A Associação de Médicos do Reino Unido (DAUK) e a Plant-Based Health Professionals UK (PBHP UK) uniram forças para criticar uma campanha governamental que promove o consumo de carne e laticínios.

As organizações enviaram uma carta aberta ao Conselho de Desenvolvimento da Agricultura e Horticultura (AHDB) e ao Departamento de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais (DEFRA) para expressar suas preocupações sobre a campanha Let’s Eat Balanced. Lançada para coincidir com o Veganuary, a campanha defende o consumo de carne como fonte de proteína, zinco, ferro e vitamina B12. No entanto, DAUK e PBHP UK afirmam que a promoção do consumo de produtos de origem animal vai contra as evidências científicas estabelecidas sobre dietas saudáveis e sustentáveis e pediram a retirada da campanha.

O impacto das emissões na cadeia de suprimento alimentar

As organizações argumentam que as alegações da campanha são “inacuradas e enganosas”, já que todos esses nutrientes podem ser facilmente obtidos de uma dieta bem planejada à base de plantas. Explicam que a vitamina B12, muitas vezes considerada um nutriente de origem animal, é na verdade produzida por microrganismos, sendo suplementada nos bovinos para que produzam quantidades suficientes.

Sistema alimentar plant-based

A carta aberta pede uma transição para um sistema alimentar plant-based, citando evidências de que dietas plant-based reduzem o risco de doenças crônicas como doenças cardíacas, hipertensão, diabetes tipo 2 e certos tipos de câncer. Critica a campanha Let’s Eat Balanced por ignorar as evidências de que o consumo de carne é prejudicial, especialmente no caso de carnes vermelhas e processadas, reconhecidas como carcinógenas pela Organização Mundial da Saúde.

DAUK e PBHP UK também destacam que a crise climática é “a maior ameaça à saúde humana”, indicando que nutrição e sustentabilidade estão interligadas. Eles afirmam que a campanha Let’s Eat Balanced contraria a própria orientação do governo, que recomenda “uma dieta rica em alimentos de origem vegetal e menor em alimentos de origem animal, que têm um impacto ambiental significativo, trazendo benefícios para a saúde e o meio ambiente”.

A carta cita pesquisas específicas do Reino Unido que mostram que 70% das emissões totais de alimentos no país vêm da produção de carne vermelha e laticínios. Além disso, menciona uma análise indicando que, se a Inglaterra adotasse uma dieta totalmente plant-based, o NHS poderia economizar cerca de £18.8 bilhões por ano.

Combatendo a desinformação

À medida que o interesse por alimentos plant-based continua a crescer, a indústria da agricultura animal responde espalhando desinformação. Em fevereiro, a organização de defesa do consumidor The Freedom Food Alliance publicou um relatório mostrando que a indústria utilizava táticas como a manipulação de mídias sociais através de inteligência artificial e o uso inadequado de ciência corporativa para influenciar a opinião pública e a política. O relatório pede “legislação robusta, fim do greenwashing e responsabilidade estrita” para combater os efeitos prejudiciais dessas estratégias nas políticas de mudança climática.

Em janeiro, a Oatly respondeu a uma série de notícias negativas sobre o leite de aveia, após publicações alegarem que a bebida era rica em açúcar e poderia causar deficiências nutricionais. A marca apontou que as comparações eram enganosas, com um artigo comparando a quantidade de açúcar naturalmente presente em um litro de leite de aveia à quantidade de açúcar refinado em uma barra de Mars. A Oatly acrescentou que nunca houve nenhuma evidência científica de que o leite de aveia cause deficiências.

No mesmo mês, Robbie Lockie, do Plant Based News, e a Freedom Food Alliance criticaram um artigo do Daily Mail que distorceu um estudo científico para afirmar que a proteína animal era necessária para um envelhecimento saudável. Na verdade, o estudo constatou que a proteína vegetal era mais benéfica.

“A mudança alimentar é a ação mais impactante que podemos tomar para melhorar a saúde do planeta”, disse a Dra. Shireen Kassam, diretora da PBHP UK. “Felizmente, não precisamos escolher entre um planeta habitável e nossa saúde. Uma mudança para uma dieta predominantemente ou exclusivamente plant-based pode trazer benefícios significativos à saúde, com estudos mostrando sua capacidade de adicionar anos saudáveis à vida.”

Leia também:

A maior eleição do mundo foi decidida pela crise climática?

Plantê – Biscoitos para comer na Naturaltech

Heather Mills lidera protesto vegano na Conferência Climática em Bonn

Por Vitor Di Renzo em 10 de junho
Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores