Em um mundo com pessoas cada vez mais preocupadas com questões éticas, ambientais e de saúde, as tendências já permitem dimensionar como seria a carne do futuro.

Primeiramente, é importante questionar se, neste planeta, onde vivem bilhões de pessoas e muitos ainda demandam por alimentos à base de carne, seria possível atender a essa demanda de forma sustentável e acessível? 

Diante do trabalho de empresas de tecnologia, já é possível ser bastante otimista quanto a isso.

O futuro está mais próximo do que se imagina

O veganismo, em especial, já foi considerado tendencioso, baseando-se em vagas reivindicações de saúde e acusações contra a indústria da carne, mas a ciência tem sido muito boa nos últimos anos. Já existem estudos que relacionam altos níveis de consumo de carne vermelha ao câncer, por exemplo.

Ainda mais significativa é a percepção de que a produção de animais para abate, especialmente o gado, para consumo de carne vermelha, pode ser responsável por até 14,5% de todas as emissões de gases de efeito estufa

Portanto, à medida que os seres humanos evoluem e sua compreensão da sustentabilidade muda sob a crescente pressão das mudanças climáticas, surge uma nova lógica. 

Investidores apoiam a carne do futuro

A carne limpa pode ser uma ponte entre a carne real e os produtos à base de plantas.

A saber, a Memphis Meats, com sede em São Francisco, produz carne a partir de células auto reprodutivas, produzindo carne que pode ser considerada como um produto “de origem animal”, mas evita a necessidade de criar e abater elevado número de animais.

Aliás, a empresa estreou sua primeira almôndega sintética em 2016 e acompanhou a primeira galinha e pato cultivados em células do mundo em 2017.

A intenção da empresa agora é reduzir o custo da carne cultivada em laboratório para competir com a carne de abate.

Surpreendentemente, a produção de produtos isentos de animais usa apenas 1% da terra e 1% da água em comparação com os produtores de carne. 

Tanto os produtos à base de plantas quanto a carne limpa cultivada em laboratório têm atraído notáveis investidores, incluindo alguns dos principais VCs (Khosla Ventures, Kleiner Perkins Caufield & Byers), empresas de carne (Tyson Foods, Cargill) e outros.

Recentemente, a startup alternativa de carne de Israel, Future Meat Technologies , fechou uma rodada da Série A de US $ 14 milhões liderada pela S2G Ventures e Swiss VC Emerald Technology Ventures. Esta é a segunda maior rodada de uma startup de carnes cultivadas em laboratório, após a Série de US $ 17 milhões da Memphis Meat.

Se incluir frutos do mar na definição de carne, a BlueNalu levantou a maior quantia, com uma Série A de US $ 20 milhões.

A Future Meat é a mais recente de uma lista pequena, mas crescente, de startups que lidam com a indústria convencional de carne com agricultura celular, o processo laboratorial de cultivo de produtos de origem animal com culturas de células em vez de animais. 

Ainda assim, a Memphis Meats é uma das pioneiras do setor e há rumores de novos contratos em breve.

A Future Meat utilizará o financiamento para construir a primeira instalação piloto de produção de carne cultivada do mundo, que estará operacional em 2020, ao sul de Tel Aviv.

Desafios para a carne do futuro

No futuro, empresas como Memphis Meats e Future Meat poderão cortar a produção, o abate e o processamento da cadeia de valor da produção de carne animal.

Por enquanto, reduzir os custos de produção ainda constitui o principal desafio.

E além das startups de tecnologia de carnes, a produtora de maionese ovo vegano Just anunciou recentemente a sua expansão para elaborar também produtos de carne limpa. A empresa está prestes a lançar sua primeira carne cultivada, o frango cultivado em laboratório, com previsão ainda para este ano.

As empresas de biotecnologia estão até explorando métodos para projetar produtos semelhantes à carne a partir do metano. Enquanto as empresas já estão criando ração animal à base de metano, as startups agora estão expressando interesse em projetar proteínas à base de metano adequadas ao consumo humano.

Embora os produtos proteicos desenvolvidos por essas empresas atualmente não sejam adequados ao consumo humano, as proteínas à base de metano podem melhorar o impacto ambiental da produção de carne e, eventualmente, alimentar ainda mais a revolução sem carne, criando outra fonte de alimento para as economias em desenvolvimento da África e Ásia. 

Mas estes lançamentos ainda dependem de aprovações regulatórios.

Neste quesito, o futuro regulatório da carne cultivada em laboratório ainda é um experimento. O USDA – Departamento de Agricultura dos Estados Unidos – regula a produção de carne e defende a agricultura, mas o potencial conflito de interesse em torno da carne cultivada em laboratório também deixou o FDA, que é o responsável pela segurança da saúde pública em se tratando de produtos biológicos, encarregado da supervisão da carne cultivada alternativamente.

O uso de tecnologias de código aberto

Apesar dos altos lucros e investimentos chamarem maior atenção, algumas empresas do ramo estão competindo para serem as primeiras no mercado com produtos isentos de animais. 

Adotando uma abordagem diferente, Yuki Hanyu, fundador da Integriculture, com sede em Tóquio, e do Shojinmeat Project, um inovador projeto sem fins lucrativos, está procurando maneiras mais práticas e baratas de produzir em massa a carne que é cultivada das células de um laboratório, mas ainda muito caro para o consumidor final.

Em seu ousado projeto, Hanyu está trabalhando para adaptar as novas gerações à carne do futuro por meio da tecnologia de código aberto. Ele chegou a oferecer a estudantes japoneses do ensino médio acesso a caixas de alta tecnologia que lhes permitem cultivar células animais em casa e transformá-las em produtos semelhantes a carne.

A princípio, o conceito pode parecer distante, mas o Projeto Shojinmeat está buscando estabelecer uma abordagem de baixo custo para o desenvolvimento de carnes, que permite que as pessoas brinquem e, finalmente, integrem carne cultivada em laboratório em suas dietas

O que esperar do futuro

Como esperado, a produção de carnes cultivadas em laboratório causará uma redução significativa na necessidade de criação de gado, frango e demais animais para abate, o que poderia fazer maravilhas para o meio ambiente.

Estudos estimam que a carne cultivada em laboratório exigiria 7-45% menos energia para ser produzida do que o mesmo volume de carne de porco, ovelha ou gado.

Ainda mais, a carne cultivada em laboratório geraria até 96% menos emissões de gases de efeito estufa.

Enfim, durante anos, os cientistas previram a fabricação de carne sintética e, a cada dia, estão mais próximos de tornar realidade essa visão de futuro.



por Nadia Ferreira Gonçalvez em 20 de novembro