Você quer saber mais dados sobre as empresas de carnes cultivadas? Até o ano de 2050, o mundo terá 10 bilhões de habitantes e o desafio será trazer ao mercado proteínas alternativas a partir de fontes não convencionais, que auxiliem na sustentabilidade. Além disso, já falamos aqui no Vegan Business que o veganismo pode auxiliar a prevenir novas pandemias e que mais pessoas aderiram a uma dieta vegana devido à situação do coronavírus. Muitas empresas já se esforçam para trazer tecnologias com proteínas alternativas que contribuirão com dietas balanceadas e nutritivas. Então, que tal conhecer algumas empresas e suas ideias inovadoras? 

Eat Just Inc e a carne cultivada 

A carne cultivada produzida pela Eat just foi comercializada em Cingapura, após aprovação do país, em dezembro de 2020. 

A ideia de produzir carne cultivada surgiu com Wiston Churchill, em um ensaio que ele escreveu no ano de 1931, relatando: “Devemos escapar do absurdo de cultivar um frango inteiro para comer o peito ou a asa, cultivando essas partes separadamente em um meio adequado”. 

Porém, foi o pesquisador Willem van Ealen que começou a estudar sobre o assunto, sendo considerado o pioneiro no desenvolvimento da carne cultivada, dessa forma, a Eat Just adquiriu as patentes desse pesquisador para produzir seus produtos. A produção da carne tem duração de 14 dias e agora a empresa trabalha no desenvolvimento de nuggets. 

Algo que vale a pena mencionar é que a Eat just tem uma empresa chamada de Good Meat, que produz suas carnes cultivadas. 

Empresas de carnes cultivadas - Eat Just
Imagem: Divulgação Eat Just / Foodpanda

BlueNalu e os frutos-do-mar cultivados 

Já falamos aqui sobre a BlueNalu, uma empresa de carne cultivada que conseguiu um total de investimentos de US$ 84,8 milhões. A ideia da empresa é produzir peixes, com músculos, gorduras e tecidos conjuntivos. Para isso, a marca utiliza uma tecnologia proprietária, realizando extrusão a frio para produzir seus filés de peixes tendo texturas iguais àquelas de peixes de origem animal. 

Lou Cooperhouse, o presidente da empresa, deu uma declaração para o Food Business News, ele disse: “Nossos produtos funcionam da mesma maneira que os filés de peixe convencionais em todas as aplicações de cozimento”, e relatou que como é feito de células, isso possibilita a disponibilidade de produtos durante todo o ano. 

Outro benefício apontado pelo chefe corporativo Gerard Viverito foi o seguinte: “Eu me sinto ótimo em cozinhar com frutos-do-mar que eu sei que ajudam a saúde do oceano e a biodiversidade das espécies. Além disso, não preciso me preocupar com ossos, escamas de peixe, filetes ou ter que jogar fora quaisquer partes de peixe não utilizadas”. 

A empresa pretende lançar seus produtos no mercado em 2022, com o peixe dourado-do-mar (ou mahi mahi) nos canais de foodservice e, logo após, lançará um atum de barbatana azul.  A produção será feita em sua fábrica piloto, que possui quase 40 mil pés quadrados (ou mais de 3.700 metros), após a aprovação regulatória do órgão US Food and Drug Administration. 

Empresas de carnes cultivadas - BlueNalu
Imagem: Divulgação BlueNalu

Isso tudo mostra que, a depender das aprovações dos Órgãos Regulatórios, é possível que o futuro seja da carne cultivada

Gostou de conhecer essas empresas de carnes cultivadas? Aproveite e conheça outras listas: 

Fermentação: produção de proteínas e as empresas desse mercado

Carne vegana de corte inteiro: relatório da FoodHack explora startups

*Imagem de capa: Pexels



por Amanda Stucchi em 29 de julho