A quantidade de lixo produzida no mundo é gigantesca. Só no Brasil estamos falando 79,9 milhões de toneladas de lixo por ano. O que algumas pessoas não dão tanta atenção é para a qual tipo de lixo nós estamos mais produzindo. Vamos falar sobre três tipos de lixo: do reciclável, do orgânico e o de rejeito.

Para cada lixo, podemos realizar algumas ações para diminuir e otimizar os resíduos. Porém, infelizmente, os dados não mostram que estamos agindo para isso. Segundo a pesquisa feita pelo Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), mostrou que apenas 3% do lixo é reaproveitado.

E não é porque não estamos produzindo lixos recicláveis, afinal 30% de todo o lixo produzido no Brasil tem potencial de reciclagem. Mas não me surpreende termos saber que nos reaproveitamos apenas 3% de todo o lixo. Afinal, os nossos oceanos deixam claro a quantidade de lixo que simplesmente jogamos fora.

Mas uma coisa é fato: não podemos mudar essa realidade sem nem ao menos conhecer o lixo que estamos produzindo. Por isso, vamos falar hoje sobre qual tipo de lixo nós estamos produzindo, quais as quantidades, e claro o que podemos fazer para mudar esses dados.

Lixo reciclável

Esse tipo de lixo você com certeza já ouviu falar e tem uma ideia do que se trata, não é mesmo? Quando eu digo lixo reciclável, você logo pensa em plástico, metal, vidro e papel? Já imagina as latas de lixo separadinhas pelas cores vermelha, amarelo, verde e azul? Quando eu penso em reciclagem, eu lembro da época da escola, onde falamos muito sobre os 3 R’s: reciclagem, reutilização e redução.

Quando falamos de lixo reciclável estamos falando de jornais, revistas, caixas de papelão, latinhas de alumínio, garrafas de plástico e de vidro. Esses materiais passam por diversas fases, mas basicamente as principais são: coleta e separação, revalorização e transformação.

A separação dos materiais para a reciclagem deve acontecer já em casa. Você pode separar sacolinhas de lixos diferentes para cada um dos tipos de materiais reciclados.

Lixo orgânico

O lixo orgânico surge de materiais de origem vegetal ou animal. Eles são restos de frutas, verduras e outros tipos de alimentos.

No Brasil, nós produzimos cerca de 774 milhões de toneladas de resíduos sólidos orgânicos. Infelizmente apenas 1% de toda essa quantidade é reciclado.

“Existem apenas 26 empresas do ramo no Brasil, em somente seis estados, sendo quatro delas sediadas no Rio Grande do Sul. Menos de 2% dos 5.570 municípios do país têm alguma iniciativa na área. Os recursos do Governo Federal para o tratamento dos resíduos sólidos nas cidades médias e grandes é irrisório. As estruturas precisam de dinheiro para a sua instalação e custeio” (Geraldo Reichert, engenheiro do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) de Porto Alegre)

Algumas pessoas preferem se “livrar” do lixo orgânico através de um triturador de pia. Essa forma evita que os resíduos se apodreçam em aterros sanitários e liberem gás metano no meio ambiente, o que aumenta o efeito estufa. De qualquer forma, esta ainda não é a melhor alternativa.

Uma outra opção é fazer a compostagem. Você pode colocar na sua casa uma composteira doméstica. A compostagem pode reduzir até 50% do volume de lixo das empresas e das casas.

Lixo de rejeito

Os lixos citados acima são resíduos. Eles podem ser reciclados de formas diferentes. Quando o resíduo não pode mais ser reciclado, porque todas as formas já foram esgotadas, ele recebe o nome de lixo de rejeito.

Em teoria, “O operador do aterro sanitário deverá receber apenas rejeitos. Caso contrário, (a empresa) estará sujeito às penalizações do Ministério Público”, como afirmou Fernando Altino, diretor da Interação Ambiental.

Para melhorar a realidade dos aterros, e transformar a afirmação de Fernando em uma realidade, é preciso:

  • Reduzir o lixo que produzimos;
  • Reaproveite restos de alimentos para outras funções ou para produzir novas receitas;
  • Evitar a compra de produtos de com plástico;
  • Andar com um kit ecológico na rua

É importante termos em mente que precisamos diminuir a quantidade de lixo orgânico e lixo reciclável que estão indo para os aterros. Agora que você sabe qual tipo de lixo você está produzindo mais, podemos começar em casa com pequenas atitudes.

Hoje podemos comprar itens que nos ajudam nisso. Marcas vendem sustentabilidades e nos ajudam a mudar essa realidade. Passo a passo, item por item, nós conseguimos diminuir essa quantidade de lixo que estamos produzindo.

Leia também Sustentabilidade e Veganismo andam juntos? (e como não?) e Mercado da sustentabilidade: 5 provas para você investir



por Lari Chinaglia em 7 de fevereiro