O PETA, grupo de direitos dos animais, lançou um Vegan Wool Challenge Award de US$ 1 milhão esta semana para encontrar uma alternativa de lã vegana.

O objetivo é buscar um indivíduo, grupo ou empresa que crie um material “visualmente, texturalmente e funcionalmente semelhante ou melhor que a lã de ovelha”.

Desta forma, o biomaterial deve ser biodegradável ou reciclável e ter as vantagens da lã tradicional, como manter a temperatura corporal e repelir a umidade. Entre outras regras de entrada para o desafio, a PETA exige que os participantes demonstrem a viabilidade comercial do material inovador.

Alternativas a tecidos de origem animal

Este prêmio vem em um momento em que as inovações de couro vegano estão crescendo, com o material sendo produzido a partir de vagens de tamarindo recicladas e de cacto. A seda vegana também está aparecendo em desfiles de moda com startups como a Luu, uma empresa com sede em Miami que lançou uma nova linha de roupões de seda com a PETA.

Além disso, os couros veganos derivados de micélio estão tendo um desenvolvimento significativo, com empresas como a Ecovative e a Bolt Threads criando materiais para os mercados de moda e automotivo.

Alternativa de lã vegana

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Com esta iniciativa, a PETA continua a atingir a indústria de lã, alegando que as ovelhas são tratadas como máquinas porque há um mercado para sua lã e pele. O grupo de campanha também destaca que essa indústria produz enormes quantidades de metano, corrói o solo e contamina vias navegáveis.

De acordo com o PETA: “As ovelhas estão atrás apenas das vacas quando se trata de produzir o metano de gás de efeito estufa. Os enormes bandos criadas na indústria da lã produzem enormes quantidades de esterco, poluindo água, terra e ar. A criação de ovelhas pode ter efeitos prejudiciais nos ecossistemas circundantes. Estudos mostraram que as ovelhas são “mergulhadas” em produto químico tóxico”.

As inscrições para o Vegan Wool Challenge Award de US$ 1 milhão foram abertas em 17 de novembro. De acordo com o PETA, a participação está disponível para qualquer indivíduo, grupo ou empresa com receitas anuais inferiores a US$ 30 milhões.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também:

Regulamentação e desafios para a categoria plant-based no Brasil

ONU avalia segurança e regulamento da carne cultivada

Ultracoffee da Plant Power ganha nova formulação e o sabor caramelo

Imagem ilustrativa de capa: Divulgação PETA

Por Ana Cristina Gomes em 22 de novembro