Empresas já trabalham com a carne impressa em 3D: uma tecnologia que utiliza a impressora 3D para produzir alimentos. Você tem curiosidade em conhecer algumas marcas que atuam nesse mercado? Então, fique atento a essa lista! 

Aleph Farms

A Aleph Farms é uma empresa de Israel, que em 2018 criou o primeiro bife de carne do mundo usando a impressora 3D. 

Atualmente, utilizam a bioimpressão em 3D que consegue imprimir as células vivas reais, é afirmado que nesse processo os animais não são prejudicados. 

É importante ressaltar que essa tecnologia recria o processo natural de regeneração dos tecidos que acontece no corpo do animal dentro de um ambiente controlado. 

O bife impresso em 3D imita o de origem animal com relação à aparência, cheiro, comportamento de cozimento e até no sangue. 

Uma curiosidade é que essa startup fez uma parceria para trazer a carne cultivada ao Brasil. É provável que o produto chegue aqui entre 2024 e 2025, dependendo da aprovação dos Órgãos Reguladores Brasileiros. 

Redefine Meat

Essa empresa, fundada em 2018, não utiliza elementos de origem animal, priorizando os ingredientes vegetais, como a proteína de ervilha, soja, gordura de coco e óleo de girassol, por exemplo. 

O chefe de tecnologia e inovação Daniel Dikovsky, disse ao MSN: “[A] impressora 3D distribui sangue, gordura e proteína simultaneamente em um nível de voxel que se assemelha a imitar a carne de um animal”. O voxel dispensa o acabamento pré ou pós-impressão.

Ele relatou que essa capacidade faz com que o bife alternativo replique a textura e sensação na boca. 

Novameat

A Novameat é uma marca que desenvolve bife vegetal 3D. Já falamos sobre ela aqui no Vegan Business, informando que a empresa pretende comercializar esse produto em 2022 (atualmente está em fase final de testes). 

Para produzir o bife são utilizadas cápsulas com pasta de arroz, ervilha e algas marinhas. A carne também é feita de camada em camada para parecer um produto de origem animal. 

Revo Foods

Em vez de bifes, você prefere um salmão vegano

A Revo Foods, localizada em Viena, criou essa opção. O produto é feito com proteína de ervilha, extratos de algas e fibras dietéticas. 

A marca oferece salmão defumado e uma pasta de salmão. É dito na página do produto: “Nosso salmão é rico em proteínas, ômega 3, fibras alimentares e vitamina B12. Agora você não precisa comer todos os resíduos tóxicos do salmão para obter seus nutrientes, enquanto faz algo bom para o planeta ao mesmo tempo”. 

Porém, a marca ainda não está no mercado e há um aviso dizendo que os produtos logo estarão disponíveis.

Mercado de carne cultivada com células

Existem várias empresas nesse segmento e, como pôde perceber, a Aleph Farms utiliza as células de animais para criar seu produto. 

O mercado de carne cultivada, segundo a empresa de capital de risco Blue Horizon, chegará a US$ 140 bilhões até o ano de 2030. Outro estudo, esse da McKinsey, relata que esse mercado poderá atingir US$ 25 bilhões nesse mesmo período. 

Carne impressa em 3D: qual é o sabor dessa iguaria? 

Afinal, qual o sabor de uma carne impressa em 3D? 

Um teste de degustação da Redefine Meat, feito às cegas, com mais de 600 participantes revelou uma taxa de aceitação acima de 90%. A maioria seguia uma dieta onívora. 

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, também provou o bife da Aleph Farms e relatou que não conseguia sentir diferenças entre esse produto e o de origem animal. 

A Novameat também fez um teste com visitantes, é possível ver o vídeo onde um participante disse: “Eu acho que é bom”, e outros fazem sinal positivo e expressões de felicidade. 

Além deste, em um vídeo de divulgação, o visitante Ferran Gregori afirmou sobre o sabor: “Não tem a característica de um bife tradicional, mas fiquei surpreso positivamente porque não esperava que a textura seria tão próxima”. 

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Vegano e plant-based: qual é a diferença? 

Startup lança o primeiro bife vegano em 3D do mundo

A carne cultivada com células é uma tendência do mercado vegano

*Imagem de capa: PRNewsfoto/Redefine Meat (via PR Newswire)

Por Amanda Stucchi em 23 de agosto