A marca de queijo vegetal Grounded Foods, localizada nos Estados Unidos, levantou US$ 2,5 milhões em uma rodada pré-Série A. 

O investimento foi liderado pela Veronica Fil (co-fundadora e CEO da Grounded Foods), bem como as empresas Stray Dog Capital, Big Idea Ventures, Route 66 Ventures, Nucleus Capital, Presight Capital e Kale United. 

A marca utiliza dois ingredientes principais para desenvolver seus queijos vegetais, couve-flor e o cânhamo, realizando um processo de fermentação. A empresa pretende utilizar o valor da rodada para se expandir e entrar no mercado europeu. 

O sócio-fundador da Presight Capital, Fabian Hansen, disse ao Vegconomist: “A Grounded atende a uma necessidade imediata no mercado de alternativas de queijos lácteos de alta qualidade, nutritivos e sustentáveis ​​— e devido à escalabilidade de seu processo, vemos um enorme potencial para a empresa se expandir não apenas no mercado dos EUA, mas internacionalmente”. 

Criação da marca de queijo vegetal Grounded Foods

Se você quer saber como foi a criação dessa marca, iremos te contar. 

A Grounded Foods foi fundada por Shaun Quade e Veronica Fil em uma cidade australiana, no ano de 2019. 

A história é a seguinte: Veronica percebeu que estava comendo muito queijo de origem animal e que isso não era sustentável. Dessa forma, pediu que seu marido Shaun desenvolvesse um queijo vegetal com um bom gosto, ele é um chef que já apareceu como jurado convidado no Masterchef! 

Veronica gostou do sabor dessa receita e pensou em criar uma empresa de queijos. Logo no começo, antes mesmo do produto ser lançado ao público, os empreendedores já receberam uma oferta de US$ 2 milhões em investimento. 

Portanto, a empresa foi criada e os dois se mudaram para Los Angeles, cidade da Califórnia. 

Apesar da marca vender queijo vegano, os fundadores não são veganos, conforme aponta uma notícia da Food Navigator

A ideia é atingir os consumidores que não desejam mudar totalmente seus hábitos, portanto, a marca não se anuncia como vegana. Aqui buscam atingir o público flexitariano, pessoas que seguem uma dieta vegetariana na maior parte do tempo, mas que comem carne de forma ocasional. 

Veronica Fil deu uma declaração para o Vegconomist: “Desde o primeiro dia, nosso objetivo tem sido criar produtos com um sabor incrível — e genuinamente atraentes para consumidores não veganos que não estão dispostos a fazer concessões. Para conseguir isso, vimos como o queijo vegano é feito atualmente — então jogamos fora o livro de regras e começamos novamente do zero. Novos ingredientes, novo processo e foco no sabor e na textura primeiro”. 

Queijo vegano da Grounded Foods

Imagem: Divulgação Grounded Foods

Sustentabilidade da empresa e onde os produtos estão sendo vendidos 

“Acreditamos que as alternativas lácteas à base de plantas são essenciais para a construção de uma cadeia de abastecimento alimentar mais sustentável e segura para as gerações futuras”, é dito na página da empresa

A marca decidiu não utilizar as nozes, pelo seu alto consumo de água, e também não estão exportando internacionalmente os queijos nesse momento, ao pensar na pegada ambiental de carbono. 

Uma dúvida que surgiu nas perguntas frequentes da empresa é sobre o cânhamo. Vale mencionar aqui que, apesar dessa planta ser pertencente a espécie cannabis sativa, tem baixíssimo teor de THC (substância psicoativa), sendo assim, é possível se alimentar desse produto sem se preocupar. 

Além disso, ao não utilizar amendoim e soja, pessoas que sofrem dessas alergias podem experimentar esse queijo— porém, o coco é utilizado, ou seja, se existe algum tipo de intolerância ao coco, é necessário ficar atento. 

Atualmente, os produtos da marca são vendidos nos supermercados dos Estados Unidos, como Whole Foods, Bristol Farms e Harmon’s. 

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Queijo vegano: conheça os melhores queijos vegetais do Brasil

4 receitas de queijo vegano: incríveis e fáceis de fazer 

Quais São os 6 Melhores Investimentos a Longo Prazo? (2021)

*Imagem de capa: Divulgação Grounded Foods / via Green Queen



por Amanda Stucchi em 15 de outubro