Você sabia que 84% das empresas brasileiras desejam ter mais ingredientes nacionais para desenvolver produtos vegetais? 

O estudo “Oportunidades e desafios na produção de produtos feitos de plantas análogos aos produtos animais”, realizado pelo The Good Food Institute Brasil em novembro de 2021, trouxe essa informação. 

É apontado que o desenvolvimento de matérias-primas e ingredientes nacionais foi considerado a maior prioridade pelas empresas. Afinal, quando há poucas opções desses produtos é necessário importar, por consequência, isso aumenta o preço final para o consumidor, limitando o acesso dos brasileiros aos produtos análogos à base de plantas. 

Além do aumento de preço também existem outras dificuldades: volatilidade das moedas estrangeiras e o tempo de espera pela entrega do produto. A pandemia também adicionou um agravante nesse sentido, aumentando o período de entrega. 

Para chegar a esse resultado, a pesquisa contou com a participação de 21 empresas que atuam na indústria plant-based brasileira. A maioria dos respondentes (72%) trabalhavam em cargos de direção, gerência ou eram sócios. 

As prioridades de pesquisa para o mercado plant-based brasileiro

A pesquisa também fez um ranking sobre as prioridades de pesquisa para esse mercado, por ordem de importância. Quer conhecê-las? 

  • Desenvolvimento de matérias-primas e ingredientes nacionais (84%). 
  • Matérias-primas e ingredientes com melhores funcionalidades tecnológicas (72%). 
  • Aumentar a oferta de ingredientes que mimetizam o sabor característico em produtos feitos de plantas (68%). 
  • Pesquisar novos processos e ingredientes para obter um produto final com apelo clean label (64%). 
  • Ampliar soluções para obter um produto final com características nutricionais desejadas (64%). 
  • Aumentar a oferta de ingredientes que mimetizam a textura característica em produtos feitos de plantas (64%). 
  • Aumentar a oferta de ingredientes que mimetizam a gordura dos produtos tradicionais (64%). 

Beringelas sendo colhidas

Imagem ilustrativa: Pexels

Ingredientes nacionais para produtos vegetais 

Felizmente, o Brasil é um território gigante — com mais de 8 milhões de km² —  todo esse tamanho se reflete em muita biodiversidade. 

O GFI relatou que o nosso país tem 20% da biodiversidade mundial  e afirmou: “Utilizá-la dentro dos princípios da bioeconomia para desenvolver novos produtos e ingredientes pode aumentar a oferta nacional de alimentos, levar o país a liderar o mercado internacional com sabores únicos, além de contribuir para a preservação do meio ambiente e a geração de renda para a economia local”. 

Para impulsar a pesquisa — algo fundamental em todos os mercados — a instituição criou o Projeto Biomas, que visa atender a demanda dos produtos à base de plantas produzidos com ingredientes nacionais. 

Gustavo Guadagnini, managing director do The Good Food Institute, falou para o Vegan Business em nossa matéria sobre a instituição: “[…] A primeira leva de projetos financiados começa a ser executada agora em 2022, com estudos sobre baru, castanha do brasil, babaçu, macaúba, cupuaçu, guaraná e pequi. Todos os nossos projetos têm como objetivo criar novos ingredientes que possam ser utilizados pela indústria de proteínas alternativas,  compondo substitutos de carne”. 

O sabor e a tecnologia 

As outras duas maiores demandas de pesquisa eram as matérias-primas e ingredientes com melhores funcionalidades tecnológicas (72%) e aumentar a oferta de ingredientes que mimetizam o sabor característico em produtos feitos de plantas  (68%). 

O primeiro faz referência ao fato de que é necessário explorarmos mais a tecnologia para criarmos produtos plant-based cada vez melhores, já que a experiência sensorial é essencial para as necessidades do mercado: as pessoas querem queijos vegetais que derretam e sorvetes cremosos para provar. 

Dessa forma, é preciso ter ingredientes que imitam (ou são idênticos) à essas características sensoriais, enquanto ocorre a redução das gorduras saturadas sem perder a sensação do alimento e funcionalidade. 

Por último, ter ingredientes com sabor, aroma e textura melhor ou igual aos dos produtos ditos tradicionais, é uma demanda de 68% das empresas. 

Como vimos, isso vai lado a lado com a tecnologia — quanto mais tecnologia, mais poderemos ter ingredientes para esses produtos — já que a construção desse sabor deve ser o mais natural possível e realizado de maneira integrada. 

Para ler o relatório completo, acesse: Oportunidades e Desafios na Produção de Produtos Feitos de Plantas Análogos aos Produtos Animais

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Mercado de proteínas vegetais texturizadas atingirá US$ 1,5 bilhão

61% dos consumidores preferem as proteínas à base de plantas

Consumo da carne: 43% das pessoas procuram ingerir menos

*Imagem de capa: Pixabay 



por Amanda Stucchi em 7 de janeiro