Enquanto a pandemia pressiona as cadeias globais de abastecimento de alimentos, os aportes em proteínas alternativas se aceleram. Agora, com US$ 12,6 milhões em investimentos, Shiok Meats será pioneira a vender camarões veganos.

O produtor de frutos do mar feito a partir de células é de Cingapura e acaba de se tornar a mais recente empresa de proteínas alternativas a arrecadar investimentos, em uma rodada da série A. Esta última rodada mais do que duplica o valor total que a Shiok levantou desde sua fundação em 2018, para US$ 20,8 milhões .

Em princípio, o investimento foi liderado pelo Aqua-Spark, fundo voltado para a aquicultura sustentável. Este é o primeiro investimento da Aqua-Spark na indústria de células. Contudo, os novos acionistas incluem Seeds Capital, braço de investimento da Enterprise Singapore, além de vários outros fundos de capital de risco. O fundo Big Idea Ventures, apoiado pela Temasek, que era um investidor inicial, não participou da última rodada.

O investimento será suficiente para sustentar a startup por pelo menos três anos e ajudar a financiar pesquisa, desenvolvimento e sua primeira fábrica em Cingapura, de acordo com o diretor executivo e co-fundador Sandhya Sriram no comunicado à imprensa.

Pioneira a vender camarões veganos

Os responsáveis pela empresa planejam produzir primeiro carne de camarão congelada à base de células, para bolinhos e outros pratos. Logo, a Shiok Meats será pioneira a vender camarões veganos.

No futuro, a empresa disse que fará pasta e pó aromatizante de camarão, camarão 3D em formato integral e produtos baseados em células de lagosta e caranguejo. Os mercados-alvo são a região da Ásia-Pacífico e os EUA.

Em abril de 2019 a empresa entrou em cena com um teste público de sabor dos bolinhos de camarão à base de células e atualmente trabalha para melhorar sua tecnologia e produto. Em sua rodada de investimento inicial, após o teste público, arrecadou US$ 4,6 milhões e numa segunda rodada US$ 3 milhões.

Um relatório do Good Food Institute trouxe a informação de que o primeiro trimestre de 2020 chegou ao total de $189 milhões em investimentos no segmento de proteínas à base de células, ou seja, mais do que o dobro dos $77 milhões investidos em todo o ano de 2019. Também foi mais que já haviam investido no segmento em toda a sua história.

Ao mesmo tempo, neste cenário estão empresas como a Mosa Meat, Memphis Meats, BlueNalu e New Age Meats.

O último desafio será obter a aprovação regulamentar para vender esses itens, porque eles representam uma forma completamente diferente de produzir carne. Os líderes da empresa em todo o setor baseado em células trabalham com reguladores do governo nos Estados Unidos, Europa, Ásia, Israel e Rússia.

Enquanto isso no Brasil

A carne de plantas ainda é a estrela das terras tupiniquins. Mas pela velocidade que tudo está acontecendo, não duvide que logo teremos novidades com as proteínas baseadas em células.

A novidade brasileira fica por conta do peixe vegano, lançado recentemente pela The New Butchers. Veja matéria completa sobre essa novidade.

Leia também: a vez da América Latina surfar a onda vegana



por Nadia Ferreira Gonçalves em 2 de outubro