O Vegan Business já falou sobre a carne feita em laboratório através de células de animais, sem a necessidade de criação em cativeiro. Um fato histórico é que em Cingapura, após a aprovação da venda de carne cultivada com células, um estabelecimento chamado 1880, começou a vendê-la para os consumidores no dia 19 de dezembro de 2020, a carne vendida foi produzida pela marca JUST Egg, da empresa Eat Just. O founder da marca, Josh Tetrick, disse à imprensa: “Esta etapa histórica, a primeira venda comercial de  carne cultivada, nos leva mais perto de um mundo onde a maioria da carne que comemos não exigirá a derrubada de uma única floresta, deslocando o habitat de um único animal, ou usando uma única gota de antibióticos”. 

Como fazer carne cultivada com células? 

Uma explicação resumida da marca Ethica Meat é a seguinte:

Primeiro é colhida uma pequena amostra do animal por biópsia, sem causar nenhum tipo de dano. Depois, a proteína das células é isolada em laboratório, sendo colocada em um ambiente aquoso, contendo proteínas, aminoácidos, minerais, sais e ar, para continuar sua proliferação, cumprindo a função de tonar o tecido muscular cheio de proteínas. Dessa forma, é possível colocá-las em uma espécie de fermentador ou biorreator (para simular o corpo de um animal), nisso, é obtida uma massa muscular sem nenhuma gordura. 

Uma vantagem dessa carne é que esse alimento não tem exposição a pandemias, porque os animais dos quais os cientistas extraem as amostras são saudáveis e também não estão expostos a nenhum vírus ou bactéria. 

Conforme Bruce Friedrich, diretor-executivo do Good Food Institute, disse à Vegconomist: “Mudar a produção de carne para esses métodos sustentáveis ​​e humanos é fundamental para evitar os enormes custos externos da pecuária industrial. Para ter a chance de cumprir as metas climáticas do Acordo de Paris e mitigar a próxima pandemia, os governos devem investir na pesquisa que precisamos para levar a carne cultivada [por células] ao mercado em escala, tornando-a acessível para todos os consumidores”. 

Carne cultivada com células da Eat Just
Imagem: Divulgação Eat Just

Algumas estatísticas interessante

Segundo uma pesquisa feita pela Universidade de Bath, Université Bourgogne Franche-Comté e Ipsos, 58% dos alemães e 44% dos franceses dizem estar dispostos a experimentar a carne feita com células. Outro estudo, dessa vez do The Good Food Institute, também apontou que 66% dos estadunidenses estão preparados para provar essa carne. 

Outro dado importante segundo o The Good Food Institute, mostra que as empresas de carnes cultivadas com células conseguiram investimentos de mais de US$ 360 milhões em 2020, um valor que equivale a 72% do obtido na história do mercado (2016-2020). Também é apontado que 23 novas empresas foram lançadas, tendo no total 76 empresas em todo o mundo, isso demonstra um aumento de 43% em relação ao ano de 2019. 

Quando a carne cultivada com células chegará ao Brasil? 

Segundo o veículo CNN, a carne feita em laboratório irá chegar no Brasil entre 2024 e 2025, vinda de uma proposta da BRF, uma grande empresa do setor de alimentos, em uma parceria com a startup Aleph Farm, de Israel. Essa startup já desenvolveu essa tecnologia em outros países. 

Para essa carne ser vendida aqui nos supermercados, ainda é necessário ter a aprovação dos Órgãos Reguladores Brasileiros, porém, as reuniões já estão acontecendo. 

Aproveite e leia também: 

Clean Seafood – Empresa de aquicultura celular expande 

A carne baseada em células será a próxima tendência

*Imagem de capa: Unsplash

Por Amanda Stucchi em 14 de junho