja, seguir uma dieta vegetariana na maior parte do tempo e ocasionalmente comer carne), a maioria desse público é a geração mais jovem, com geração Z (59%) e a do milênio (56%). 

Além disso, 35% se consideram curiosos por uma dieta à base de plantas — os números aumentam novamente para a Geração Z (46%) e os milênios (41%). Também foi informado que 66% dos participantes tentaram uma dieta à base de plantas, com o maior alimento consumido sendo as alternativas ao leite. 

Mais detalhes sobre a pesquisa 

O relatório também constatou que as pessoas latinas (78%)  e negras (74%) tinham maior probabilidade de testar alimentos à base de plantas, contra a média geral estadunidense de 66%. Foi constatado que esses grupos tinham maior probabilidade de testar esses alimentos em um cenário social. 

Vale dizer que o cenário social é um espaço onde a população geral dos EUA dá preferência para testar esses alimentos: 88% diz que quer testar comida à base de plantas ao socializar, seja em um jantar, evento de trabalho ou em um restaurante mais chique. 

A possível barreira para quem testa os alimentos com base vegetal é o sabor, entretanto o relatório demonstrou que 63% das pessoas que experimentaram esses alimentos gostaram mais do sabor do que pensaram que iriam gostar. 

Outra descoberta interessante é que quem segue uma dieta à base de plantas é mais provável do que pessoas com outros tipos de dietas a priorizar a saúde física, mental e o envolvimento com sua comunidade de maneira regular. 

Essas pessoas possuem uma tendência maior a apoiar empresas locais, pequenas ou de propriedades de minorias, participar em movimentos de justiça social e trabalhar para reduzir o desperdício ocasionado do próprio consumo. 

Também é destacado que 83% das pessoas com uma dieta à base de plantas deseja manter ou aumentar seu consumo de vegetais no próximo ano. 

Estigma por comer determinados alimentos 

Sofrer estigma ou ser julgado pelo que se alimenta nunca é uma boa experiência.

Infelizmente, essa situação ainda acontece muito. 

Conforme o relatório, a geração Z (82%), mulheres (73%) e os latino-americanos (73%) têm maior propensão a modificar sua dieta devido ao estigma. Ainda, a geração milênio (44%), geração Z (40%), e os latino-americanos (46%) têm mais tendência a afirmar que não foram a um evento social para evitar julgamento. 

Pensando nessa questão, é dito que 75% das pessoas  não desejam rotular os alimentos que comem sob uma dieta específica, os participantes estão buscando mais flexibilidade e inclusão nesse quesito. 

“Julgamento e estigma alimentar são abundantes em nossa cultura, como mostra este relatório, e estamos procurando lugares de inclusão, conexão e conforto — algo que alimentos e refeições têm feito por nós ao longo de gerações — unindo as pessoas”, contou Cole Orobetz (CEO e co-fundador da Alpha Foods), que se considera flexitariano. 

Para ler o relatório completo é possível acessar: America’s plant-based craving.

Gostou dessa notícia? Leia mais estudos: 

Pesquisa: 46% dos europeus reduziram o consumo de carne

Consumo de alimentos plant-based no Brasil cresceu 70% em 5 anos

Pesquisa indica que mercado à base de plantas pode bombar em 2022

*Imagem de capa: Unsplash

Por Amanda Stucchi em 30 de novembro