O mercado global de processados de ervilha está crescendo! 

É isso que mostra o relatório da Research and Markets, publicado nesse mês de agosto, que avalia os processados de ervilha. A pesquisa dividiu esses alimentos em proteína (seja isolada, concentrada e texturizada), amido, fibra e farinha e também pela aplicação e fonte. 

É dito que esse mercado global foi avaliado em US$ 3,1 bilhões nesse ano e tem previsão de atingir US$ 5 bilhões até 2026, crescendo a um CAGR de 10,1% durante o período de 2021 a 2026. 

Os fatores apresentados para explicar esse crescimento é o aumento do veganismo, a popularidade de alimentos plant-based e a procura por produtos sem glúten. Isso tudo resulta em um crescimento da demanda por esses ingredientes processados de ervilha. 

Ademais, o avanço das tecnologias de extrusão e processamento também auxiliam nesse cenário, aumentando o mercado desses ingredientes. 

É afirmado no relatório sobre as proteínas: “A proteína de ervilha é maior no negócio de ingredientes processados ​​de ervilha devido à crescente demanda por ingredientes vegetais. Além disso, a crescente conscientização sobre os benefícios da proteína de ervilha vem impulsionando esse segmento ao longo dos anos”. 

Por ter um sabor neutro e diversas aplicações, muitos países estão se concentrando em aumentar o processamento de ervilha, visando produzir mais essa proteína. 

Esses ingredientes são utilizados em diversos segmentos alimentícios, como carne e substitutos, nutrição de alto desempenho, panificação, lanches, confeitaria, entre outros. Além disso, os produtos são clean label o que pode atrair os consumidores. 

Lugar que domina o mercado de processados de ervilha

Conforme explicado, a América do Norte é o local que deverá ter uma participação significativa no mercado de processados de ervilha. 

A razão é simples: existe um aumento da demanda de grandes economias, como os Estados Unidos, México e Canadá, e os fabricantes se focam em desenvolver alimentos com esses ingredientes. Por conta de preços altos, esses produtos são populares no mercado desenvolvido, outro fator é o aumento do veganismo na América do Norte. 

Além disso, muitos norte-americanos estão preferindo uma dieta à base de plantas. No ano passado falamos sobre um estudo do player DuPont Nutrition & health que constatou que 52% da população estava comendo mais alimentos plant-based.

Outra pesquisa que mostra essa mudança na dieta desses habitantes é a da Ipsos Retail Performance, instituição focada em análises e insights de varejo, revela que o número de norte-americanos que seguem uma dieta à base de plantas chegou a 9,7 milhões de pessoas

A pesquisa da Ipsos foi publicada em 2020, sendo que há 15 anos somente 290 mil pessoas adotavam essa dieta na região — o período de análise foi de 2004 a 2019. 

Principais players do mercado

A pesquisa mostra que os principais players desse mercado são: 

  • Emsland Group (Alemanha)
  • Coscura Groupe Warcoing SA (Bélgica) 
  • Roquette Freres (França) 
  • Vestkorn Milling AS (Noruega) 
  • Ingredion Incorporated (Estados Unidos) 
  • Axiom Foods Inc. (Estados Unidos) 
  • Felleskjopet Rogaland Agder (Noruega)
  • AGT Food and Ingredients (Canadá) 
  • DuPont (Estados Unidos) 
  • Puris Foods (Estados Unidos)

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Amido de ervilha: indústria cresce e irá atingir US$ 203 milhões até 2026

Proteína vegana: conheça as principais marcas 

Como Começar a Investir do Zero: Guia para Iniciantes (2021)

*Imagem de capa: Unsplash



por Amanda Stucchi em 25 de agosto