Assim como o movimento vegano, as estratégias em investimentos veganos surgem como a nova tendência para os próximos anos.

Isso acontece porque, um número crescente de investidores, sejam eles institucionais ou individuais, estão alinhando seus investimentos com seus valores. Neste contexto, investimentos veganos começam a se destacar, amparados por uma gama de opções que incluem Investimento Socialmente Responsável (SRI); Investimento Ambiental Social e de Governança Corporativa (ESG); investimento de impacto; investimento verde ou investimento sustentável.

Desde 2016, estas abordagens de investimentos totalizaram US$ 8,72 trilhões em ativos sob gestão profissional apenas nos Estados Unidos, de acordo com o  Fórum for Sustainable and Responsible Investing. As estratégias de investimento socialmente responsáveis ​​continuam a evoluir. Isso reflete as novas preocupações e valores elevados que os investidores procuram integrar com suas decisões de investimento.

Cenários que envolvem os investimentos veganos

À medida que as pessoas agem para enfrentar a crise climática, as preocupações com os impactos climáticos de nosso sistema alimentar e os benefícios de uma dieta baseada em vegetais também estão cada vez mais se destacando.

Nos últimos anos, o investimento livre de combustíveis fósseis se tornou uma resposta importante de investidores de todos os portes. Há uma crescente consciência da necessidade de encerrar a era dos combustíveis fósseis.

Conforme descrito em  Drawdown, o plano mais abrangente já proposto para reverter o aquecimento global. “…a dieta vem com um preço climático íngreme: um quinto das emissões globais… emissões business-as-usual poderiam ser reduzidas em até 70% através da adoção de uma dieta vegana e 63% de uma dieta vegetariana. ”

Além disso, conforme citado pela  FAIRR  (Farm Animal Investment Risk & Return – uma iniciativa de investidor com sede no Reino Unido que aborda a pecuária industrial), um relatório de 2016 da Universidade de Oxford sugere que as questões de saúde pública e ambiental ligadas ao aumento da demanda por produtos de origem animal podem atingir US$ 1,6 trilhão globalmente até 2050.

Nesse cenário, à medida que as pessoas entendem que diminuir o consumo de carne é bom para o clima e para a saúde de todos, há simultaneamente um interesse crescente em dietas baseadas em plantas e em investimentos veganos. 

O que são investimentos veganos?

Conforme observado acima, podemos dizer que investimentos veganos são uma estratégia em evolução, que compartilha algumas das questões de investimentos sustentáveis citadas acima. Podem aparecer como investimentos baseados em plantas, investimentos veganos, investimentos sem crueldade ou investimentos humanos.

A abordagem engloba telas de investimento positivas e negativas, ou seja, os critérios para incluir ou excluir investimentos específicos em uma carteira. Embora o tratamento humano aos animais tenha sido uma tela de investimento sustentável por algum tempo, acredito que o termo baseado em plantas pode ser útil para reconhecer que alguns investidores se concentram nas questões de saúde, ambientais ou baseadas na ética animal.

Num futuro cenário idealizado, investidores poderão investir em empresas veganas disruptivas que tem potencial em grande escala. Até então, investir de forma ética geralmente significa evitar fundos que investem em negócios que apoiam, causam ou contribuem para a exploração e sofrimento animal, na medida do possível.

A transição para novas abordagens

Investir em negócios veganos significa apoiar a transição de produtos de base animal para produtos de base vegetal, por meio das empresas nas quais se investe.

Essa transição da agricultura animal moderna reduz os impactos negativos ao meio ambiente, ao bem-estar animal e à saúde pública e concentra os investimentos em empresas inovadoras que entendem e trabalham para mitigar o risco financeiro que decorre da indústria.

A transição para as novas abordagens pode ser feita por meio da implementação de telas de investimento específicas ou por meio de campanhas de defesa de acionistas e engajamentos corporativos diretos para pressionar as empresas a melhorar suas práticas.

O interesse em investimentos veganos

Certamente, como em muitas áreas de investimento sustentável, alguns investidores têm grande interesse em evitar certos setores, como por exemplo, álcool; tabaco; combustíveis fósseis; fazendas industriais; laticínios e produtores de carne. O investimento baseado em plantas pode atrair outros investidores que buscam resultados positivos e específicos, como o tratamento ético aos animais, agricultura sustentável e tecnologia verde. Alguns investidores podem achar esta área útil na gestão de risco (ou seja, evitar setores com consequências negativas de longo prazo).

Do mesmo modo que a maioria dos ativistas em defesa dos animais jamais consideraria comprar produtos de carne, muitos não têm interesse em comprar fundos que possuem empresas que lucram com a exploração de animais.

Felizmente, a maioria dos fundos sustentáveis ​​evita alguns dos piores infratores (como fazendas industriais); mas alguns possuem empresas que investidores éticos não desejam apoiar, como grandes produtores de carne e toda cadeia envolvida.   

Felizmente, há investidores interessados ​​em apoiar alternativas veganas. Com uma visão de futuro para o sistema alimentar atual, que provavelmente se interessarão ​​em estratégias de investimento baseadas em plantas. Outros investidores podem se interessar porque podem ser capazes de mitigar o risco em seus investimentos apoiando as empresas que criam cadeias de abastecimento mais resilientes e se posicionam ativamente para crescer na economia verde.

Por fim, qualquer que seja a denominação utilizada, o poder e a promessa dessa estratégia de investimento começam a emergir em meio à multidão. Provavelmente, a demanda por opções de investimento que forneçam valor positivo de longo prazo para as pessoas e para o planeta será a nova tendência e a demanda por investimentos veganos faz parte desse contexto.

Leia mais sobre investimentos em startups veganas e o VEGN, primeiro fundo de investimentos vegano que completou recentemente um ano na Nyse.



por Nadia Ferreira Gonçalves em 19 de outubro