Quarenta e dois por cento dos consumidores em todo o mundo acham que alimentos plant-based substituirão a carne até 2032.

Foi o que indicou uma nova pesquisa global ao consumidor, realizada pela empresa GlobeScan e pela organização sem fins lucrativos EAT.

Para o relatório, chamado Grains of Truth 2022, foram entrevistados quase 30.000 consumidores em 31 mercados pelo mundo sobre suas preocupações com o atual sistema alimentar.

Preocupações com o suprimento de alimentos

A pesquisa revelou que mais da metade dos consumidores (51%) dizem que se sentem menos seguros sobre suprimento de alimentos diante da COVID-19, conflitos e mudanças climáticas. O relatório observou que há uma variação significativa na forma como isso está sendo sentido em diferentes países e regiões. A América Latina, por exemplo, relata alguns dos mais altos níveis de insegurança alimentar no Brasil (73%), Colômbia (72%) e Peru (69%), além do Quênia (77%) e da Itália (64%).

As preocupações com o fornecimento de alimentos se estendem a escassez de alimentos, com 60% dos entrevistados dizendo que este é um problema muito sério. Há uma variação considerável nos níveis de preocupação entre os países, com oito em cada 10 pessoas em Columbia, Peru, Quênia, México, Brasil, Argentina e África do Sul dizendo que estão preocupadas com a escassez de alimentos, enquanto a China (16%), Hong Kong (24 por cento) e a Coreia do Sul (28 por cento) estão menos preocupadas.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

O aumento do custo de vida está relacionado as preocupações, 92% dos entrevistados dizem que o preço da alimentação aumentou nos últimos três meses.

Crescente interesse sobre o veganismo

No contexto do aumento da insegurança alimentar e do aumento dos preços, 60% dos consumidores consomem alimentos saudáveis. Além disso, o número crescente de pessoas adotando dietas vegetarianas ou veganas.

O consumo de alimentos plant-based aumentou significativamente em muitos mercados importantes em comparação com antes da pandemia, inclusive no Reino Unido e nos Estados Unidos. Mais de um em cada cinco (22%) diz que come comida à base de plantas ou vegana, acima dos 17% em 2019.

“Esta pesquisa mostra como o aumento dos preços dos alimentos, a invasão da Rússia na Ucrânia e as mudanças climáticas exacerbaram o medo dos consumidores sobre a insegurança alimentar”, disse Chris Coulter, CEO da GlobeScan. “No entanto, parece haver uma mudança esperançosa para uma alimentação mais saudável e sustentável entre os consumidores.”

O interesse em dietas plant-based está crescendo em todas as faixas etárias: 40% da Geração Z, 43% dos Millennials, 37% da Geração X, assim como 28% dos Baby Boomers estão interessados em experimentar uma alimentação plant-based.

Da mesma forma, há lacunas significativas entre paises que estão interessados em mudar para uma dieta plant-based e os que já fazem isso. As maiores lacunas estão no Vietnã (38%), Tailândia (37%) e Brasil (22%).

Quase nove em cada 10 consumidores (89%) dizem que comprar alimentos ambientalmente saudáveis e responsáveis é importante para eles. Dois terços (64%) afirmam que estão dispostos a pagar mais por isso, o que indica o valor que os consumidores atribuem a esses bens, mesmo no contexto do aumento do custo de vida.

Os alimentos plant-based substituirão a carne?

Mais de 4 em cada 10 pessoas (42%) dizem que nos próximos 10 anos a maioria das pessoas “definitivamente” ou “provavelmente” estarão comendo alimentos plant-based no lugar da carne. Os mais jovens são mais propensos a pensar que essa mudança acontecerá, assim como aqueles que vivem na África e na Ásia. Norte-americanos e europeus são os menos otimistas sobre uma mudança em larga escala em direção à alimentação vegetariana.

“Muitas pessoas estão se tornando mais interessadas em comer alimentos saudáveis e sustentáveis, isso é um sinal encorajador. Há alguns anos seria impensável que 42% das pessoas globalmente acreditassem que os alimentos plant-based substituirão a carne.”, Dr. Gunhild Stordalen, fundador e presidente executivo da EAT. “O público está começando a entender a escalada das crises climáticas, da natureza e os perigos que isso traz para suas vidas cotidianas.”

De acordo com Stordalen, a capacidade do sistema alimentar de fornecer acesso a alimentos acessíveis é fundamental para acelerar essa mudança. “Embora os consumidores entendam os problemas, cabe a todos os outros no sistema alimentar agir agora para ajudá-los.”, disse Stordalen.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também:

UPSIDE Foods recebe aprovação da FDA para carne cultivada

Nestlé vai lançar cafeteira com cápsulas de café compostáveis no Brasil

Juicy Marbles lança maior pedaço de carne vegetal do mercado

Imagem ilustrativa de capa: Divulgação Pexels

Por Ana Cristina Gomes em 21 de novembro