O segmento de carnes misturadas continua a crescer, e a maior empresa de alimentos do mundo, a Nestlé, aderiu à tendência com um ‘extensor de carne’ plant-based.

Lançado sob a marca Maggi, a nova inovação da Nestlé é chamada Rindecarne, um produto de proteína de soja temperada, em forma de carne moída, que pode ser combinada com carne de origem animal.

Ao contrário de outros produtos de carne misturada, que destacam o sabor, a proposta da Nestlé é a acessibilidade. O extensor de carne está disponível no Chile, onde a desigualdade de renda tem sido um grande contribuidor para a desigualdade social por anos.

Transformando duas porções em quatro

O Maggi Rindecarne tem como base proteína de soja, farinhas de soja e trigo, glutamato de sódio, sabores naturais e outros agentes de sabor como alho, beterraba, páprica, açúcar, pimenta, sal e ácido cítrico. Também inclui óleo de canola e corante natural de caramelo.

A Nestlé afirma que a mistura de soja e temperos permite uma combinação perfeita do Rindecarne com carne moída em uma variedade de pratos, dobrando a quantidade de porções “a um preço acessível”. Essa mensagem tem sido o destaque do marketing do produto, com postagens nas redes sociais mostrando como a carne misturada pode transformar dois hambúrgueres e duas tigelas de espaguete à bolonhesa em quatro porções cada.

Embora enfatize a acessibilidade, a Nestlé também destaca a importância do sabor e da saúde, observando que um prato preparado com Maggi Rindecarne “mantém seu valor nutricional sem comprometer o sabor”.

Cada porção contém 5,2g de proteína e apenas 0,4g de gordura (com uma quantidade mínima de gordura saturada). O produto é descrito como “versátil e personalizável” e pode ser usado em uma variedade de pratos como hambúrgueres, kebabs, almôndegas, pastel de choclo e tortas de carne alemãs, além de recheios em lasanhas, espaguete à bolonhesa e tacos.

“Nossa equipe de especialistas e chefs desenvolveu uma solução personalizada que oferece uma quantidade equivalente de proteína de maneira acessível aos consumidores da América Latina”, disse Swen Rabe, chefe do Centro de Tecnologia e Produtos da Nestlé para Alimentos.

Como o Rindecarne é um produto seco, precisa ser reconstituído em água por 15 minutos antes de ser adicionado à carne moída. “Nossa inovação garante o sabor e a textura familiares da carne moída, é estável em prateleira e fácil de usar”, acrescentou Rabe.

Esta não é a primeira inovação da Nestlé que combina proteínas vegetais e animais. Em 2022, a empresa lançou uma mistura de proteínas vegetais estável em prateleira para complementar pratos de ovos na América Latina. No ano passado, a empresa desenvolveu uma bebida de leite misto com leite de vaca e soja para a África Central e Ocidental.

Carnes misturadas ganham força

A decisão da Nestlé de introduzir carne misturada no Chile é inteligente. Os cidadãos do país estão reduzindo o consumo de carne animal, principalmente por questões de saúde e custo.

Uma pesquisa da Ipsos, em colaboração com a organização local Fundación Veg (antiga Vegetarianos Hoy), descobriu que 75% dos chilenos reduziram o consumo de carne vermelha no ano passado. Entre aqueles que estavam diminuindo o consumo de produtos de origem animal, 31% citaram razões de saúde e 14% culparam os altos preços.

A importância do custo cresceu nos últimos anos, com 14% dos entrevistados que não reduziram o consumo de carne dizendo que considerariam fazê-lo por causa do custo, um aumento de seis pontos percentuais desde 2021.

Outra pesquisa das duas organizações mostrou que 73% dos chilenos comeriam produtos plant-based se fossem iguais ou melhores que os equivalentes de origem animal em termos de nutrição. Da mesma forma, 72% comprariam produtos veganos se tivessem preços semelhantes ou inferiores.

A carne misturada é vista como uma mudança importante nos esforços de redução do consumo de carne. Uma análise sensorial publicada no mês passado mostrou que a maioria dos produtos plant-based não satisfaz os onívoros, mas o único produto que se aproximou de uma pontuação igual à de um hambúrguer convencional foi o Both Burger, da 50/50 Foods, que mistura carne bovina com a mesma quantidade de vegetais.

O sucesso do Both Burger pode ser comprovado pelo fato de estar disponível na Disneylândia. É uma das várias empresas que oferecem carne misturada: Phil’s Finest tem se saído bem desde que teve sucesso no Shark Tank (como Misfit Foods), e o 50Cut à base de micélio da Mush Foods agora faz parte de um hambúrguer misto do fornecedor de carne Pat LaFrieda. A linha Chicken Plus da Perdue Farms, que combina frango com a carne de micélio da The Better Meat Co, tem sido uma das histórias de maior sucesso no segmento.

O potencial da categoria atraiu empresas de produtos plant-based também. A australiana Harvest B lançou sua linha de carnes misturadas em abril, enquanto a líder de mercado de carnes sem carne do Reino Unido, Quorn, anunciou no mês passado que oferecerá seu micoproteína para serviços de alimentação e caterings hospitalares em todo o país para uso em pratos de carne suína e bovina misturada.

“Antigamente, competíamos efetivamente com a indústria da carne – fazendo apenas produtos alternativos aos deles e encorajando as pessoas a mudar”, disse o CEO da Quorn, Marco Bertacca, ao Green Queen. “Agora nos vemos colaborando para oferecer opções com menos carne aos consumidores que procuram reduzir o consumo de carne, mas não querem refeições vegetarianas ou veganas”.

Ele acrescentou: “Isso representa a maioria das pessoas e, portanto, é uma grande oportunidade para descarbonizar parte do sistema alimentar e melhorar a saúde pública”.

Confira a matéria publicada na Green Queen.

Leia também:

Credo Foods lança spray de queijo vegano à base de leite de aveia

Semana do combo na Sunrize: desconto especial em proteínas

Petição exige rotulagem clara para alimentos veganos e vegetarianos na NZ

Por Vitor Di Renzo em 9 de julho
Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores