A renomada marca de luxo, Gucci, revela sua mais recente versão da icônica bolsa Horsebit 1955, desta vez confeccionada em Demetra, um material alternativo isento de componentes de origem animal, desenvolvido internamente pela Gucci.

O Demetra, produto de dois anos de pesquisa da equipe de especialistas e artesãos da Gucci, é composto principalmente por matérias-primas de base vegetal, como poliuretano obtido a partir de trigo e milho não transgênico, viscose vegetal e polpa de madeira. Esta é a primeira vez que a Gucci utiliza o Demetra para recriar uma de suas bolsas icônicas, e a campanha de lançamento conta com a participação da cantora Billie Eilish.

Eilish, reconhecida por seu compromisso com o estilo de vida vegano, expressou seu entusiasmo, declarando à Vogue: “Estou honrada por fazer parte da evolução da Gucci ao repensar a tradição. É uma nova compreensão, e que não tem medo de evoluir em uma nova direção, que realmente importa para mim.”

Billie Eilish é uma cantora e compositora extremamente popular dos EUA. Apelidada de “Rainha do Pop da Geração Z”, a musicista lançou uma série de álbuns e singles mais vendidos e foi a atração principal de grandes festivais, incluindo Glastonbury e Coachella. Muitas pessoas podem não saber que Eilish também é uma vegana apaixonada . 

Billie Eilish também tem colaborado com outras marcas de moda, como a Nike, contribuindo para a criação de tênis Air Force 1 mais sustentáveis. A iniciativa da Gucci de desenvolver o Demetra reflete a crescente tendência na indústria da moda de buscar alternativas ao couro de origem animal, com várias marcas e startups trabalhando na produção de materiais éticos. Além disso, a Gucci fez uma parceria com Billie Eilish para criar uma campanha envolvendo vídeos cinematográficos, apresentando a música “What Was I Made For?” da cantora.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Imagem de capa: Reprodução – Billie Eilish Instagram

Leia também:

Billie Eilish lança barra de chocolate ao leite vegana

Negócios que não adotarem produtos plant-based não vão sobreviver

Por Nadia Gonçalves em 31 de outubro