A IntegriCulture é uma empresa japonesa que levantou US$ 7 milhões para investir em tecnologia de agricultura celular e construir uma infraestrutura sustentável e universalmente acessível. O sistema utilizado é o CulNet System™, capaz de cultivar células animais de forma econômica sem fatores de crescimento exógenos. 

Essa rodada da Série A contou com a participação de 12 investidores, sendo os seguintes: Real Tech Fund, Future Food Fund, Beyond Next Ventures, Shoku-no-Mirai-Fund, Resona Capital 6 Investment Partnership, Plan・Do・See Inc, Yamaguchi Capital Corporation, Iyogin Capital, SuMi TRUST Innovation Fund, VU Venture Partners e AgFunder, bem como um fundo privado criado em conjunto por Sumitomo Mitsui Trust Bank e SBI Investment Co. 

Até o momento a empresa já conseguiu levantar o total de US$ 16,4 milhões, porém, com o valor dessa nova rodada pretendem construir uma plataforma de infraestrutura de agricultura celular e lançar comercialmente um foie gras cultivado nesse ano.  

Yuki Hanyu, CEO do IntegriCulture, falou em um comunicado: “Continuaremos a desenvolver tecnologias para alcançar nossa missão, utilizando recursos biológicos com tecnologia para criar uma infraestrutura social saudável e, finalmente, tornar a carne cultivada uma realidade em 2022. Estou animado para ver um mundo onde novas culturas de alimentos nascem”. 

Visão dos investidores

Kohei Matsumoto, que ocupa cargo na diretoria do Future Food Fund, ressaltou: “Existem muitas empresas de risco envolvidas no campo da carne cultivada, mas a tecnologia da IntegriCulture é muito única no mundo… Estou convencido de que as ideias, tecnologia, energia, e a paixão da equipe de gerenciamento da empresa farão uma contribuição significativa para resolver a futura crise de proteínas provocada pelo crescimento da população global e questões ambientais, e estou ansioso pelo sucesso da empresa neste campo além do Japão…”

Ademais, Michael Dean, sócio fundador do Agfunder, também apontou: “O desenvolvimento técnico que a IntegriCulture alcançou nos últimos 18 meses foi impressionante, e nós realmente acreditamos que o CulNet System será uma tecnologia que definirá a indústria e impulsionará o futuro da produção de proteína sustentável e de alta qualidade”. 

Detalhes sobre a tecnologia de agricultura celular 

A empresa explicou que a tecnologia CulNet System™ pode ser aplicada em carne à base de células, suplementos, cosméticos, e bio reagentes (um reagente que tem origem biológica, um exemplo são as enzimas).  

Com o objetivo de reduzir os custos do cultivo de células, a IntegriCulture imita os processos naturais que ocorrem no corpo. É informado que o método convencional de cultura de células envolve a agitação de células dentro de um tanque, assim, as células se multiplicam, mas os tecidos não se formam. 

Portanto, a empresa imita as condições de crescimento de células encontradas dentro dos corpos vivos, pois os órgãos se comunicam pelos fatores endócrinos para proliferá-las de forma eficiente: “Estudamos e imitamos esse sistema natural para reduzir significativamente o custo da cultura de células, que de outra forma era impossível pelos métodos convencionais”, contou sobre a tecnologia. 

Tecnologia da IntegriCulture

Imagem: Reprodução IntegriCulture / via Facebook @integriculture

Sobre a IntegriCulture

A empresa foi fundada em 2015, com sede em Tóquio.

Yuki Hanyu é o CEO da IntegriCulture, ele se pós-graduou em ciências pela Universidade de Hokkaido, já tendo trabalhado para fabricantes de instrumentos analíticos e de reagentes. 

Uma curiosidade é que a empresa afirmou que um dia sua tecnologia também poderá ser utilizada na casa das pessoas.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Mercado da carne cultivada: as vantagens e os desafios desse alimento

Relatório investiga aceitação da carne cultivada

Primeira startup de carne cultivada brasileira

*Imagem de capa: Divulgação IntegriCulture / via Vegconomist 



por Amanda Stucchi em 25 de janeiro