Estamos chegando ao fim de 2022 e vários líderes do setores da indústria de alimentos compartilham com vegconomist suas previsões das tendências alimentares para 2023.

Na primeira parte desta série, gimme Snacks, Aleph Farms, Stray Dog Capital e Tastewise prevêem o que acontecerá nos espaços de alimentos à base de plantas e proteínas alternativas. Iremos apresentar a você os pensamentos e insights classificados por setores para contextualizar a perspectiva única de cada líder sobre as tendências alimentares 2023.

Tendências alimentares 2023

Alimentos à base de plantas

Gimme Snacks: Diego Norris, CMO

  • Alimentos com baixo impacto ambiental:

Norris, especialista em marketing da Gimme Snacks considera inegáveis os efeitos das mudanças climáticas. “Uma as tendências alimentares para 2023, é uma mudança radical na demanda por marcas e produtos produzidos de maneira sustentável ou que reduzam significativamente suas pegadas de carbono, eliminando ou minimizando o uso de embalagens”.

  • Óleo de abacate:

De acordo com Norris, o óleo de abacate é um favorito entre os consumidores preocupados com a saúde. Tem um sabor neutro, é rico em gorduras monoinsaturadas e tem um dos pontos de fumaça mais altos (520 Fahrenheit). “Em 2023, esperamos que o óleo de abacate atinja o ponto de inflexão em direção ao mainstream.”

  • Legumes do mar:

“Em 2023, esperamos ver um aumento significativo na demanda por algas e outros vegetais do mar”, diz o CMO da gimme. Eles estão entre os vegetais mais ricos em nutrientes do mundo e não requerem água doce, terra ou produtos químicos para crescer. “Na verdade, quando cultivados de forma responsável, eles podem até ter um impacto líquido positivo no meio ambiente”, acrescenta Norris.

Proteínas alternativas – Carne cultivada

Aleph Farms: Didier Toubia, CEO e co-fundador

  • Um boom de fusões e aquisições na agricultura celular:
Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Aleph Farms disse que 2023 verá um boom de fusões e aquisições no espaço da agricultura celular, acrescentando que as parcerias ainda serão a forma preferida de negócios.

De acordo com o cofundador: “Até o final da década, veremos a paridade de preços com a carne cultivada e um tamanho de mercado de US$ 25 bilhões. Empresas maduras e em estágio inicial procuram ganhar escala rapidamente, e M&A é uma maneira rápida de chegar lá quando mega rodadas de financiamento (US$ 100 milhões ou mais) são menos viáveis.”

  • Os consumidores exigirão transparência:

De acordo com Toubia, o FDA propõe regulamentos mais rígidos sobre o que pode ser qualificado como ‘saudável’. Os reguladores estão se tornando mais severos com as empresas que enganam os consumidores com falsas alegações. Além disso, as empresas devem se concentrar no que os consumidores precisam e reduzir o foco nos lucros.

“Os consumidores em 2023 exigirão transparência e responsabilizarão as empresas com seus dólares.” Começamos a ver isso em 2020, quando 79% dos consumidores mudaram suas preferências de compra com base em responsabilidade social, inclusão ou impacto ambiental.”

Fazendas Aleph: Neta Lavon, CTO

  • As indústrias biomédica e de tecnologia de alimentos trabalharão juntas:

para a CTO da Aleph Farms, Neta Lavon, as descobertas biomédicas podem acelerar o desenvolvimento de produtos de agricultura celular porque ambas as indústrias trabalham em áreas semelhantes. Em 2023, as indústrias alimentícia e médica se beneficiarão cada vez mais, prevê Lavon. “Espere ver mais parcerias entre carne cultivada e empresas de tecnologia de alimentos e players proeminentes nas indústrias farmacêutica e de ingredientes, ajudando as startups a escalar e reduzir custos”, diz ela.

  • A indústria de carne cultivada alcançará novos patamares:

Lavon diz que Cingapura e possivelmente Israel estão obtendo aprovações e novas estruturas regulatórias para produtos de carne cultivada. Esses eventos desdobrarão inúmeras atividades que ativarão o setor, incluindo a construção de cadeias de suprimentos, especialmente para mídia de crescimento, escala interna, CMOs, aceleração de P&D, assim como portfólios de patentes.

