Uma pesquisa da FAIRR descobriu que duas em cinco marcas de alimentos têm departamentos dedicados a alimentos à base de plantas. Também ficou evidente que o interesse por proteínas veganas está crescendo.

A pesquisa mostra que 40% das marcas de alimentos mais populares do mundo têm departamentos com foco em alimentos à base em plantas.

FAIRR, uma rede de investimento internacional com sede em Londres, publicou as conclusões em seu relatório: Appetite for Disruption: A Second Serving. O relatório mostra que duas em cada cinco grandes marcas de varejo têm equipes dedicadas com base na fábrica. Isso inclui empresas como Kroger e Tesco – bem como fabricantes como Unilever e Nestlé.

Também constatou que 47% dos varejistas vendem ativamente, ou planejam vender, alternativas à base de carne vegetal no corredor de carnes.

Jeremy Coller, fundador do FAIRR, disse que o estudo é a prova de que as grandes empresas de alimentos “estão disputando sua fatia da torta à base de plantas”.

“Eles estão aumentando e qualificando drasticamente sua capacidade de pesquisar e desenvolver alternativas vegetais para carne e laticínios. Metas tangíveis para uma transição de proteína estão sendo postas em prática”, disse ele em um comunicado.

Proteínas de base vegetal: uma escolha mais sustentável?

O relatório explica que as empresas estão diversificando as fontes de proteína para combater as mudanças climáticas. As empresas agora estão enfrentando o desafio de alimentar a população global de forma sustentável. Isso levou a um maior interesse em proteínas baseadas em plantas.

Termos como “vegano” e “plant based” são agora mais populares e comumente usados ​​por empresas. O estudo da FAIRR indica que 72% das 25 empresas descritas no relatório usaram esses termos em seus “relatórios trimestrais e anuais para investidores e outras partes interessadas.” Este número é um aumento em relação ao ano anterior, que era de 64%.  

Coller explicou que 2020 é “um ano divisor de águas para o mercado de proteína sustentável”. Ele diz que o setor recebeu o dobro do investimento do ano anterior em apenas seis meses.

Em 2019, o mercado de proteínas vegetais disparou. A Beyond Meat abriu o capital com sucesso com um IPO. As carnes vegetais assumiram o controle da indústria de fast-food. O Burger King lançou o Impossible Whopper nos Estados Unidos e o Rebel Whopper na Europa. E marcas como Good Catch estreou frutos do mar de origem vegetal. Este ano, The Very Good Butchers se tornou a segunda empresa baseada em fábricas a fazer IPO.

Isso, explicou Coller, é a prova de que as empresas de alimentos estão usando sua infraestrutura e inovação para “se beneficiar dessa mudança sísmica na maneira como [as pessoas] compram e comem”.

“Pela primeira vez desde a revolução verde de 60 anos atrás, que criou a pecuária industrial, a tecnologia de alimentos apresenta um caminho viável para atender à demanda global por proteínas de forma mais sustentável”, acrescentou.

Leia também sobre como o mercado de queijo vegano está crescendo exponencialmente e conheça 4 produtos veganos feitos no Brasil.



por Redação Vegan Business em 29 de agosto