A marca de ração plant-based, Wild Earth, recentemente levantou US$ 23 milhões em uma rodada da Série A. Com o valor, a empresa pretende lançar novas rações no ano que vem, incluindo as formulações baseadas em células de carne bovina, frango e frutos-do-mar. 

Quem participou da rodada foi Mark Cuban, At One Ventures, Veginvest, Big Idea Ventures, Bitburger Ventures, Gaingels, e o ator Paul Wesley. 

Atualmente, os alimentos para pets produzidos pela marca são feitos com fermento, grão-de-bico, aveia, ervilhas, proteína de ervilha, proteína de batatas, óleo de canola, batata-doce, farinha de linhaça e a proteína koji (semelhante à levedura). 

No site da empresa é dito: “A proteína é um componente necessário para a saúde e o bem-estar de um cão”, sendo explicado que a fonte de proteína pode vir de diversos lugares, além da carne, como as plantas, os fungos e as algas. Ou seja, os cachorros podem seguir tranquilamente uma alimentação à base de plantas, desde que ingiram proteínas (e por consequência, aminoácidos essenciais). 

O fundador, Ryan Bethencourt, disse ao Green Queen: “Com o crescimento vertiginoso de alimentos para cães baseados em vegetais e a Wild Earth tendo aumentado nossa receita em 700%, mais do que o dobro da taxa de crescimento da indústria de carne e laticínios baseada em vegetais, estamos empolgados para ganhar participação no mercado de animal de estimação de US$ 40 bilhões nos EUA e criar duas novas categorias na indústria de alimentos para animais de estimação”. 

Em um comunicado Tom Chi da At One Ventures relatou: “A produção de carne é a parte de nosso sistema alimentar com maior intensidade climática, gerando quase tantas emissões quanto o setor de energia global”, adicionando: “Wild Earth está mudando o jogo ao abordar  mais de 20%  do consumo de carne que vai para animais de estimação”. 

Sobre a marca de ração plant-based Wild Earth 

A marca foi fundada por Ryan Bethencourt nos Estados Unidos, ele já adotava um estilo de vida vegano e também era investidor de impacto. 

Em 2020 criou com a cientista de alimentos Mariliis Holm a Sustainable Food Ventures, que visa apoiar empresas em early stage

É explicado que nos últimos seis anos ele investiu em mais de 120 startups de alimentos e biotecnologia, tendo sido o primeiro investidor da Memphis Meats, Geltor, The Not Company e Shiok Meats. 

Segundo informações da Green Queen, Ryan afirma que existem mais de 40 mil clientes na empresa. 

Aproveite e leia também: 

Startup lança ração para animais com carne cultivada 

O milionário mercado vegano para pets

Segunda sem carne: realmente faz diferença?

*Imagem: Divulgação Wild Earth (via Green Queen)



por Amanda Stucchi em 13 de setembro