  • A indústria de carne cultivada fará parceria com o serviço de alimentação:

“Finalmente, para intrigar os consumidores, espere que as empresas de carne cultivada façam parceria com os principais chefs, restaurantes e serviços de alimentação como um todo para trazer o produto certo ao mercado e oferecer aos curiosos a chance de experimentar carne cultivada”, acrescentou ela às suas previsões para 2023.

Fundos de capital de risco

Stray Dog Capital: Johnny Ream, sócio

  • Fatores macroeconômicos e geopolíticos também afetarão o setor de tecnologia de alimentos:

De acordo com Johnny Ream, a inflação, a guerra na Ucrânia e os problemas da cadeia de suprimentos impactaram e continuarão a impactar os mercados públicos e o ecossistema global de empreendimentos do setor.

  • O espaço da proteína alternativa continuará a crescer:

“Ainda temos uma visão muito positiva do espaço da proteína alternativa”, diz Ream. “Ainda estamos no início, e o espaço de proteína alternativa tem muito espaço para crescer. Somos o “pré-ponto de inflexão” na curva de adoção.”

  • Paridade de preço, sabor e textura:

De acordo com Ream, os novos produtos oferecem melhorias incríveis em sabor, textura, saúde e preço. Essas melhorias “irão fechar a lacuna com os produtos tradicionais de origem animal e aumentar a adoção de proteínas alternativas, incluindo produtos criados por fermentação e agricultura celular, que ainda não estão amplamente disponíveis”.

  • Sustentabilidade, uma prioridade máxima:

A necessidade de alternativas sustentáveis às proteínas animais continuará sendo altamente importante para a luta mundial contra a mudança climática, argumenta Ream. “Não podemos atingir nossas metas de redução de GEE sem fazer a transição do sistema alimentar para longe da pecuária, uma das indústrias mais poluidoras e destrutivas do mundo.”

Inteligência artificial

Tastewise, uma plataforma líder de inteligência alimentar baseada em IA

A Tastewise lançou recentemente seu relatório de tendências para 2023. Com base em dados de mais de 500 milhões de conversas sobre alimentos, o relatório destaca assim algumas das tendências, percepções e oportunidades emergentes mais significativas em alimentos. Resumimos as tendências relacionadas aos setores de proteína vegetal e alternativa.

  • Saúde pessoal:

Enquanto muitas marcas no setor de proteínas alternativas destacam a sustentabilidade como seu esforço mais relevante, a Tastewise descobriu que a saúde pessoal é mais importante para os consumidores do que a saúde planetária.

De acordo com o estudo, os consumidores falaram sobre saúde 12 vezes mais do que sustentabilidade ao comer alimentos à base de plantas e escolheram opções à base de plantas por motivos de saúde 16 vezes mais do que o meio ambiente.

O relatório constata que os consumidores falam sobre saúde 172 vezes mais do que sobre ética.

  • Saúde planetária:

A categoria baseada em plantas costuma estar no centro das conversas sobre sustentabilidade. O relatório conclui assim, que as dietas à base de plantas estão se tornando mais populares, com laticínios e carnes alternativas mostrando maior interesse quando os consumidores falam sobre saúde.

  • As principais categorias de interesse em sustentabilidade:

Baseado em plantas é uma categoria frequentemente no centro das conversas sobre sustentabilidade. No entanto, as pessoas comem plantas à base de plantas por motivos de saúde pessoal 16 vezes mais do que por questões de sustentabilidade.

Sobre o relatório

O relatório destaca o crescente interesse em alimentos e bebidas funcionais, como adaptógenos, superalimentos, bem como probióticos. Os consumidores estão cada vez mais procurando alimentos e bebidas que proporcionem benefícios funcionais, como aumento de energia e imunidade.

“Depois que 2022 terminou em alta com a FDA concedendo uma ‘carta sem perguntas’ a um produto de carne cultivada, em 2023. Dessa maneira, esperamos ver governos de todo o mundo incorporar carne cultivada e agricultura celular em seu zero líquido, segurança alimentar e estratégias de segurança. Afinal, a FAO deixou claro que precisamos continuar ‘impulsionando ações concretas’ para mudar nossos sistemas alimentares globais para melhor ”, afirma Didier Toubia, da Aleph Farms.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também:

Forsea Foods levanta US$ 5,2 milhões para enguia cultivada

Dr. Praeger’s expande linha Perfect com 3 novos produtos

Heura levanta US$ 20 milhões com o objetivo de se tornar líder do setor na Europa

Imagem ilustrativa de capa: Divulgação Pixelblis

Por Ana Cristina Gomes em 16 de dezembro