O vegetarianismo e o veganismo estão em alta, não só na dieta das pessoas, mas também nos investimentos.

Um relatório da Mintel (Agência Internacional de Inteligência de Mercado) apontou que só nos últimos dez anos os substitutos de carne de origem animal cresceram 617% no Brasil. Quanto ao número de vegetarianos do país, conforme o IBOPE, em pesquisa de 2018, 14% da população segue essa dieta, o que seria cerca de 30 milhões de brasileiros. Sabendo de todas essas informações, que tal também pensar no vegetarianismo e no veganismo como uma possibilidade de investimento?

O Vice-Diretor do Swissquote Bank, Chaddy Kirbaj, apontou no The National News que o vegetarianismo e o veganismo são uma tendência de investimentos. Ele disse: “As preocupações com o impacto negativo da indústria da carne no meio ambiente e a tendência para estilos de vida mais socialmente conscientes estão alimentando o rápido crescimento das indústrias baseadas em vegetais, alternativas lácteas e alimentos sem carne”. 

As possibilidades de investimentos que as pessoas podem fazer nesse mercado são inúmeras, existem possibilidades nos setores de alimentos e bebidas, roupas, acessórios e calçados, por exemplo. 

Ele também falou sobre o mercado chinês: “A China lançou novas diretrizes para reduzir o consumo nacional de carne pela metade, e esta poderia ser uma boa estratégia de hedge se seu portfólio contiver empresas alimentícias tradicionais. Este é um investimento de risco de médio e de longo prazo”. 

Mercado global de alimentos veganos

Conforme o IMARC Group, que incluiu o Brasil na lista de países pesquisados, o mercado global de alimentos veganos atingiu US$ 17 bilhões em 2020, sendo esperado que cresça a um CAGR de 11,4% durante o período previsto (2021 – 2026).

São dados diversos motivos para o crescimento desse mercado, como os seguintes: 

  • Aumento das doenças crônicas — a comida vegana auxilia na manutenção da glicose e minimiza riscos de obesidade, derrame, câncer e colesterol; 
  • Divulgação e conscientização dos benefícios de uma dieta livre de elementos de origem animal por parte das Organizações não governamentais (ONGs); 
  • Aumento da consciência das pessoas sobre a crueldade contra os animais;
  • Lançamento de produtos veganos de qualidade premium com diversos sabores e embalagens atraentes; 
  • Aumento da necessidade de produtos veganos para solucionar deficiências nutricionais;
  • Disponibilidade de produtos veganos prontos para comer e embalados; 
  • Atividades promocionais por parte das celebridades e atletas; 
  • O desafio Veganuary, onde as pessoas podem se inscrever para experimentar uma dieta vegana no mês de janeiro e continuar com ela pelo resto do ano; 
  • Aumento de opções veganas nos fast-foods e restaurantes. 

É dito no relatório: “Os substitutos da carne representam atualmente o tipo mais popular de comida vegana. Isso pode ser atribuído à introdução de uma ampla gama de substitutos de carne com sabor por fabricantes em todo o mundo”. 

Plataforma de Equity Crowdfunding e as tendências de investimentos

Para investir, uma possibilidade é utilizar plataformas de equity crowdfunding, uma alternativa recente que visa captar recursos e investimentos e que cresce cada vez mais. Nessa estratégia de captação as empresas recebem financiamento de investidores que conseguem participação na empresa em forma de quotas, ações ou títulos conversíveis. Legal, não é?

Uma novidade é que em breve o Vegan Business se tornará a primeira plataforma de Equity Crowdfunding focada no mercado plant-based, para apoiar as empresas e os empreendedores de todo esse ecossistema, incluindo as startups. As possibilidades de investimentos serão inúmeras, como alimentos, cosméticos e maquiagens, produtos de higiene pessoal e limpeza, vestuário e moda, além das tecnologias que buscam facilitar a vida sem prejudicar o planeta e os animais! Para ficar atento a essa oportunidade, se cadastre na lista de investidores.

Agora, conhecendo um pouco mais sobre esse mercado, os dados e essa possibilidade de investimento, em qual empresa investir? Chaddy Kirbaj apontou diversas opções e nós criamos um resumo delas:

Beyond Meat

falamos sobre a Beyond Meat, que no primeiro trimestre de 2021 teve uma receita líquida de US$ 108,2 milhões (aumento de 11,4% ano a ano), com um lucro bruto de US$ 32,7 milhões (a margem bruta foi de 30,2% da receita líquida). No The National News é apontada a seguinte informação sobre suas ações: “No hype inicial o preço de suas ações disparou para cerca de US$ 240 em julho de 2019 antes de cair, embora tenha subido 24% até agora nesse ano, para US$ 155”.

Nomad Foods 

A Nomad Foods é uma empresa europeia de alimentos congelados, que já possui linhas de alimentos plant-based. No seu relatório de 2020, a empresa apontou as seguintes informações: “Registramos receita orgânica de crescimento de quase 9% durante o ano enquanto recebemos milhões de novos consumidores em nosso portfólio de marcas. Além de exceder nossas principais métricas financeiras, fizemos investimentos estratégicos de longo prazo e fornecemos comida e dinheiro em doações para a saúde europeia local e organizações humanitárias mais necessitadas durante a crise”.

Kellogg Company

A Kellogg Company também tem linhas de proteínas vegetais, adequadas a veganos e vegetarianos, como a Incogmeato (feito de soja não transgênica) e seu hambúrguer vegetariano Gardenburger. Sobre o crescimento da empresa, é informado que seu lucro líquido do ano fiscal totalizou US$ 1,25 bilhão em janeiro desse ano, sendo um aumento de 30% com relação aos US$ 960 milhões do ano fiscal de 2019.

Tyson Foods

A Tyson Foods também lançou uma marca de proteína vegetal, chamada de “Raised and Rooted”. Apesar disso, a Tyson é um dos maiores exportadores de carne de origem animal no mundo, em seu relatório de 2020, a empresa afirmou que teve em seu quarto trimestre: “Lucro operacional ajustado de US$ 961 milhões (base de 13 semanas), um aumento de 40% em relação ao ano anterior”.

Outra questão apresentada foi a possibilidade de investir em fundos de ETF. Um exemplo é o US Vegan Climate ETF, que possui empresas dos Estados Unidos que não se envolvem em crueldade ou exploração animal, e também não abrange quem trabalha com combustíveis fósseis, causa danos ambientais ou viola os direitos humanos.

Aproveite e leia mais sobre investimentos: 

O Que São Investimentos Alternativos? Um Guia Completo e Principais Exemplos 

O que é Equity Crowdfunding? Um Guia Completo (2021)

Bolsa de valores: conheça empresas plant-based de sucesso

*Imagem de capa: Unsplash



por Amanda Stucchi em 27 de julho