Recentemente a GFI, uma ONG líder em promoção e educação sobre proteínas alternativas em parceria com a OpinionWay, uma empresa de pesquisa especializada em pesquisa de mercado, comunicação e pesquisas de opinião, desenvolveram uma pesquisa sobre o consumo de carnes plant-based.

Durante a análise, 4.096 pessoas na Alemanha, França, Itália e Espanha foram questionadas sobre seus hábitos de consumo e proteínas sustentáveis. 

Os resultados analisados pela GFI Europa mostram que mais de 50% dos consumidores da Alemanha, França, Itália e Espanha afirmaram ter reduzido o consumo de carne animal nos últimos cinco anos. 

Carlotte Lucas , gerente de engajamento corporativo do Good Food Institute Europe, comentou a pesquisa.

“É ótimo ver a carne à base de vegetais se tornar tão fortemente estabelecida na dieta de muitas pessoas em toda a Europa. As empresas agora precisam capitalizar esse interesse e investir no desenvolvimento de produtos que possam realmente competir com a carne convencional em sabor e preço para fornecer as opções sustentáveis ​​que os europeus desejam”.

Brasil

O número de brasileiros que optam pelo consumo de produtos sem origem animal tem aumentado a cada ano que passa. Se tratando de alimentação, uma pesquisa realizada em 2018 pelo Ibope Inteligência, mostrou que 14% da população do país se declara vegetariana.

Já outra pesquisa feita em 2021, pelo Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria) mostra que 46% dos brasileiros optaram por diminuir o consumo de carne pelo menos uma vez na semana. 

Ricardo Laurino, o presidente da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), fala sobre seus pontos de vista sobre as mudanças de comportamento na população

“Podemos dizer que o vegetarianismo é uma linha do veganismo. O vegano faz uma opção total por não consumir produtos de base animal, uma visão mais contundente sobre o seu próprio comportamento, muito além de uma alimentação mais saudável”.

Explica ele em matéria divulgada recentemente pelo veículo ​​Correio Braziliense. “Em um, dois, três ou vários dias por semana, os brasileiros têm optado por fazer refeições vegetarianas ou veganas”, acrescenta.

Segunda sem Carne (SSC)

A escolha de diminuir o consumo de proteína animal é um movimento que tem crescido e desde 2009, no Brasil existe um movimento conhecido como Segunda Sem Carne (SSC). A iniciativa convida as pessoas a trocarem pelo menos uma vez na semana, a proteína animal pela vegetal.

No ano passado, 46% da população brasileira já era adepta ao movimento. Apesar de ter sido “fundado” por Paul McCartney, hoje o Brasil é reconhecido por ter o maior número de adeptos do SSC em relação ao restante do mundo. 

Desde 2009, escolas, refeitórios corporativos, organizações e restaurantes têm servido oriundas de fonte de proteína vegetal e hoje são servidos mais de 300 milhões de refeições veganas e vegetarianas nestes espaços.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Mercado de tecnologia verde e sustentabilidade atingirá US$ 51,09 bilhões até 2029

Starbucks lança bebida vegana de outono nos Estados Unidos

Mercado de bacon vegano atingirá mais de US$ 2,4 bilhões até 2032

*Imagem ilustrativa de capa: Quorn Foods

Por Gabriela Catan em 29 de setembro
Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores