Salvador, capital da Bahia, servirá 10 milhões de refeições plant-based nas escolas todos os anos. A ação é decorrente de um acordo entre o município, a Humane Society International (HSI) e a Mercy for Animals (MFA). Dessa forma, o programa Alimentação Consciente Brasil, iniciativa da MFA, lançará o programa Educando para a Sustentabilidade nas escolas municipais. 

“Fazendo essa inclusão no cardápio de instituições que servem refeições em larga escala, como escolas e restaurantes populares, conseguimos contribuir significativamente para uma mudança sistêmica na cultura alimentar, além de influenciar uma mudança individual de consumo para quem tem poder de escolha sobre sua alimentação”, afirmou Alice Martins, gerente de Políticas Alimentares do ACB, no blog da instituição. 

Refeições plant-based nas escolas 

Uma alimentação saudável é essencial para todas as faixas etárias. No programa Educando para a Sustentabilidade serão oferecidos pratos com mais grãos, verduras, legumes e frutas para mais de 170 mil estudantes. 

Para desenvolver as receitas, foram considerados vários critérios: 

  • Necessidade das instituições. 
  • Aceitação dos estudantes, pensando também na cultura alimentar da região. 
  • Infraestrutura das cozinhas. 
  • Resoluções que as escolas devem seguir, conforme o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). 

Além disso, o programa também incentiva que as instituições participantes preparem as refeições plant-based com ingredientes in-natura e produzidos de formas mais justas, por exemplo, com a agricultura familiar. Interessante, não é? 

Vale destacar que não há nenhum custo para as instituições parceiras, sendo assim, a Humane Society International (HSI) e a Alimentação Consciente Brasil (ACB), em suas frentes de atuação em políticas alimentares, oferecem às instituições públicas: suporte de equipe de nutricionistas, chefs e profissionais especializados, bem como uma consultoria completa para a implementação do programa (como desenvolvimento de cardápio e treinamentos teóricos e práticos).

Os profissionais que vão estar envolvidos nessa implementação, também conseguem materiais de suporte de educação nutricional e ambiental virtuais e impressos. Após isso, também existe um acompanhamento do projeto. 

Marcelo Oliveira, secretário da Educação de Salvador, também afirmou sobre o acordo: “A ideia é propor mudanças de hábitos na alimentação dos estudantes. Hoje, no Brasil, sabemos que as crianças, principalmente das camadas mais humildes da população, que é o público alvo da rede municipal de ensino, consomem pouca fruta e verdura, concentrando a fonte de proteína em produtos de origem animal. Então, a nossa proposta é que a gente consiga estimular nossas crianças a formar um paladar mais saudável para o resto de suas vidas”. 

As estimativas do programa 

A Humane Society International (HSI) e a Alimentação Consciente Brasil (ACB) utilizaram metodologia científica para estimar o impacto ambiental anual do programa:

  • 50 mil toneladas de soja deixarão de ir para a pecuária, o que poderá alimentar aproximadamente 1,3 milhão de adultos durante um ano. 
  • Serão preservados 16 mil hectares de florestas. Para ter uma ideia, isso é equivalente a 16 mil campos de futebol! 
  • Ocorrerá uma economia de 400 milhões de litros de água, praticamente mais de 3 milhões de banhos com duração de 15 minutos. 

Portanto, podemos observar o impacto positivo do programa, não só olhando para a questão educacional (estimulando as crianças a se alimentarem de uma forma mais saudável), como também do ponto de vista ambiental. 

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

69% dos pais no Reino Unido apoiam mais refeições veganas nas escolas

Escolas da cidade de Nova York adotam sexta-feira vegana

10 motivos para se tornar vegano hoje

*Imagem ilustrativa de capa: Unsplash 

Por Amanda Stucchi em 29 de abril