Há uma crescente demanda por opções amigáveis ao veganismo no mundo dos sabores. Segundo um recente relatório da Fact.MR, o mercado de sabores veganos deve atingir $18.324,3 milhões até 2034, com uma CAGR projetada de 5,2% de 2024 a 2034.

Um dos principais impulsionadores desse crescimento é a crescente conscientização sobre os benefícios à saúde associados às dietas plant-based. Além disso, preocupações crescentes com sustentabilidade ambiental e bem-estar animal estão levando os consumidores a optarem por produtos veganos, impulsionando a demanda por sabores veganos.

Curiosamente, a exposição crescente a diversas culinárias globais, que apresentam ingredientes e sabores à base de plantas, também influencia o crescimento do mercado.

América do Norte e China

Nesse cenário, espera-se que o mercado de sabores veganos na América do Norte experimente um crescimento notável nos próximos anos, com uma CAGR projetada de 6,7% até 2034. O aumento na demanda de mercado será principalmente nos EUA e Canadá, onde a tendência por alimentos plant-based continua a crescer.

No leste asiático, as vendas de alimentos com sabor vegano também devem avançar significativamente, visando uma CAGR de 5,6% até 2024. Entre os países da região, a China se destaca como um jogador crucial na indústria, com uma participação significativa de 70,7% em 2024.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Esse mercado florescente na China pode ser atribuído a mudanças nos padrões alimentares influenciados pela consciência de saúde e ambiental, afirma o relatório. Os consumidores chineses estão cada vez mais conscientes da interconexão entre saúde e meio ambiente, levando a um interesse em dietas plant-based.

Foco em sabores “carnudos”

Em resposta a essa crescente demanda, os fabricantes investem em pesquisa e desenvolvimento para criar sabores plant-based inovadores e autênticos.

Os principais players do setor incluem Givaudan, Sensient Technologies Corporation, DSM, Firmenich, Takasago International Corporation, McCormick & Company, Kerry Group, Döhler e Innova Flavors. Entre essas empresas, a IFF-LMR, subsidiária da International Flavors & Fragrances Inc., possui um portfólio de 90 extratos naturais certificados veganos pelos padrões VEGAN da EVE (Expertise Vegan Europe).

Enquanto isso, as últimas tendências indicam um forte movimento em direção ao desenvolvimento de sabores “carnudos”. Por exemplo, nos EUA, a McCormick associou-se a Tabitha Brown para lançar novos produtos de tempero vegano sem sal.

A Firmenich lançou o que afirma ser o primeiro sabor criado por IA: um sabor de carne bovina levemente grelhada para carne plant-based. A Lallemand Bio-Ingredients também lançou o Savor-Lyfe CI, um produto derivado de levedura que confere um sabor rico e autêntico de frango a pratos plant-based.

Algumas startups também estão se concentrando em sabores salgados com desenvolvimento de produtos inovadores. Exemplos incluem a empresa israelense The Mediterranean Food Lab, que cria sabores naturais e fermentados para tornar carnes alternativas e alimentos plant-based “deliciosos”; a startup de fermentação de precisão Paleo, que está desenvolvendo uma proteína heme para ser usada como aditivo de sabor para carne plant-based e alimentos para animais de estimação plant-based.

Também focando em alternativas aos sabores de origem animal, a Watson’s Seasoning Blends, uma marca de temperos artesanais da Califórnia, lançou recentemente dois sabores de caldos veganos: Vegan Beef e Chicken Bouillon.

Novas preferências na indústria alimentícia

Os sabores veganos oferecem uma ampla variedade de opções, incorporando frutas, vegetais, ervas e especiarias como fontes. Os sabores estão disponíveis em pó ou líquido para serem usados como aditivos. Os sabores veganos líquidos oferecem aos fabricantes maior flexibilidade e versatilidade para criar qualquer produto, desde bebidas até molhos, vestimentas, lanches e doces.

No entanto, de acordo com a Fact.MR, as empresas precisam superar desafios para que o mercado alcance seu pleno potencial. A criação de sabores autênticos, que requerem processos complexos e intrincados, aumenta os custos de produção. Sabores veganos naturais derivados de fontes naturais, em vez de serem sintetizados a partir de combustíveis fósseis, podem ser mais caros. Esses custos podem causar problemas de acessibilidade tanto para os fabricantes quanto para os consumidores. Encontrar soluções econômicas é crucial para promover uma aceitação mais ampla dos sabores veganos. Além disso, certas regiões ou mercados podem enfrentar desafios relacionados à disponibilidade limitada desses aditivos alimentares. A presença física e problemas de acessibilidade podem dificultar o crescimento expansivo do mercado.

“A tendência reflete um cenário dinâmico de consumidores onde escolhas conscientes, conscientização da saúde e considerações éticas convergem para moldar preferências em evolução na indústria alimentícia”, afirma o relatório da Fact.MR.

Leia também:

Believer Meats avança com instalação para carne cultivada e amplia equipe

Rede vegana Lord of the Fries está à venda por $1.2 M

Reflexão sobre “nudges” comportamentais pode reduzir o consumo de carne

Por Vitor Di Renzo em 9 de fevereiro