Você já se perguntou qual é o papel da carne no desmatamento da Amazônia?

As aulas de ciências nos ensinaram que, quando as árvores crescem, elas usam a luz do sol para converter dióxido de carbono e água em alimentos.

O processo, resultado de bilhões de anos de evolução, não é apenas benéfico para as plantas, mas também é vital para a vida na Terra. Por um lado, à medida que a crise climática se intensifica e as emissões aumentam, precisamos ser capazes de remover mais dióxido de carbono do ar, antes que ele aqueça o planeta a um estado inabitável.

Mas, há décadas, algumas das maiores indústrias do mundo não cuidam das árvores. Há cerca de 10.000 anos, mais da metade das terras habitáveis do mundo, cerca de 6 bilhões de hectares, eram cobertas por florestas. Agora, graças à humanidade, isso caiu para 4 bilhões e ainda está caindo. Isso não é uma boa notícia para nós ou para os animais que dependem dessas florestas para sobreviver.

Quando se trata de desmatamento, há muitos culpados. Madeira e óleo de palma, que estão em cerca de metade de todos os produtos embalados, são dois deles. Mas nenhuma dessas indústrias destrói as florestas do mundo na mesma proporção que a carne. Sim, acontece que todos esses hambúrgueres de carne bovina estão prejudicando seriamente a floresta tropical. Além disso, toda a soja cultivada para alimentar os animais de fazenda do mundo, bem, isso também está destruindo a floresta tropical.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Aqui, examinamos mais de perto o papel da carne no desmatamento e o que está sendo feito para detê-lo.

O que é desmatamento?

Simplificando, o desmatamento significa limpar intencionalmente a área florestal. No caso da indústria da carne bovina, principal impulsionadora do desmatamento, as florestas são cortadas ou incendiadas (conhecidas como derrubadas e queimadas) para dar lugar à pastagem do gado.

Os incêndios são uma ocorrência regular na Floresta Amazônica, onde opera uma porcentagem significativa de pecuaristas. A maioria dos incêndios florestais em 2019, que queimaram uma área do tamanho de Nova Jersey, começou intencionalmente com o objetivo de limpar o terreno. “O importante a saber sobre a Amazônia é que poucos incêndios ocorrem naturalmente. Praticamente tudo é iniciado por humanos”, disse Mikaela Weisse, do World Resources Institute, à Vice em 2019.

Por que o desmatamento é um problema?

Todos os anos, uma árvore madura absorve cerca de 48 quilos de dióxido de carbono. No entanto, quando derrubados ou incendiados, eles não têm mais a capacidade de remover o gás de efeito estufa. Mas fica pior, pois, quando as árvores se decompõem ou queimam, elas liberam o carbono que armazenaram de volta na atmosfera.

De acordo com o World Resources Institute, entre 2015 e 2017, a perda de florestas tropicais em todo o mundo contribuiu com cerca de 4,8 bilhões de toneladas de emissões de dióxido de carbono. E em 2021, um relatório descobriu que, devido ao desmatamento e à crise climática, grandes partes da floresta amazônica estão emitindo mais dióxido de carbono do que podem absorver.

“É um impacto enorme, sabe diretamente porque estamos emitindo CO2 para a atmosfera, o que está acelerando as mudanças climáticas, mas também porque está promovendo mudanças nas condições da estação seca e estresse para as árvores que produzirão ainda mais emissões”, disse o líder autor do relatório, Luciana Gatti, disse ao Guardian. “Este é um feedback negativo terrível que aumenta as emissões muito mais do que pensávamos.”

Mas as emissões não são a única questão ligada ao desmatamento. Quando as florestas são derrubadas, a vida selvagem que depende delas para sobreviver também é afetada. A floresta amazônica é o lar de várias espécies de animais ameaçados de extinção, incluindo onças, botos do rio Amazonas, macacos uacari e antas sul-americanas. Mas quanto mais desmatamento ocorre, mais sua sobrevivência é ameaçada. No ano passado, um relatório sugeriu que mais de 10.000 espécies de plantas e animais estavam em risco de extinção devido ao desmatamento da Amazônia.

Qual é o papel da carne no desmatamento?

No momento, o mercado global de carne bovina vale mais de US$ 467 bilhões. E até 2030, de acordo com pesquisas de mercado, prevê-se que progrida a uma taxa composta de crescimento anual de 4,8% até 2030. Mas toda essa demanda tem uma consequência. Para produzir mais carne bovina, é necessário mais gado, o que significa mais terra. No ano passado, uma pesquisa da Global Forest Watch sugeriu que a produção de carne bovina impulsiona o desmatamento cinco vezes mais do que qualquer outra indústria.

Mas a relação da carne com o desmatamento não termina com a carne bovina. A mesma pesquisa descobriu que a soja é o segundo maior fator de desmatamento e, entre 2001 e 2015, destruiu mais de oito milhões de hectares de floresta. A maior parte não é para o consumo humano. Na verdade, apenas cerca de 6% da soja do mundo vai para a produção de tofu e leite de soja. A maior parte da soja do mundo, quase 80%, vai para a produção de ração animal. Isso significa que, ao lado da carne bovina, produtos como ovos, leite, queijo, nuggets, salsichas, bacon e outros também estão associados ao desmatamento.

O que está sendo feito para conter o desmatamento?

No passado, a brasileira JBS, que é a maior empresa de processamento de carne do mundo, se comprometeu a tentar parar de destruir a floresta tropical. Mas relatórios recentes sugerem que ele ainda está ativamente envolvido com o desmatamento. Em novembro de 2022, admitiu ter comprado quase 9.000 cabeças de gado de um dos maiores desmatadores do Brasil entre 2018 e 2022.

Na época, a JBS alegou ter sido vítima de fraude e não sabia que o gado estava ligado ao desmatamento. Mas muitas organizações, como o grupo Drop JBS afirmam que o desmatamento é intrínseco às operações da JBS. “Não se deixe enganar pela capa”, diz o site. “O desmatamento está no DNA da JBS.”

Mas a empresa não está operando sozinha. A Drop JBS afirma que os supermercados que vendem produtos da JBS, bem como os bancos, investidores e credores que a financiam e a indústria do couro que depende de seus subprodutos, são todos responsáveis por perpetuar o desmatamento.

As leis precisam mudar

Alguns supermercados tomaram medidas para impedir a destruição da floresta tropical. A Tesco, a maior rede de supermercados do Reino Unido, afirma que está “apoiando iniciativas que combatem o desmatamento” e está se esforçando para tornar suas cadeias de suprimentos de soja livres de desmatamento até 2025. E em 2018, parou de comprar carne bovina do Brasil devido a preocupações com o desmatamento. Mas, de acordo com o Greenpeace, ainda compra carne da Moy Park e da Pilgrim’s Pride, que são subsidiárias da JBS.

Para realmente conter o desmatamento, as leis precisam mudar. E, felizmente, o progresso está sendo feito. Na UE, por exemplo, uma nova lei com o objetivo de combater o desmatamento foi recentemente acordada. Quando entrar em vigor, todas as empresas que operam no mercado da UE serão legalmente obrigadas a realizar a devida diligência e garantir que produtos como café, carne bovina e cacau não contribuam para o desmatamento.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também:

Qual o impacto do veganismo na preservação do meio ambiente?

Mercado de carne plant-based atingirá US$ 15,7 bilhões até 2027

Veganismo é tendência no mercado para pets

Imagem ilustrativa de capa: Pexels

Por Ana Cristina Gomes em 18 de janeiro