A empresa de proteína plant-based, chamada de Plantible Foods, levantou US$ 21,5 milhões em uma rodada da Série A. Quem liderou a rodada foi a Astanor Ventures, fundo de Venture Capital que auxilia os empreendedores a construírem um sistema alimentar nutritivo, regenerativo, escalonável e confiável. Com essa nova rodada, a Plantible levantou US$ 27 milhões no total. 

Também participaram a Piva Capital, CJ CheilJedang, Good Friend, Vectr Ventures, Lerer Hippeau, eighteen94 capital (o fundo de capital de risco da Kellogg’s), FTW Ventures, Unshackled Ventures, bem como Trevor Martin (fundador da Mammoth Biosciences) e Chris Bryson (fundador da Unata).

O co-fundador e CEO da Plantible Foods, Tony Martens, falou em um comunicado: “Estamos cultivando uma nova planta para mudar a cadeia de suprimento de alimentos quebrada que foi exposta durante a pandemia”. É a lemna (planta com flor aquática de livre flutuação) transformada na proteína Rubi Protein, desenvolvida pela marca.

Essa proteína pode ser aplicada em alternativas de leite e carne, lanches, nutrição esportiva e saúde, bem como smoothies e bebidas prontas para beber.

Tony Martens também acrescentou: “Plantible não está competindo com outras proteínas vegetais, nosso objetivo é remover galinhas e vacas do sistema de abastecimento de alimentos”.

O processo de fabricação da lemna é feito em fazendas aquáticas com baixo impacto ambiental, que não utilizam pesticidas e reciclam quase 95% da água.

Um dos benefícios da lemna é que a planta dobra de tamanho a cada 48 horas, isso permite uma colheita diária durante todo o ano, ou seja, não depende de ciclos anuais de cultivo que são vulneráveis às mudanças climáticas. A cultura dessa proteína também rende dez vezes mais proteína por acre do que a soja e utiliza dez vezes menos água. 

A sócia da Astanor Ventures, Christina Ulardic, falou sobre o investimento: “Desde o acampamento na fazenda até a velocidade com que cumpriram cada marco desde a última rodada de investimento, estamos continuamente impressionados com a dedicação pessoal excepcional de Maurits e Tony à sua missão”, se referindo aos empreendedores da Plantible Foods.

Com o valor, a empresa de proteína plant-based construirá a primeira instalação comercial para lançar e comercializar seu produto no próximo ano.

Time da empresa de proteína plant-based
Imagem do time: Divulgação Plantible Foods

Sobre empresa de proteína plant-based

A empresa foi fundada por dois empreendedores, Tony Martens e Maurits van de Ven, no ano de 2018. Os dois tinham o objetivo de modificar a cadeia de abastecimento alimentar mundial.

“Utilizamos nossa tecnologia de extração proprietária para criar uma proteína orgânica e completa que será a proteína vegetal produzida de forma mais sustentável no mundo”, é afirmado na página.

A empresa está apresentando um crescimento: em 2020 aumentou a capacidade de produção em 150 vezes, devido à construção de uma planta piloto. Além disso, também contrataram cerca de 11 pessoas para a equipe.

Tony Martens relatou: “[…] Combinando a ciência das plantas, bioquímica e engenharia, somos capazes de criar substitutos imediatos para essas proteínas de origem animal amplamente utilizadas sem forçar os consumidores a sacrificar o sabor ou a nutrição, abrindo caminho para uma transição acelerada para um planeta mais saudável”,

Aproveite e leia também:

Fundo de proteína alternativa levanta US$ 21 milhões

Como Investir na Bolsa de Valores: Passo a Passo Para Iniciantes

Startup de alimentos sustentáveis levanta € 14 milhões

*Imagem: Andreas Rockstein (via Flickr) – CC BY-SA 2.0 – adaptado



por Amanda Stucchi em 6 de setembro