Você já conhece o tempê? Esta proteína vegana é repleta de benefícios para você e para o planeta. Aqui está o que saber.

Quando você pensa em proteína vegana, alguns culpados geralmente vêm à mente: feijão, talvez tofu (tecnicamente um feijão). Ou talvez você pense na Fazenda Futuro ou na The New, que parecem, cozinham e têm gosto de carne. Mas uma proteína vegana básica para uma grande parte do planeta pode não ser a mais lembrada: o tempeh.

O que é Tempê?

Enraizado na cultura indonésia, o tempeh é um alimento tradicional feito de soja. Os grãos são fermentados e compactados em bolos densos e mastigáveis ​​com uma textura carnosa. Onde o tofu é cremoso e macio, o tempeh é recheado com pedaços de grãos inteiros, amolecidos durante o processo de fermentação. Tem textura e um paladar denso que contrasta com o tofu.

O tempê também pode ser feito de outros feijões. Mungo, garbanzo e feijão preto, por exemplo, podem ser substitutos comuns. O feijão também pode ser processado e misturado com glúten de trigo – outra proteína vegana comum chamada seitan – para formar uma fonte de proteína híbrida.

Benefícios nutricionais do tempê

Procurando um alimento rico em proteínas e com baixo teor de gordura? Como toda proteína vegana, o tempê pode ser uma boa escolha. Uma porção de 3 onças contém 15 gramas de proteína e apenas nove gramas de carboidratos. Credite sua natureza compactada por seu alto teor de proteína – 15 gramas de tempeh por porção de três onças em comparação com seis de tofu.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

É rico em ferro – cerca de 12% do RDI – e também em cálcio. Os altos níveis de cálcio fazem do tempeh um excelente alimento para apoiar a saúde óssea, reduzindo a perda óssea e melhorando a densidade óssea.

Mas é uma verdadeira potência quando se trata de manganês, com 54% do RDI. É cerca de 18% de riboflavina e magnésio, uma boa fonte de fósforo e niacina. Em outras palavras, o tempê é saudável.

Os produtos de soja, particularmente as isoflavonas, também têm sido associados à saúde do coração. O consumo regular de alimentos à base de soja, como o tempeh, tem sido associado à diminuição dos níveis de colesterol LDL (ruim), bem como à diminuição dos triglicerídeos – marcadores de doenças cardíacas.

O consumo regular de soja está associado à diminuição dos riscos de certos tipos de câncer. De acordo com Healthline, a soja pode ajudar o corpo a atacar e se livrar de perigosos radicais livres ligados a certos tipos de câncer.

Alimento fermentado

A natureza fermentada dos bolos de soja também pode torná-los mais digeríveis para pessoas com alergia à soja.

Os micróbios têm desempenhado papéis importantes em nossa alimentação há milênios e o tempeh é um dos melhores exemplos. Bactérias e leveduras que decompõem os açúcares também decompõem o ácido fítico da soja. Para algumas pessoas, o ácido fítico pode atrapalhar a digestão e a absorção de nutrientes.

Há outro benefício também: probióticos. Alimentos fermentados não pasteurizados, como o tempeh, podem fornecer uma dose saudável de probióticos, o que pode ajudar a equilibrar as bactérias saudáveis ​​do intestino. Essas bactérias, no entanto, são normalmente destruídas durante o cozimento.

Mas o tempeh também é rico em prebióticos – fibras que suportam o crescimento de bactérias saudáveis. Esses alimentos para bactérias saudáveis ​​são associados a vários benefícios à saúde, incluindo eliminação mais saudável, inflamação reduzida e função cerebral melhorada.

Soja sustentável

Ao contrário da carne bovina e outras fontes de proteína de origem animal, o tempeh é um dos melhores alimentos para o planeta. As alegações de que a soja está destruindo a floresta tropical são enganosas – é a soja cultivada para produção de carne bovina, principalmente no Brasil, que é a verdadeira questão. A produção de carne bovina está ligada ao desmatamento flagrante da Amazônia em uma escala tão grande que o antigo sumidouro de carbono agora está produzindo mais emissões do que sequestra.

Mas a soja pode ser uma das melhores culturas de baixo impacto produzidas. De acordo com a Sustainability Alliance , 95% dos produtores de soja dos EUA participam de programas de conservação e usam práticas de produção sustentáveis. “Desde 1980, os produtores de soja dos EUA aumentaram a produção em 96%, usando 8% menos energia”, observa a Alliance. “94% dos hectares de soja dos EUA não são irrigados e 75% dos sedimentos são removidos por buffers de conservação, melhorando a qualidade da água.”

Mercado de tempê no Brasil

O mercado de tempê é mais uma inovação plant-based que está crescendo e atualmente já movimenta mais de R$500 milhões por ano, mas no Brasil a categoria ainda está no início.

A MUN Tempê é referência na produção, distribuição e disseminação do tempê no Brasil. Atuando no mercado de alimentação saudável fabricando proteína sustentável.

A empresa fabrica alimentos poderosos que proporcionam experiências saudáveis, saborosas, sustentáveis e 100% vegetais, respeitando o ser humano e o nosso planeta.

A marca já está presente em mais de 150 lojas e restaurantes, incluindo importantes redes como Oba Hortifruti, Supermercados Angeloni, Casa Santa Luzia, Raizs Orgânicos, Rede Armazém Cerealista e, também no menu fixo do restaurante Camélia Òdòdó, da Bela Gil.

A foodtech Mun foi a sexta startup a captar investimento através da Vegan Business. A rodada levantou R$ 1,1 milhão para a empresa e reuniu 82 investidores, com ticket médio no valor de R$ 13,6 mil.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também:

Carne plant-based é o melhor investimento climático

Fable Food Co. levanta US$ 8,5 milhões para carne de cogumelo

DUG: Empresa cria nova subcategoria de leite vegetal de batata

Imagem ilustrativa de capa: Divulgação Rachelle Bery

Por Ana Cristina Gomes em 14 de fevereiro