O Programa de Soluções para a Transição Sustentável da Agricultura Celular Europeia (FEASTS), recém-criado e financiado pela União Europeia, foi lançado em janeiro para iniciar um projeto de três anos sobre carne e frutos do mar cultivados.

O programa visa reunir informações abrangentes e conhecimento tecnológico “imparcial” sobre carne à base de células para estabelecer um quadro para a produção sustentável e promover a tecnologia como um método futuro de produção de proteínas.

O FEASTS é um consórcio de 36 instituições independentes de 17 países, incluindo universidades e institutos de pesquisa, startups, aceleradoras de negócios, consultores independentes, iniciativas internacionais de inovação alimentar, representantes de agricultores e aquicultores, e uma associação de consumidores.

Marja-Liisa Meurice, Diretora da região Norte e Leste da EIT Food e parceira do consórcio do FEASTS, comenta: “Estamos buscando identificar as tecnologias mais sustentáveis e economicamente viáveis, e estabelecer seu lugar no sistema alimentar da União Europeia. Queremos que nossas descobertas sirvam, em última instância, como uma ferramenta de suporte à decisão para políticas informadas e tomadas de decisão na UE.”

Sustentabilidade por design

O FEASTS explica que se concentrará na sustentabilidade por design, uma abordagem interdisciplinar e de compartilhamento de conhecimento.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Para entender o impacto multidimensional da agricultura celular no meio ambiente e na cadeia de valor alimentar, os interessados no programa usarão modelos de sistema dinâmicos para integrar todas as informações, desde questões éticas até análises do ciclo de vida da carne cultivada.

Como parte do projeto, o FEASTS explorará todas as perspectivas da fazenda à mesa para determinar como essa nova tecnologia pode contribuir para o futuro da agricultura, encontrando soluções para a segurança alimentar e transições justas para agricultores e aquicultores.

Além disso, o programa também se concentrará nos consumidores para abordar lacunas de conhecimento, como nutrição e segurança alimentar. Os planos anunciados pelo novo think tank incluem o lançamento de workshops e grupos de foco para aumentar a conscientização e o conhecimento e acelerar a aceitação desses novos produtos. Um fórum para discutir o papel da agricultura celular em atender à crescente demanda por proteínas será parte dos objetivos ambiciosos da organização.

Proteínas à prova de futuro

Em conclusão, o FEASTS visa desenvolver um modelo de administração que promova a competitividade futura do setor de carne e frutos do mar cultivados na União Europeia.

O Prof. Frederico Ferreira, Gerente de Projeto e Coordenador do FEASTS do Instituto Superior Técnico, em Lisboa, compartilha: “Nosso objetivo com o FEASTS, que foi projetado como um think tank, é expandir o conhecimento relacionado à carne e frutos do mar cultivados para garantir o abastecimento futuro de proteínas.

“Estamos focados na inovação responsável e nos princípios da ciência aberta para garantir o compartilhamento de dados, a reprodutibilidade e, em última instância, o acesso às descobertas do projeto pelos principais interessados”, acrescenta.

Leia também:

Magnum lança sorvete vegano sabor Blueberry Cookie

COLIPI capta €1,8 M para desenvolver óleo neutro em CO2

Amsterdã endossa o tratado global de alimentação plant-based

Por Vitor Di Renzo em 4 de fevereiro