Os números registrados pela principal empresa chilena de distribuição de alimentos, ICB Food Service, estabelecem que as vendas chilenas de produtos plant-based, abrangendo restaurantes, lanchonetes e hotéis (Horeca), cresceram 41% em 2022.

Cremes à base de vegetais (121%), bebidas vegetais (73%) e manteiga e margarina (31%) estiveram entre os produtos com maior demanda nos setores de food service e hotelaria. De acordo com o ICB, o consumo de produtos de origem vegetal aumentou 47 mil kg no ano passado.

Entre as marcas líderes em alternativas de carne e lácteos para o canal Horeca estão, por exemplo, a Ardo e NotCo, com mais de 40 itens, diz o distribuidor chileno.

Alta demanda por produtos plant-based

A demanda por produtos plant-based entre os consumidores tem aumentado em todo o mundo. Uma pesquisa da Ipsos informou que em 2020, 36% dos chilenos buscavam reduzir o consumo de produtos de origem animal.

Essa tendência atingiu o setor de food service, que vem se adequando a demanda crescente, buscando produtos de qualidade, preços competitivos, assim como formatos inovadores.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Matias Hardessen, gerente de negócios do ICB Food Service, comentou à Revista Jengibre: “Assim como em 2021, a alta demanda por esta categoria no último período nos surpreendeu. Entre 2020 e 2022, o aumento do consumo pelo canal Horeca foi de 187% em apenas dois anos. Sendo um dos mais importantes distribuidores a nível nacional, temos vindo a acompanhar esta tendência. Hoje podemos dizer que os nossos clientes têm as melhores ofertas e maiores variedades para oferecer aos seus consumidores.”

Vendas de produtos plant-based cresceram 41% no food service no Chile.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também:

A cada 2,4 segundos, uma pessoa se inscreve no Veganuary 2023

77% dos consumidores querem provar comidas feitas por IA

McDonald’s lança McPlant duplo para veganos no Reino Unido e na Irlanda

Imagem ilustrativa de capa: Divulgação NotCo

Por Ana Cristina Gomes em 5 de janeiro