Um novo relatório da ProVeg revelou que as cinco principais redes globais de fast food – McDonald’s, Burger King, Subway, Pizza Hut e KFC – estão gradualmente expandindo seu leque de opções à base de plantas.

O estudo pesquisou os pratos de origem vegetal disponibilizados por essas redes em diversos países, incluindo Bélgica, República Tcheca, Alemanha, Holanda, Polônia, África do Sul, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos.

Opções à base de plantas

Na liderança na lista ficou o Burger King, graças à diversidade de pratos principais isentos de ingredientes de origem animal. No último dia 8 de agosto, fez 4 anos desde o lançamento do Impossible Whopper nos Estados Unidos. Atualmente, os Whoppers à base de plantas estão presentes em diversos países. Além disso, a rede se destaca ao assumir o compromisso de incorporar 50% de opções à base de plantas em seu cardápio até 2030.

Na segunda posição, está o Subway, que adota uma abordagem clara ao rotular suas opções à base de plantas e possibilita que os clientes montem os sanduíches. A franquia disponibiliza substitutos de carne em diversos países.

O McDonald’s ocupa o terceiro lugar na lista, apresentando o seu hambúrguer McPlant, nuggets veganos e o sorvete McFlurry sem laticínios na Alemanha. A quarta posição é da Pizza Hut, com queijo vegano da Violife no Reino Unido e três opções de pizza veganas na Alemanha.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Por fim, a quinta colocação pertence ao KFC, que oferece hambúrgueres veganos e opções de frango frito em determinados países. A rede fechou parceria com a Quorn no ano passado, com o propósito de lançar uma linha vegana em milhares de estabelecimentos na Europa.

De acordo com Josh Bisig, gerente de projetos sênior da ProVeg: “Analisamos 43 cardápios online nos nove países mencionados, sendo que em 22 deles (51%) constatamos a presença de pelo menos uma opção à base de vegetais”.

Avanços

Apesar dos avanços conquistados até o momento, a ProVeg identifica oportunidades de aprimoramento e apresenta diversas sugestões para estimular os consumidores a escolherem opções mais voltadas para vegetais nos pratos. Algumas destas sugestões incluem:

  1. Apresentar, por padrão, as opções à base de plantas no menu.
  2. Substituir gradualmente os itens do cardápio de fontes de animais por alternativas de origem vegetal.
  3. Introduzir opções à base de vegetais nos menus principais, ao mesmo tempo que inclui em um menu distinto focado em alternativas vegetais.
  4. Evite o uso direto de termos como “vegano” e “vegetariano” na nomenclatura dos itens, utilizando características culinárias, sensoriais ou a marca do prato.
  5. Estabelecer parcerias com fabricantes e varejistas de produtos alimentícios voltados para o universo vegetal.

Estas medidas visam incentivar uma maior adoção de opções à base de vegetais, promovendo uma mudança de hábitos alimentares em direção a escolhas mais conscientes e saudáveis.

“É incrível ver como o fast food – que sempre girou em torno do consumo de carne animal – tornou-se mais amigo das plantas e, ao fazê-lo, mais amigo do clima”, disse Bisig. “As cadeias de fast food são onipresentes e desempenham um papel importante na normalização de alimentos amigáveis ao clima para milhões de pessoas em todo o mundo que, de outra forma, não considerariam os impactos negativos das escolhas alimentares. E essas cadeias estão fazendo isso cada vez mais, tornando as opções à base de plantas mais disponíveis, saborosas, bem como acessíveis”.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também:

Barnivore: conheça o site que identifica bebidas alcoólicas veganas

O que é pitch deck? Como elaborar um para sua empresa

Mercado global de ovos à base de plantas atingirá US$ 9 bilhões até 2030

Imagem ilustrativa de capa: Divulgação McDonald’s Reino Unido

Por Ana Cristina Gomes em 10 de agosto