O diretório de restaurantes e negócios veganos, HappyCow, divulga sua lista anual das principais cidades vegan-friendly para 2024. A lista deste ano apresenta uma mistura de participantes recorrentes e novos entrantes, destacando algumas mudanças devido a preocupações econômicas globais, resultando no fechamento de muitos restaurantes em cidades-chave.

O relatório classifica as cidades com base em uma abordagem multifacetada, considerando não apenas o número de restaurantes exclusivamente veganos, mas também a presença de negócios vegan-friendly, sua densidade em cada cidade e crescimento ano a ano. Fatores qualitativos adicionais incluem a disponibilidade de produtos veganos, a conscientização pública sobre o veganismo e a força das comunidades veganas locais.

Bartek Filipowicz, chefe da HappyCow, celebra a lista como um testemunho do progresso mundial na culinária vegana. Ele observa: ‘Estamos empolgados em compartilhar mais uma vez o relatório anual de cidades da HappyCow, destacando o crescimento vibrante do veganismo em todo o mundo. É emocionante ver recém-chegados como Paris liderando o caminho, expandindo a fronteira vegana para doces franceses e queijos. Esta lista é uma celebração do progresso global na culinária vegana, e estou orgulhoso do papel que a HappyCow desempenha nessa jornada em constante evolução.’

Principais cidades

Londres e Berlim lideram o ranking pelo terceiro ano consecutivo, com cerca de 2.000 listagens da HappyCow em suas áreas metropolitanas. Embora Londres tenha experimentado uma redução de 22% nos negócios veganos em comparação com 2022, ainda ocupa o topo da lista com mais de 350 estabelecimentos veganos. Berlim também viu um crescimento de 34% nas listagens vegan-friendly na HappyCow pós-COVID.

Emma Cebuliak, chefe de marketing da HappyCow, destaca: ‘Londres permanece uma líder global na conscientização vegana e na diversidade de ofertas plant-based. Enquanto isso, Berlim, junto com a Alemanha como um todo, se estabelece consistentemente como uma força fundamental no movimento vegano internacional. Vimos Hamburgo entrar na lista este ano pela primeira vez.’

Destaques das cidades

As dez principais cidades são completadas por Barcelona, Amsterdã, Hamburgo, Portland, Los Angeles, Paris, Bangkok e Lisboa.

Barcelona: A cidade de crescimento mais rápido na lista, com um aumento de 173% nos negócios vegan-friendly desde 2022.
Amsterdã: Permanece estável, com números consistentes com o relatório de 2022.
Hamburgo: A estreia de Hamburgo na lista é marcada por um crescimento de 55% nos negócios veganos no último ano.
Portland: Retorna à lista, conhecida pela maior densidade de estabelecimentos veganos em relação à sua população.
Los Angeles: Apesar da queda nos negócios veganos, continua sendo um polo vegano, sediando muitos eventos veganos.
Paris: A cena vegana está evoluindo com aumento de restaurantes e negócios totalmente veganos.
Bangkok: Destaca-se por sua comida fresca e crescentes opções vegan-friendly.
Lisboa: O foco em uma vida saudável e livre de crueldade aumentou significativamente suas opções de comida vegana.

No geral, o relatório observa um aumento de 31% nas listagens vegan-friendly e um aumento de 4% nas listagens totalmente veganas. As cidades europeias estão expandindo suas ofertas veganas, com seis das dez melhores cidades localizadas na Europa. Apesar de algumas cidades experimentarem uma queda nos restaurantes veganos, a tendência indica uma crescente aceitação mainstream do veganismo.

O fundador da HappyCow, Eric Brent, comenta: ‘Esteja você já adotando um estilo de vida vegano ou apenas começando a explorá-lo, defendemos fortemente o apoio a empreendimentos veganos locais. Essas cidades líderes oferecem uma notável variedade de culinária deliciosa, compassiva e saudável.'”

Encontre a análise completa, incluindo as cidades mencionadas, aqui.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Leia também:

Mediterranean Food Lab capta US$ 17 milhões

Estudo avalia política de proteínas alternativas

Dieta plant-based pode reduzir a infecção por COVID-19?

Por Vitor Di Renzo em 18 de janeiro