Você já conhece o programa de aceleração SaudaBoost? 

A SaudaBe, brandtech especializada no mercado saudável e fundadora do programa com a Bioma Food Hub, desenvolve estratégias de marketing e vendas para esse segmento, tendo sido co-fundada por Bruna Pavão e Rodrigo Marsilli, dois ex-executivos de indústria e consultoria, junto com uma equipe de mais de 30 colaboradores! 

O programa de aceleração SaudaBoost

O SaudaBoost nasceu da vontade de escalar um modelo de consultoria e mentoria para apoiar as startups na fase early stage, estágio considerado mais difícil de receber apoio. 

Rodrigo Marsilli, idealizador do programa, enxerga as seguintes dificuldades nessa fase: 

  • (1) Market Fit — adequar proposta de valor e portfólio ao mercado. 
  • (2) Go to Market —  escolher os canais corretos e adequar o modelo comercial para tracionar o negócio. O programa identifica que essa é a principal dor das startups que atuam nesse mercado. 
  • (3) Fluxo de Caixa — fazer uma boa gestão do caixa para manter a empresa tracionada e não criar gaps no crescimento

O programa tem foco no Go To Market, ou seja, empresas que possuam um produto validado e estejam se preparando para conquistar tração e escala. 

Bruna Pavão e Rodrigo Marsilli
Imagem de Bruna Pavão e Rodrigo Marsilli: Divulgação SaudaBe

O que o programa engloba? 

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

O programa de aceleração está dividido em: 

  • Conhecimento — informações, metodologias, frameworks, ferramentas, entre outros. 
  • Mentoria — plug&play para desenvolver a estratégia de go to market. 
  • Networking — etapa onde é possível trocar experiências com outras startups, ter acesso a facilitadores, varejos relevantes e investidores.

“O programa é um intensivo de 2 meses, com módulos semanais, onde os founders tem a oportunidade de desatar os principais nós da fase de tração de um negócio — isso na visão da SaudaBe está baseado em 3 pilares: Brand Positioning, Estratégia de Portfólio e Go to Market”, complementou Rodrigo Marsilli. 

O grupo de startups participantes se denomina #boost, contando com 5 startups como número limite de participantes. 

As startups são originárias de diversos segmentos, como alimentos, bebidas, suplementação, cuidados com a casa, entre outros. Apesar de não ser focada apenas no setor vegano, o programa já contou com empresas que possuem produtos adequados ao público, como: Nude (leites vegetais), Yamo (sorvetes à base de inhame) e Landê (creme de frutas), entre outras. 

Aqui vale destacar que as startups são selecionadas para uma turma de modo a não se enxergarem como concorrentes, dessa forma, isso possibilita uma melhor integração e trocas valiosas! “A startup tem oportunidade de dar grandes saltos estratégicos. Além dos mentores que tem experiência prática no mercado”, complementou o co-fundador. 

Atualmente, o programa está rodando o boost#3, já tendo inclusive apresentado a nova turma nas redes sociais: betterBP (pasta de amendoim em pó), Frukt, gheco (energético plant-based), push matcha (produtos feito com matcha) e zebrah (vinho em lata carbono neutro). 

A ideia é realizar pelo menos 2 a 3 #boost no ano, impactando cerca de 15 a 20 startups anualmente neste modelo. 

“Na turma#3 em especial notamos que o número de startups interessadas aumentou exponencialmente sem termos trabalhado uma ampla divulgação do programa ainda, isso mostra que os resultado colhidos por turmas anteriores validam a importância do programa”, adicionou Rodrigo. 

Atualmente, as startups são selecionadas conforme seu momento de negócio e a disposição de vivenciarem a jornada que dura dois meses. As inscrições são gratuitas e abertas para todas as startups desse segmento, para ficar atento a abertura das próximas edições, acompanhe a SaudaBe nas redes sociais!

“Nós temos uma preocupação das startups estarem em momentos muito próximo, para que haja uma troca importante entre todos. Qualquer startup early stage pode se candidatar!”, esclareceu. 

Investimentos 

Sobre a parte de investimentos, o co-fundador revelou que o programa é equity free: “Em relação a investidores, nós estamos conectando essa frente neste momento, as startups poderão ter acesso a esse ecossistema de investidores e o programa prepara os negócios para esse momento”, contou Rodrigo. 

A entrada da Outcast (firma de investimento especializada em foodtech) como apoiadora já faz parte deste plano, além de ter sido informado que o boost#3 é o primeiro a ter um módulo dedicado a se preparar para as rodadas.

Quem apoia o programa? 

A iniciativa conta com a co-gestão do Bioma Food Hub, desde a primeira edição, atuando como uma incubadora do programa e fazendo a curadoria de participantes. 

“O SaudaBoost é uma ferramenta de educação e empoderamento para o empreendedor e sendo o Bioma um elo conector onde esses agentes buscam recursos, não poderíamos deixar de apoiar um programa de conteúdo tão rico capaz de gerar uma grande transformação nas relações comerciais desse ecossistema que queremos ver entregando cada vez mais saúde para as pessoas e para o planeta”, relatou Juliana Bechara Parente, fundadora do Bioma.

Ela também explicou que faz muito sentido a Bioma caminhar junto com a SaudaBe na construção do programa, pois o impacto positivo não é falar apenas de governança, sustentabilidade, alternativas clean label e meios de produção.

“De nada adianta ter um produto que se destaca em inovação, saudabilidade e sustentabilidade se a entrada no mercado for dolorosa e insustentável para a startup — afinal, falar de sustentabilidade é falar, também, de sustentabilidade financeira”, ela completou. 

Juliana Bechara Parente
Imagem da Juliana Bechara Parente: Divulgação da SaudaBe,

Nas últimas duas edições, o programa também teve o patrocínio da Pronutrition (oferece soluções inteligentes para produtos alimentícios, nutrição esportiva, alimentos, bebidas funcionais e nutracêuticos).

Na terceira edição, conta com o apoiador Outcast Ventures (firma de investimento especializada em foodtechs).

“A principal conquista é ver statups adequando seu modelo de negócio com os aprendizados colhidos no programa. Isso se deu em todas as turmas”, finalizou Rodrigo. 

Gostou de conhecer o programa de aceleração SaudaBoost? Aproveite e leia também: 

Como fazer um bom pitch para captar investimentos?

Investimento coletivo: crescimento e negócios com valores

Bioma Food Hub lançará condomínios de eficiência operacional para foodtechs e wellnesstech

*Imagem de capa: Divulgação Saudaboost

Por Amanda Stucchi em 29 de junho