A Forsea Foods, uma startup israelense de frutos do mar cultivados, revelou o que afirma ser o primeiro protótipo de enguia cultivada do mundo. Segundo a startup, a enguia cultivada proporciona a textura delicada e o sabor marcante da enguia japonesa unagi (Anguilla japonica), conhecida por sua maciez e sabor rico.

Para demonstrar o potencial de seu novo desenvolvimento, a Forsea trabalhou com o chef Katsumi Kusumoto, do restaurante vegano popular Saido, em Tóquio, para criar dois pratos tradicionais japoneses — unagi kabayaki (enguia grelhada marinada sobre arroz) e unagi nigiri. Como as degustações de carne cultivada ainda não são legalmente permitidas no Japão, o protótipo ainda não foi servido ou experimentado no restaurante Saido, confirma a empresa. As equipes da Forsea e Saido se encontraram algumas vezes no Japão, e o protótipo foi desenvolvido e apresentado em Israel.

“A Forsea está liderando a fusão da cozinha asiática tradicional de alta qualidade com tecnologia inovadora para criar a primeira enguia cultivada do mundo — proporcionando ao consumidor uma autêntica experiência com frutos do mar sem sobrecarregar ainda mais a vida aquática”, diz Roee Nir, CEO e co-fundador da Forsea.

Um produto comercial até 2025

Após essa prova de conceito, a empresa afirma estar pronta para avançar, ampliando sua produção, e anunciou planos para lançar um produto comercial até 2025. “Este marco representa um grande salto em nossa jornada para oferecer deliciosos produtos cultivados de frutos do mar”, compartilha Nir.

A Forsea Foods também anunciou a nomeação de Mayu Sugisaki como gerente de desenvolvimento de negócios para o Japão, para fortalecer sua presença no mercado asiático de alimentos. Enquanto isso, a biotecnologia israelense buscará parcerias estratégicas também na Europa e nos EUA.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Nir, Moria Shimoni, Iftach Nachman e Yaniv Elkouby fundaram a Forsea em 2021 com o apoio da Autoridade de Inovação de Israel e do The Kitchen Hub, além do suporte de Target Global, PeakBridge VC, Zora Ventures, FoodHack e M&H Ventures.

Em outubro de 2022, a biotecnologia israelense captou $5,2 milhões para sua abordagem inovadora em uma rodada semente liderada pela Target Global. No ano passado, a startup, que venceu o Prêmio Startup Pitch Hour no Asia-Pacific Agri-Food Innovation Summit, também anunciou planos de expansão para uma nova instalação piloto com produção em larga escala para lançar seus primeiros produtos.

Indulgência sustentável

A plataforma proprietária da Forsea utiliza a tecnologia de organoides para criar microtecidos 3D que imitam o processo natural de formação celular. Nachman, o desenvolvedor da tecnologia, explica que o processo envolve criar um ambiente ideal para as células de peixe formarem espontaneamente sua composição natural de gordura e músculo, como fariam em um peixe vivo. Essa abordagem simplifica o processo de produção e melhora a escalabilidade, reduzindo significativamente os custosos fatores de crescimento.

Embora a Forsea possa cultivar qualquer fruto do mar, a startup tem como objetivo oferecer uma alternativa sustentável para a enguia, proporcionando um produto nutritivo, livre de antibióticos, hormônios e poluentes oceânicos.

A enguia é um peixe procurado na culinária tradicional japonesa e é considerada uma iguaria em todo o mundo. No entanto, a pesca excessiva levou a espécie a um status de ameaça, causando gargalos no fornecimento, comércio ilegal e preços elevados.

“A unagi é uma favorita duradoura no Japão. Seu apelo atemporal, no entanto, é impactado por uma crescente conscientização entre a população japonesa sobre a necessidade de adotar uma abordagem mais sustentável. Foi uma jornada emocionante unir forças com inovadores emergentes e trabalhar juntos para oferecer a indulgência tradicional da unagi com uma consciência ecológica clara”, comenta Kusumoto.

Leia também:

Franklin Farms colabora com a Disney em alimentos plant-based

Nippon Ham lançará sashimi de atum plant-based

Demanda por refeições plant-based cresce 40% na Emirates

Por Vitor Di Renzo em 23 de janeiro