Private equity é um tipo de investimento alternativo onde o investidor compra uma cota de um fundo de participação administrado por um gestor que investirá o dinheiro em empresas de capital fechado com um grande potencial de crescimento, com o objetivo de desenvolvê-las ao ponto de venda ou IPO.

Investir em ações não é a única maneira de colocar seu dinheiro em renda variável e ter a chance de receber um retorno considerável ao participar dos lucros de uma empresa.

Muitos investidores gostariam da oportunidade de investir em empresas antes mesmo que elas entrem na bolsa de valores, e uma das formas de fazer isso é através dos fundos de private equity.

Vem entender o que é o private equity e como funciona para começar seus investimentos. E se você é iniciante no mundo financeiro, mas já quer fazer parte desse grupo que investe diretamente no desenvolvimento das empresas, temos uma boa notícia para você no final deste artigo!

O que é private equity?

As palavras “private” (privado) e “equity” (patrimônio) vem do inglês e o termo se traduz por patrimônio privado.

O private equity é uma das modalidades de investimentos alternativos, os investimentos são feitos em empresas de capital fechado, ou seja, que não estão na bolsa de valores, mas que já estão mais desenvolvidas e têm um grande potencial de expansão e lucros.

O primeiro investimento desse tipo foi realizado em 1901, por JP Morgan, ao adquirir a produtora de aço Carnegie Steel Corporation que, depois das transações de investimentos, tornou-se a United States Steel, a maior do segmento.

O termo equity indica que em troca de seu aporte nas empresas, o investidor qualificado terá direito a uma participação nos lucros da empresa, tornando-se um sócio proprietário.

Dando ênfase no investidor qualificado, esse tipo de investimento é voltado para investidores pessoa física ou jurídica que tenham mais de R$1 milhão investidos no mercado ou que tenham aprovação em exames e certificações aprovadas pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

Ou seja, não está disponível para os investidores iniciantes ou médios, que ainda estão criando seu caminho na jornada investidora.

Mas se você pertence a este grupo, não desanime, no final do artigo damos uma dica de como você também pode investir em empresas com grande potencial de expansão. (Não pule para o final, continue a leitura e aumente o seu conhecimento sobre o mercado financeiro, afinal, logo você poderá estar investindo em private equity também).

Como funciona o investimento em private equity?

Diferente dos investimentos tradicionais, o private equity não lida com ações ou papéis, mas sim com ativos reais.

Quando os investidores qualificados ou empresas optam pelos fundos de private equity, eles compram quotas em fundos de investimentos em participação (FIP) que são administrados por um gestor. Os recursos captados são utilizados para o desenvolvimento das empresas escolhidas.

Mas esse apoio não é exclusivamente financeiro, os fundos de private equity e seus gestores utilizam sua própria experiência e de seus investidores para participar de forma ativa na gestão das empresas e recebem liberdade para opinar nas decisões internas em busca de melhorias.

Para quem pensa em iniciar seus investimentos em fundos de private equity, essa é uma questão a se analisar bem antes de escolher onde aplicar seu dinheiro: os gestores. Eles serão os responsáveis por gerenciar o capital captado no fundo e por participar nas decisões estratégicas da empresa.

Ou seja, eles são diretamente responsáveis pela valorização desse empreendimento, logo se o gestor for de boa qualidade, a dedicação que ele terá para que esse investimento tenha lucro é um ótimo indicador das probabilidades da empresa ter sucesso, além de atrair outros investidores que se interessem em participar.

Esse impulsionamento das empresas é feito para que seja alcançado um dos seguintes objetivos: a venda da empresa para outra empresa maior ou para a abertura do seu capital na bolsa de valores, o famoso IPO.

Essas são as duas principais formas de lucrar com o investimento em private equity, são conhecidas como saídas estratégicas.

Os tipos de fundo de private equity

Existem algumas classificações dos fundos de private equity que separam o momento em que a companhia em questão se encontra:

  • Venture Capital: os investimentos são em empresas iniciantes em fase de crescimento e que buscam se desenvolver no mercado.
  • Growth Capital: investimentos em empresas que precisam de recursos para expandir.
  • Buyout: investimentos em empresas já mais desenvolvidas, mas que precisam de capital ou que estão passando por mudança de controle, questões de sucessão.
  • Distressed: ou situações especiais, são investimentos em empresas com problemas financeiros ou que já faliram, mas que ainda têm potencial para uma futura venda quando estabilizada.

Private equity e venture capital: qual a diferença?

O venture capital é uma das formas de investimento do private equity, os investimentos são realizados em empresas com capital fechado, mas no venture capital, essas empresas normalmente estão iniciando no mercado – mais conhecidas por startups.

As startups são selecionadas pelo seu grande potencial de crescimento, mas nesse tipo de investimento, os riscos são maiores do que no private equity, já que a startup ainda não tem uma base estabelecida ou um faturamento considerável.

As principais vantagens (e desvantagens) do private equity

As vantagens do private equity alcançam tanto as empresas quanto os investidores. Vamos primeiro ver quais são as principais vantagens para as empresas.

