Os governos de Taiwan e da Arábia Saudita agora fazem parte da lista de países que estão apoiando a indústria vegana, ao anunciar investimentos em startups que desenvolvem carne à base de plantas.

Taiwan está planejando a produção de cortes inteiros de carne vegetal por meio de uma startup spin-off, enquanto a Arábia Saudita assinou acordos com duas empresas para a produção de alternativas veganas à carne e laticínios. Essas iniciativas ganham destaque em um momento em que a COP28 confirmou que a alimentação predominante no evento será vegana, fortalecendo assim a relação entre a indústria de alimentos à base de vegetais, os governos e legisladores.

Indústria vegana

No entanto, surgem questões sobre como essas iniciativas buscam a redução das emissões de carbono e alcance do consumo Net-Zero nesses países. É importante avaliar se o investimento e o apoio governamental estão sendo direcionados de maneira eficaz para sustentar a sustentabilidade ambiental e promover a adoção de opções alimentares mais ecológicas.

O foco no desenvolvimento da indústria vegana é uma tendência positiva, pois oferece um impacto significativo na redução das emissões de gases de efeito estufa e na preservação dos recursos naturais. Contudo, é fundamental que essas iniciativas sejam concomitantes de políticas e regulamentações para garantir que o crescimento da indústria de alimentos à base de vegetais seja feito de maneira sustentável, com respeito aos direitos dos trabalhadores e à biodiversidade.

A transição para uma dieta baseada em vegetais é promissora para enfrentar os desafios da mudança climática e promover conscientização sobre as questões ambientais. Os governantes têm um papel crucial a cumprir jornada, incentivando a inovação, pesquisa e educação para que a indústria vegana possa crescer e prosperar.

Taiwan

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

O Ministério de Assuntos Econômicos de Taiwan (MOEA) anunciou com entusiasmo um pavilhão especial dedicado à Divisão de Tecnologia durante a exposição Bio Asia Taiwan deste ano, realizada de 26 a 30 de julho. O pavilhão celebrou duas conquistas notáveis, sendo uma delas o desenvolvimento de uma tecnologia de texturização capaz de produzir carne vegetal inteira e em cortes.

Com base nesse avanço, o MOEA tem planos ambiciosos de lançar uma startup até o final de 2023, focado na produção de carne alternativa. O ministério defende que as opções de carne vegetal disponíveis são diferentes das carnes, pois são criadas com desmonte, emulsificação e recombinação de ingredientes. Em contrapartida, uma tecnologia desenvolvida pelo Departamento de Tecnologia Industrial oferece estrutura de fibra multidirecional que pode replicar as características musculares de carnes bovinas, suína, de frango e peixe.

MOEA

Além de destacar sua qualidade de sabor e textura autênticas, o MOEA argumenta que a carne vegetal produzida com essa tecnologia é mais saudável. Esse processamento mais simples evita a necessidade de aditivos e emulsificantes, uma vez que as proteínas de trigo e soja são suficientes para fornecer todos os aminoácidos essenciais e um alto teor de proteína. Essa característica nutricional completa diferencia essa alternativa de carne vegetal das opções tradicionais, que muitas vezes prevaleceu o uso de amaciadores.

Com essa evolução notável na indústria de alimentos à base de vegetais, Taiwan está liderando o caminho para oferecer aos consumidores uma opção de carne mais sustentável, saudável e deliciosa. Essa iniciativa demonstra um compromisso significativo com a sustentabilidade ambiental, tornando-se uma referência para outras nações em busca de soluções inovadoras e ambientalmente responsáveis.

De acordo com Dupont, a demanda por carne à base de plantas aumentará 25% na Ásia-Pacífico entre 2020 e 2025. Atualmente, Taiwan exporta 80% de toda a carne vegana e lançou iniciativas para promover uma a alimentação baseada em plantas.

Arábia Saudita

Na Arábia Saudita, o Ministério do Meio Ambiente, Água e Agricultura fecharam parcerias estratégicas com o Conselho de Sociedades Cooperativas, a Saudi Greenhouses Management & Agri Marketing Co e Ayla Food Options Co com o objetivo de desenvolver produtos de proteína alternativa de origem local.

Essa iniciativa visa promover uma alimentação mais saudável, incentivando substitutos de alta qualidade, aproveitando a tecnologia para produzir opções à base de plantas. A cerimônia de assinatura dessas parcerias foi marcada por uma exposição, na qual os visitantes tiveram a oportunidade de provar esses produtos veganos inovadores.

Com a colaboração dessas entidades, o Ministério busca diversificar as opções de alimentos disponíveis no país, oferecendo alternativas mais atraentes e tolerantes para a saúde.

Esses esforços refletem um compromisso crescente da Arábia Saudita com a sustentabilidade e o bem-estar dos cidadãos. Dessa forma, impulsionam o desenvolvimento de uma indústria de alimentos à base de plantas locais, promovendo a inovação e o progresso tecnológico. Espera-se que essas parcerias sejam um passo significativo rumo a um futuro mais saudável e ambientalmente consciente para o país.

Aproveite e leia também:

Pesquisa mostra que consumidores buscam adotar um estilo de vida sustentável

Autoridades sauditas assinam acordos para impulsionar mercado à base de plantas

Mercado global de ovos à base de plantas atingirá US$ 9 bilhões até 2030

Imagem ilustrativa de capa: Divulgação Bio Asia Taiwan

Por Ana Cristina Gomes em 4 de agosto