Diante dos recentes passos da Austrália em direção à aprovação da venda de carne cultivada, pesquisadores da Queensland University of Technology (QUT) analisaram a Investigação do Senado sobre Definições de Carne e Outros Produtos de Origem Animal para avaliar a política das proteínas alternativas.

Liderado pela Dra. Hope Johnson da Escola de Direito da QUT, juntamente com a Professora Christine Parker da Faculdade de Direito de Melbourne e a pesquisadora da QUT, Dra. Brodie Evans, o estudo destaca que muitos interessados inicialmente temiam que as alternativas de carne representassem uma ameaça à agricultura animal. No entanto, concluíram que as proteínas alternativas “não necessariamente competem com carne e laticínios”.

Ambas as indústrias consideraram a rotulagem de alternativas de carne como uma questão crucial. O estudo destaca uma “falta de reclamações dos consumidores sobre a rotulagem de alternativas de carne à ACCC”, apoiando os resultados de uma pesquisa que descobriu que 96% dos australianos nunca ficaram confusos com a rotulagem de produtos plant-based.

Apesar disso, o estudo recomenda o uso de qualificadores para proteínas alternativas, como “hambúrguer plant-based”. O uso de termos semelhantes a carne, como “hambúrguer” e “linguiça” para proteínas alternativas, é apoiado pela maioria dos interessados, apesar das tentativas do Conselho Consultivo de Carnes Vermelhas da Austrália de restringir seu uso.

Regulação para alegações de sustentabilidade

Os interessados também expressaram o desejo de uma regulamentação aprimorada para alegações de nutrição e sustentabilidade, destacando que estas últimas são em grande parte não regulamentadas pela legislação alimentar australiana. Os reguladores australianos agora estão solicitando contribuições públicas para sua proposta de aprovação do codorna cultivada da Vow, que a empresa espera lançar ainda este ano.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

“A Austrália está se configurando para ser o terceiro país do mundo, atrás de Singapura e dos EUA, a aprovar carne cultivada”, disse a Dra. Johnson. “Alguns outros países podem seguir um caminho diferente. Por exemplo, a Itália recentemente tomou uma direção diferente ao introduzir uma proibição de carne cultivada. Esperamos ver mais preocupações dos interessados sobre o potencial dos produtos de carne cultivada substituírem a carne e laticínios produzidos convencionalmente.

“Da mesma forma, a falta contínua de regulamentação proativa em relação às alegações de sustentabilidade dos alimentos provavelmente será destacada pelos interessados. As credenciais ambientais tanto da carne quanto da carne cultivada são complexas de verificar, e apresentar ao consumidor uma imagem completa de todos os impactos ambientais é difícil em um rótulo padrão.”

Leia também:

Dieta plant-based pode reduzir a infecção por COVID-19?

As 10 melhores fontes de proteína plant-based para veganos

Imagindairy avança na produção de fermentação de precisão para lácteos sem animais

Por Vitor Di Renzo em 18 de janeiro