A defesa contra os nocivos raios ultravioleta do sol é praticamente uma obrigação para quem mora num país ensolarado como o Brasil. Mas você já parou para pensar no custo dessa proteção para a sua saúde, para os animais e o meio ambiente?

A maioria dos protetores solares têm em sua formulação substâncias químicas como: Oxybenzone, Octinoxate, Octocrylene, Homosalate, Octisalate, Avobenzone, Parabenos, Phthalates ou Phenoxyethanol, entre outros. Estas substâncias, além de fazer mal ao ecossistema marinho, ainda apresentam risco à saúde da pele.

Adicionalmente, mesmo que você não seja vegano é provável que concorde que não deve se preocupar em prejudicar a vida de um animal enquanto protege sua própria pele! O ecossistema marinho também não deve pagar a conta por todas as partículas e dejetos tóxicos decorrentes do uso de cosméticos sintéticos.

Pensando nisso, Xênia Filippetti e Alexandre Filippetti fundaram a Chameleon Sun. A marca oferece um protetor solar totalmente físico e natural, além disso, é 100% livre de crueldade e feito sem quaisquer ingredientes de origem animal. O produto é certificado PETA Animal Test Free and Vegan.

chameleon
Imagem: Divulgação

Chameleon Sun protege a pele dos efeitos nocivos dos raios UV, tem alta resistência à água e ao suor, faz bem para a pele e para natureza. Está disponível nas versões Mineral SPF50+ em três cores: cammy wild, cammy desert e cammy brown, bem como, Orgânica SPF30+ e SPF50+ na cor branca.

A missão da Chameleon Sun é ajudar as pessoas a cuidarem de sua pele e do mundo que temos em comum. Para isso, foram feitos muitos testes e pesquisas para que o produto tivesse tudo o que fundadores buscavam: os ingredientes mais puros e os padrões mais elevados para manter os  químicos longe de nossos produtos e da sua pele.

Transformando necessidade em oportunidade

Os fundadores da marca enxergaram uma oportunidade quando buscaram por um protetor solar vegano, orgânico e natural no mercado e depararam com a falta de opções. Decidiram então criar o próprio produto, com todas as qualidades que quem ama o sol e a natureza valorizam.

Inspirados pela visão 360º do camaleão, eles se comprometeram a fazer a coisa certa, pensando na agilidade que todos precisam ao se proteger do sol, e na longevidade do planeta.

A marca só tem quatro meses, mas já é sucesso entre os consumidores e está se espalhando pelo Brasil, com mais clientes sendo conquistados a cada dia!

De acordo com Xênia, co-fundadora e CEO da Chameleon Sun, o produto já está disponível em 10 estados e com 100% de aprovação da performance (longa duração dentro e fora da água).

Não vendemos somente o filtro solar, vendemos propósito. Sustentabilidade não é uma alternativa, é o único caminho que nos comprometemos a seguir

Proteção para a pele e para a natureza

Se engana quem pensa que para a Chameleon Sun proteger a pele com um produto vegano e 100% natural já seria suficiente. A marca investe ainda na sustentabilidade integrada, desde a concepção do produto e a contribuição para que o nosso oceano seja preservado com inteligência e responsabilidade.

Através de uma parceria com a ONG Eco Local Brasil que atua com ações ambientais no litoral Brasileiro há 18 anos, foram desenvolvidos os potes com o reaproveitamento de plásticos coletados do oceano. Com rastreabilidade quanto à origem e certificado, os potes do protetor são recicláveis e feitos com materiais reciclados e contam ainda com sistema de Refil. Ou seja, após a primeira compra, você só precisa adquirir um refil de reposição.

chameleon-protetor-solar-vegano
Imagem: Divulgação

Assim, além de proteger a pele e o bolso das pessoas, a marca também se preocupa com a redução do descarte de plástico no ambiente. Demais, não é mesmo?

Para comprar é só acessar o site da Chameleon Sun e escolher seu novo amor. E para quem deseja revender é só entrar em contato pelo Whatsapp (51) 997412564.

Gostou de conhecer este protetor solar vegano e natural? Leia também: Por que vender cosméticos veganos e naturais? e 16 marcas de maquiagem vegana fáceis de encontrar

Por Nadia Gonçalves em 27 de maio