Se você se interessa pelo ecossistema das startups certamente irá adorar essa dica de livro.

Saída de Mestre foi recém-publicado pela Editora Gente e aborda as estratégias de compra e venda de startups com a propriedade de quem já vivenciou o processo, na prática. A publicação reúne a história da empresa de logística Pegaki, com reflexões de mais de 10 empreendedores que venderam suas startups e revela o que investidores de grandes corporações pensam a respeito da inovação. 

A obra é resultado de uma parceria entre o fundador da Pegaki, João Cristofolini, e o jornalista especializado em startups e tecnologia, Eduardo Cosomano, que também é fundador da Agência EDB Comunicação. E não para por aí, o prefácio foi elaborado pela Camila Farani, um dos tubarões do programa Shark Tank Brasil (programa em que aspirantes a empreendedores negociam com investidores) e uma das principais investidoras anjo do país. 

O livro traz mais de trinta entrevistas exclusivas com pessoas de grandes empresas, startups que foram vendidas e até investidores e especialistas. Alguns dos nomes de startups são os seguintes: Alexandre  Messina (da Pedala que foi vendida para a AME), Stephanie  Fleury (da DinDin vendida para o Bradesco), Marcela Viegas Graziano (Smarket vendida para a Neogrid), entre outros! 

As primeiras páginas abordam a trajetória da Pegaki, empresa de logística vendida para a Intelipost (plataforma de gestão de fretes brasileira) com uma média de 1 bilhão de cotações de frete e mais de 19 milhões de pedidos ao mês. 

A Pegaki foi uma das primeiras empresas do Brasil a captar investimento via Equity Crowdfunding e dar rápido retorno aos investidores. No livro, João Cristofolini conta como chegaram ao exit de sucesso.

O livro aborda tópicos de interesse para empreendedores e investidores, dentre os quais: 

  • Como e porque as startups estão fazendo tanto sucesso? 
  • Se essas empresas causam esse impacto no mercado, por que elas mesmas não se bancam, ao invés de precisarem de investimentos milionários? 
  • Qual é a vantagem para quem investe? 
  • Porque as grandes empresas, não inovam sozinhas, se elas têm capital? 
  • Por que uma grande empresa precisa de uma startup e uma startup precisa de uma grande empresa?

 

Livro Saída de Mestre

Imagem: Divulgação Saída de Mestre

Early exit: significado e perspectivas 

A obra também fala que o movimento de early exit (saída antecipada) é uma das grandes tendências do mercado. 

O termo, conforme explicado no livro, não tem uma definição formal no Brasil (existe uma dos Estados Unidos, mas não se aplica na nossa realidade). Porém, os 27 especialistas entrevistados afirmaram que as saídas antecipadas no nosso país são aquelas startups com até 5 anos de fundação vendidas em valores entre 5 e 50 milhões de reais. 

Eduardo explicou ainda o motivo pelo qual esse movimento de early exit é uma tendência: “A tecnologia revolucionou diversos setores e mercado, e quem vem promovendo essas mudanças são as startups. As grandes empresas, atentas à necessidade de se manterem competitivas, precisaram se atualizar e oferecer novos serviços aos seus consumidores. Diante disso, elas tinham algumas alternativas, mas que podem ser resumidas em duas: desenvolver a própria tecnologia ou comprar de quem já faz”. 

Inovar em grandes empresas pode ser mais difícil pela questão da governança corporativa, em uma startup essa situação já é mais fácil.

“A compra da startup representa o evento de lucro para quem investiu na startup lá atrás, na fase inicial. Então, por essa razão, o investimento também se torna mais atrativo, porque o investidor sabe que ela pode ser vendida, e isso cria um ciclo positivo”, apontou Eduardo.  

Startups: não existem só os unicórnios 

Culturalmente as startups ainda estão vinculadas aos unicórnios (empresas avaliadas em mais de US$ 1 bilhão), porém, conforme uma pesquisa do Distrito (plataforma de inovação aberta) houve um aumento no número de aquisições no modelo early exit.

Sobre esse tópico, João Cristofolini relatou: “O crescimento das saídas antecipadas é um movimento muito comum no mercado internacional e agora surge como tendência no Brasil. Inclusive, há um aumento histórico no volume de empresas fazendo IPOs e realizando grandes captações de investimento”. 

Ele finalizou: “Boa parte desses valores tende a ser direcionada para aquisição de startups menores, a fim de acelerar a expansão das empresas compradoras. É um assunto que deve permanecer em pauta nos próximos anos”.

Já, Eduardo pontuou: “Vender a empresa em early stage não é sinônimo de fracasso, mas sim de uma chance que empreendedores e empreendedoras têm de viabilizar liquidez aos investidores e, de quebra, participar de algo maior. Até mesmo unicórnios”. 

Daí já podemos perceber que vender a empresa cedo não deve ser visto de modo negativo, pode sim, ser uma estratégia e trazer ainda mais ganhos. 

Cenário das startups brasileiras

Imagem: Pexels

Abordagem pessoal do livro Saída de Mestre: as histórias das pessoas

O co-autor, Eduardo Cosomano, explicou sobre o livro: “Existem muitas similaridades nas histórias das pessoas que criaram, prosperaram e venderam uma startup, independentemente do segmento, e isso é muito rico, porque fica claro que há uma série de indicadores a serem observados. Mas também existem diferenças, e elas são particularmente interessantes porque provam que não existe uma receita”. 

Ele acrescentou: “Tem gente que insiste e se dá bem. Tem gente que insiste e se dá mal. Depende de muita coisa, inclusive do momento. Então, além da análise do mercado, o livro traz essa abordagem pessoal, que desperta a curiosidade do leitor”. 

Fusões e aquisições de startups 

Quando o assunto são as fusões e aquisições, no Brasil a tendência também é de crescimento. 

É isso que indica um levantamento da Inside Venture Capital, realizado pelo Distrito Dataminer 30, no primeiro semestre de 2021. Nele é afirmado que o Brasil registrou 339 fusões e aquisições de startups, mostrando um aumento de 121% comparado ao mesmo período do ano passado. 

Pelo menos, 69% dessas operações envolveram as empresas na fase de early stage e o levantamento também aponta que as startups brasileiras atraíram um valor recorde de US$ 5,2 bilhões em investimentos. 

 

Ideia: fusões e aquisições de startups

Imagem: Pexels 

Onde encontrar o livro Saída de Mestre? 

Quer ler a obra completa? 

Você pode adquiri-la nos e-commerces de livrarias por todo o Brasil ou na página do produto, que atualmente está em pré-lançamento! 

Comprando pelo site do produto até o dia 10 de outubro, você ainda tem acesso a uma Master Class exclusiva com os autores. 

Sobre a Master Class, Eduardo contou o Vegan Business: “A ideia é que quem participar possa tirar todas as suas dúvidas sobre o mercado de startups, bem como, sobre histórias curiosas que acompanhamos ao longo da produção do livro”. 

Os tópicos abordados serão o processo da Pegaki (desde a criação até a venda), construção de reputação de startups, dinâmica de comunicação e a importância desse trabalho para o early exit

Gostou da dica do livro Saída de Mestre? Aproveite e leia também: 

Investimento coletivo: crescimento e negócios com valores

Ideias de Negócios: As 10 Melhores Para Empreender em 2021

Marketing vegano em 5 etapas

*Imagem de capa dos autores: Agência EDB Comunicação



por Amanda Stucchi em 1 de outubro