O mercado de proteínas vegetais texturizadas poderá atingir US$ 1,5 bilhão até 2025 com um CAGR de 6,2%, conforme um estudo do Markets and Markets. Para compararmos, o valor desse mercado em 2020 era estimado em US$ 1,1 bilhão. 

O relatório indicou que esse crescimento é ocasionado por uma mudança na preferência do consumidor e no respectivo interesse pelas fontes de proteínas vegetais, as causas são variadas: tem quem se interesse pelo perfil nutricional do alimento, outros que desejam uma alimentação mais limpa, além de uma maior preocupação com a saúde, meio ambiente e bem-estar animal. 

O segmento que mais deve apresentar crescimento é o de carne alternativa. É explicado: “As proteínas texturizadas estão entre os principais componentes das alternativas à carne, onde foram usadas como extensores, análogos e substitutos”. 

Aqui é destacado que as proteínas vegetais texturizadas oferecem alternativas à carne e também são econômicos, funcionais e ricos em proteínas. É informado que esses produtos estão sendo bem sucedidos pelo fato de ter uma imagem mais saudável (sem colesterol), textura parecida com a carne de origem animal e um custo baixo. 

Mais detalhes sobre o mercado de proteínas vegetais texturizadas

Segundo o relatório, a soja será o ingrediente mais utilizado durante o período previsto. Além disso, as fatias de carne alternativa também terão a maior proporção desse mercado, já que tem muitas utilizações, uma delas é em hambúrgueres. 

Quanto as regiões que apresentarão mais crescimento, a Europa e a América do Norte são dois locais que devem impulsionar esse mercado. 

Já a Ásia-Pacífico terá o crescimento mais rápido durante o período, com um CAGR de 7,8%, essa situação é decorrente do desenvolvimento econômico na China, Japão, Índia e Austrália, a maior industrialização nessas regiões e mais investimentos recebidos. 

Isso tudo representa um crescimento econômico acelerado nesses locais, sendo que o estudo também indicou que a Ásia-Pacífico tem uma forte base de produção agrícola, algo necessário para a produção de proteínas vegetais. 

Maiores players do mercado

Quer saber quais são os maiores players desse mercado? O Markets and Markets apontou as seguintes empresas como líderes: 

  • ADM (EUA)
  • Cargill (EUA)
  • CHS (EUA)
  • Roquette Freres (França)
  • DuPont (EUA)
  • Wilmar International (Cingapura)
  • The Scoular Company (EUA)
  • Puris Foods (EUA)
  • VestKorn (Noruega)
  • MGP Ingredients (EUA)
  • Beneo GmbH (Alemanha)
  • Shandong Yuxin Bio-Tech (China)
  • FoodChem International (China)
  • Shandong Wonderful Industrial Group (China)
  • Axiom Foods (EUA)
  • AGT Food & Ingredients (Canadá)
  • Sun NutraFoods (Índia)
  • Crown Soya Protein Group (China)
  • La Troja (Espanha)
  • Hung Yang Foods (Taiwan).

Vale dizer que nem todas as empresas fornecem somente proteínas vegetais texturizadas, algumas também comercializam carne de origem animal. 

Uma dessas empresas é a Cargill — um grande produtor de carne bovina — David MacLennan, CEO da empresa, está atento às mudanças de preferências dos consumidores. 

Ele fez uma previsão e falou que a proteína vegetal irá reduzir significativamente a venda de carne de origem animal. 

A marca já está demonstrando se mover em uma direção mais baseada em plantas, no ano passado anunciou uma linha de produtos plant-based na China, além de ter feito uma parceria com a PURIS Food visando ser a maior distribuidora e fabricante dos Estados Unidos de proteína de ervilha. 

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Mercado de alimentos veganos deve atingir US$ 31,4 bilhões em 2026

Mercado de proteínas alternativas atingirá US$ 4,8 bilhões até 2027

Processados de ervilha: mercado atingirá US$ 5 bilhões

*Imagem de capa: Unsplash



por Amanda Stucchi em 23 de dezembro