Vantagens para Empresas

Acesso a capital

Uma das motivações para as empresas optarem por participar de fundos de private equity é a acessibilidade ao capital sem que seja necessário depender de alternativas financeiras tradicionais como empréstimos bancários com juros altíssimos.

Oportunidade de se desenvolver

Obviamente, as empresas que recebem investimentos através do private equity têm a oportunidade de se expandir e se desenvolver através dos capital investido e também por meio da participação dos gestores nas decisões internas e na parte administrativa, que oferecem seu know-how.

Tudo isso contribui para um crescimento da marca e sua presença no mercado, valorizando a empresa.

IPO à vista

Ricardo Scavazza, o CEO do Private Equity Pátria, durante um painel da Expert XP declarou que as empresas têm muito mais chances de ter um melhor desempenho em seu IPO se elas participarem de fundos de private equity primeiramente.

Toda a experiência adquirida durante o tempo nos fundos de private equity servem para preparar as empresas e torná-las mais conscientes do momento certo para entrar na bolsa de valores, quando já se sentem seguras no mercado.

Vantagens para Investidores

Retornos acima da média

Já para os investidores, o private equity é, primeiramente, um investimento com uma possibilidade de retorno muito acima da média, já que as empresas, apesar de estabelecidas, ainda possuem um grande espaço de crescimento até chegarem ao ponto de abertura de capital.

Diversificar a carteira

Além disso, é uma ótima forma de diversificar a carteira, ao comprar cotas de um fundo é normal que os gestores invistam em mais de uma empresa, para diminuir os riscos.

Desvantagens

Riscos

Claro que não há como ter apenas vantagens, entre as principais desvantagens estão os altos riscos que acompanham os investimentos em private equity. Como não é possível determinar o sucesso das empresas-alvo e o retorno recebido, é necessário muita cautela no momento de compor sua carteira.

Longo Prazo

Além disso, os investidores que desejarem participar dos fundos de private equity devem entrar preparados para o longo prazo que os investimentos podem levar para dar frutos.

Private equity no Brasil

O private equity surgiu no país por volta de 1990, quando o mercado de investimentos em participações (FIPs) ganhou tração.

Assim como no resto do mundo, os investimentos em private equity estão em ascensão no Brasil. Uma pesquisa da ABVCaps mostrou um crescimento de 87% em private equity e venture capital no primeiro trimestre de 2021. Atualmente, somos o terceiro maior mercado de private equity nas Américas.

Esse crescimento se deve a uma busca muito maior por investimentos alternativos com retornos maiores e, também, pela oportunidade de participar da gestão de empresas que vão ditar o futuro do nosso consumo e economia.

Modalidades de investimento alternativas ao private equity

Como prometido, para quem tem interesse em investir em empresas que estão se desenvolvendo e trazem projetos inovadores para o mercado, mas ainda não é um investidor qualificado ou profissional, uma alternativa é o equity crowdfunding.

O equity crowdfunding funciona como um financiamento coletivo para startups, mas com a diferença que os investidores recebem quotas da empresa em troca, assim como no private equity e no venture capital.

Essa modalidade de investimentos chegou como forma de democratizar as oportunidades dos investidores iniciantes e médios, com valores iniciais de aporte acessíveis, partindo de R$ 1000,00.

Isso aumenta as possibilidades para empresas que buscam investidores de todos os tipos que desejam apoiar projetos reais que trazem soluções para os problemas que vemos no mundo todo, tanto na economia quanto no meio ambiente.

E o melhor de tudo é que para se investir nas rodadas de equity crowdfunding, você só precisa de acesso à internet e o cadastro em uma das plataformas aprovada pela CVM.

As plataformas fazem a seleção das startups com maior potencial e disponibilizam todas as informações necessárias na ficha online de cada uma, assim os investidores podem fazer uma análise e decidir as melhores oportunidades onde investir.

O Vegan Business será a primeira plataformas de equity crowdfunding voltada para o ecossistema plant-based, selecionando startups veganas que pensam na sustentabilidade ambiental e na economia verde com o objetivo de criar produtos e serviços que vão impactar positivamente o planeta. Se quiser saber mais, clique aqui e faça sua inscrição para ser um dos primeiros investidores!

Conclusão

Conhecer o mercado financeiro cada vez mais é a chave para você entender como se movimentar entre os tipos de investimentos que farão sua carteira render.

Agora você sabe do que se trata o private equity e que começar a investir em fundos é uma grande oportunidade de ter rendimentos incríveis e investir em empresas cujos valores combinam com os seus.

Descubra qual o seu perfil de investidor e veja se essa é uma boa opção para você agora, é bom estar preparado para possíveis perdas já que os riscos são consideráveis. Por isso, não deixe de diversificar sua carteira entre os investimentos de renda fixa e ações.

Para saber mais sobre o mercado plant-based e as oportunidades de investimento nesse nicho, acompanhe as nossas redes sociais e inscreva-se na nossa newsletter!

Leia também:

O Que é Investimento Anjo e Como Funciona? Guia Completo!

O Que é ESG? Guia Completo Sobre ESG em Empresas (2021)



por Leticia Rocha em 8 de outubro