A população mundial deve chegar a nove bilhões de pessoas até 2050. Diante destes números, investidores estão se questionando se haverá recursos suficientes no planeta para apoiar a agricultura animal nessa escala, para fornecer alimentos à população.

Enquanto as startups do Vale do Silício como Hampton Creek e Impossible Foods criam proteínas sem carne que poderiam algum dia alimentar as massas, um grupo improvável de investidores juntou forças para trazer gigantes da indústria de alimentos a bordo.

Setenta e um investidores que somam US$ 1,9 trilhão estão trabalhando juntos para pressionar as maiores empresas de alimentos do mundo a “prepararem o futuro” para suas cadeias de abastecimento, trazendo para o mercado mais carnes vegetais.

Sobre a FAIRR

A iniciativa FAIRR (Farm Animal Investment Risk and Return) foi fundada há cinco anos com a intenção de fornecer dados perspicazes e impactantes sobre os riscos associados à pecuária intensiva. Em 2016, Jeremy Coller construiu uma rede ESG para mostrar aos investidores o que muitos estavam perdendo; que, ao contrário de energia e transporte, há um ponto cego quando se trata de um dos maiores setores do mundo – alimentos.

Desde então, a FAIRR tem trabalhado para fechar essa lacuna de conhecimento, ajudando a salvaguardar o retorno dos investidores e orientar a transição para um sistema alimentar global sustentável.

Em seu relatório histórico de 2016, a FAIRR identificou 28 questões ESG que afetam a produção e os preços, o acesso ao mercado, a reputação corporativa e ações legais e regulatórias para empresas em toda a cadeia de valor de alimentos e agricultura. Com o tempo, as pesquisas e compromissos evoluíram para abordar as questões atuais da indústria, desde o envolvimento de empresas de frigoríficos nas condições de trabalho até o incentivo aos gigantes globais de alimentos para diversificar suas fontes de proteína.

FAIRR tem como alvo empresas de alimentos, incluindo  Kraft Heinz, Nestlé, Unilever, Walmart e General Mills. À medida que a coalizão cresce, aumenta também o número de empresas alimentícias que o grupo busca.

Coller, que é vegetariano desde os 12 anos, tem a missão de acabar com a agricultura industrial. (Essas grandes operações industriais criam mais de 99% dos animais de fazenda nos EUA.) Ele investiu em várias startups de proteínas baseadas em plantas , incluindo Impossible Foods, Hampton Creek, Clara Foods e Beyond Meat.

No entanto, Coller evita falar sobre bem-estar animal quando está perto de investidores envolvidos no FAIRR, porque ele diz que a maioria está mais preocupada com os resultados financeiros. Com o FAIRR, ele apela aos investidores que olham para o mercado de alternativas de carne e vejam uma oportunidade de ser o pioneiro de uma nova indústria multibilionária.

“O FAIRR é totalmente sobre materialidade, não moralidade”, diz Coller.

Atualmente, como a rede ESG de crescimento mais rápido do mundo, a FAIRR continua a deixar sua marca, trabalhando em estreita colaboração com investidores para mudar a conversa sobre a pecuária e transformar a forma como os alimentos são produzidos.

De olho no mercado

O mercado de substitutos de carne deve subir 8,4% ao ano nos próximos três anos, atingindo US$ 5,2 bilhões globalmente até 2020, de acordo com a Allied Market Research.

Jeremy Coller, um ícone da indústria de private equity e fundador da FAIRR, disse num comunicado à imprensa que, como os membros da coalizão representam uma grande porcentagem dos investidores nessas redes de supermercados e fabricantes de alimentos, eles basicamente têm o poder de dizer: “Nós possuímos vocês.” Os investidores podem então direcionar as empresas de alimentos para cadeias de abastecimento mais sustentáveis.

A FAIRR produziu extensos briefings sobre a indústria de agricultura animal, na esperança de educar acionistas em gigantes da área de alimentos, como McDonald’s, Domino’s e Yum! Marcas sobre os ganhos ambientais e financeiros da diversificação de suas cadeias produtivas.

O problema com a pecuária

A pecuária ocupa cerca de um terço das terras do mundo e é responsável por 15% das emissões de gases de efeito estufa.

Em 2016, o grupo enviou uma carta a 16 empresas multinacionais de alimentos, pedindo que “explorassem e relatassem” os esforços para reduzir sua dependência de produtos de origem animal. Além de enfatizar que os grandes varejistas têm um papel importante a desempenhar em tornar alternativas sem carne disponíveis e acessíveis para os consumidores, a carta faz recomendações sobre como a empresa pode melhorar, incluindo a colocação preferencial de produtos de proteína alternativa em supermercados (como no corredor de carnes, em oposição à seção de alimentos vegetarianos) e tornando a embalagem mais atraente.

A carta também incentiva as empresas a investirem na “reformulação de produtos”, um termo na fabricação de alimentos e bebidas que significa trocar alguns ingredientes por outros melhores, o que, neste caso, significa ingredientes não provenientes de animais. Também sugere gastos com educação do consumidor para “aumentar a consciência sobre os benefícios ambientais e de saúde de dietas mais sustentáveis”.

Leia também: Tendências em investimentos veganos e Primeiro fundo de investimentos vegano completa um ano na Nyse



por Nadia Gonçalves em 14 de maio