A Seed to Sturf está empenhada em explorar uma abordagem única com seus frutos do mar alternativos à base de plantas.

O “Caranguejo da Neve” da marca, é uma criação que combina cogumelos enoki e o peixe branco defumado utiliza raiz de aipo-rábano, com o intuito de verdadeiramente “celebrar a essência dos vegetais”.

Além disso, a empresa opta por evitar métodos de alta umidade e tecnologias de células de cisalhamento, comuns no processamento de substitutos de carne. Em vez disso, ela se dedica a trabalhar com plantas dentro de seus ambientes naturais, criando produtos à base de plantas que são integrais e autênticos.

A marca colaborou de perto com especialistas em ciência alimentar para conceber os perfis de sabor de seus frutos do mar alternativos. Essa abordagem envolve o emprego de um método que utiliza calor e pressão durante o processo de enlatamento para estender a vida útil dos alimentos.

A composição dos produtos é caracterizada por uma simplicidade elegante, contando com apenas seis ingredientes ou menos. Os vegetais são habilmente combinados com óleo de girassol, sal marinho, algas marinhas e extratos naturais. Além disso, o peixe branco à base de raiz de aipo-rábano é enriquecido com ácido lático. Essa formulação garante que os produtos sejam isentos de glúten e de alérgenicos, um feito significativo para uma alternativa de proteína à base de plantas.

Frutos do mar à base de plantas

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

O “Caranguejo da Neve” se destaca por sua textura macia, equilíbrio entre salgado e doce. Enquanto isso, o peixe branco defumado impressiona com sabor defumada, textura escamosa e aprofundamento do sabor umami. A empresa afirma que a preservação e preparação dos vegetais inteiros “adicionam um novo matiz à categoria de frutos do mar enlatados premium, que você normalmente encontraria em restaurantes de alto padrão e em estabelecimentos de alta qualidade”.

De acordo com Alexandra Bergquist, uma das cofundadoras da Seed to Surf: “Percebemos que esses dois vegetais conseguem não só capturar, mas também elevar a experiência de frutos do mar que as pessoas conhecem tão bem. Nosso caranguejo de cogumelos, por exemplo, é surpreendente em um molho de caranguejo clássico, enquanto o peixe branco defumado é um complemento excepcional. Encorajamos os consumidores a explorar todas as possibilidades desses produtos, aproveitando ao máximo suas características únicas. Estamos pavimentando o caminho para uma experiência culinária de sucesso.”

Frutos do mar à base de plantas

Segundo o The Good Food Institute, houve um notável aumento de 40% nas vendas de produtos de frutos do mar à base de plantas em 2022, em comparação com o ano anterior. Desde 2021, o cenário das alternativas de frutos do mar tem visto um crescimento considerável, com mais de 120 empresas atuando nesse segmento, abrangendo opções veganas, produtos à base de fermentação e alternativas cultivadas.

A Surf to Seed está em companhia de várias outras marcas que oferecem alternativas veganas aos frutos do mar. Esta é uma indústria que enfrenta desafios ambientais e questões relacionadas aos direitos humanos. A crescente demanda por produtos do mar resultou em práticas de sobrepesca, o que, por sua vez, aumentou as emissões de gases de efeito estufa. Além disso, o consumo excessivo de combustíveis por embarcações de pesca oceânica também contribui para a crise climática. O documentário “Seaspiracy”, lançado em 2021, aborda de maneira detalhada as questões profundas associadas a esse setor.

Mercado

De acordo com Maarten Garaets, diretor administrativo de proteínas alternativas da renomada empresa de frutos do mar Thai Union: “Os consumidores estão cada vez mais conscientes do bem-estar animal e da sustentabilidade. Esses aspectos estão se tornando critérios mais relevantes ao escolherem seus alimentos. Entretanto, ainda se trata de um grupo relativamente pequeno.”

Ele acrescentou: “As alternativas de frutos do mar representam uma categoria emergente, com níveis limitados de conscientização, enquanto a carne já possui uma presença mais consolidada. Contudo, é provável que a indústria de frutos do mar em breve alcance um ritmo acelerado. A questão da saúde tem menos destaque quando se trata de produtos do mar, sendo que a sustentabilidade desempenhará um papel ainda mais proeminente.”

No início deste mês, a marca sul-coreana Unlimeat lançou sua alternativa baseada em plantas para o atum. No decorrer deste ano, startups como Konscious Foods, Bluu Seafood e Hooked Foods receberam investimentos, enquanto duas marcas europeias foram agraciadas com um subsídio de € 1,5 milhões para desenvolver micoproteínas impressas em 3D, visando substituir os frutos do mar convencionais.

Aproveite e leia também:

Clean Food Group levanta £ 2,3 milhões para alternativa ao óleo de palma

Mercer Amsterdam lança tênis veganos com plástico reciclado e couro de abacaxi

Autoridades sauditas assinam acordos para impulsionar mercado à base de plantas

Imagem ilustrativa de capa: Divulgação Seed to Surf

Por Ana Cristina Gomes em 16 de agosto