A Rebundle é uma startup estadunidense que comercializa extensões de cabelo plant-based voltadas para mulheres negras, o principal elemento utilizado é a fibra de banana. Em uma rodada pré-seed conseguiram levantar US$ 1,4 milhão, liderada pela empresa de venture capital M25. 

Outros participantes foram: Arch Grants, RareBreed Ventures. Closed Loop Partners Ventures Group, Chicago Early, Sku’d Ventures, Big Delta Capital, Evergreen Climate Innovations, Precursor Ventures e Innocreative Capital. 

Segundo o TechCrunch,  a marca está construindo instalações de produção nos Estados Unidos e irá utilizar o valor levantado para investir na equipe e na cadeia de suprimentos, já que seu estoque estava esgotando antes desse novo investimento. 

Um destaque vai para a diversidade de cores de tranças, a empresa lista em seu site que terão as seguintes opções em breve: rosa (criado para a conscientização do câncer de mama), preto, loiro, marrom, castanho-avermelhado e azul. 

A motivação para criar extensões de cabelo plant-based 

As motivações se baseiam em ser uma marca com produtos mais saudáveis e sustentáveis. 

A empresa informou: “1 em cada 3 mulheres experimenta irritação no couro cabeludo decorrente do cabelo de plástico sintético. Muitas vezes somos forçadas a escolher entre suportar a dor e o desconforto com remédios caseiros ou tirar as tranças, resultando em perda de tempo e dinheiro. Nós merecemos melhor”, 

Também adicionaram que estão se esforçando para definir como padrão da indústria as extensões de cabelo não tóxicas e ecológicas, dizendo que isso só seria feito utilizando ingredientes melhores para o couro cabeludo e meio ambiente. 

“Estamos assumindo a responsabilidade pela contribuição aos resíduos plásticos de uso único que não foram contabilizados, e precisamos de todos nós para nos juntarmos na luta contra as mudanças climáticas”, relatou a empresa. 

Extensões de cabelo

Imagem: Reprodução Rebundle / via Facebook @Rebundle.co

Sobre a Rebundle

A empresa foi fundada pela Ciara Imani May (CEO) e Danielle Washington (Diretora de Marketing), no ano de 2019. 

A Rebundle já apareceu em uma matéria da Teen Vogue, publicada em 2021, onde Ciara relatou que sua primeira experiência trançando seu cabelo foi algo desagradável, seu couro cabeludo ficou coçando e ela teve erupções cutâneas no rosto e pescoço. 

Ela também havia ressaltado naquela época que conseguir investimento foi o primeiro desafio que passou ao construir a empresa, além da elaboração de uma narrativa que todos pudessem entender ao buscar aportes, pois muitas pessoas não compreendiam o conceito de uma extensão à base de plantas. 

A marca possui a certificação da PETA Approved Vegan, certificando que seus produtos são veganos, bem como um programa de reciclagem onde aceitam todas as marcas e cores de cabelo sintético de plástico, depois, esse material é reciclado como móveis de jardim e ferramentas para cuidar do gramado. 

Até o momento já foram coletados para a reciclagem cerca de 235 libras de cabelo sintético (106 quilos). É afirmado: “Esta iniciativa nasceu de uma extrema necessidade de eliminar os resíduos plásticos de cabelo sintético e resolver esse problema de justiça ambiental não detectado”. 

Além de adquirir as extensões, os consumidores também podem doar para o programa de reciclagem ou comprar um cartão presente para alguém. 

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Mercado de cosméticos em barra e linha vegana da Cadiveu Essentials

Mercado de cosméticos veganos cresce e atingirá US$ 20,6 bilhões

Marca de suplementos veganos levanta US$ 6 milhões

*Imagem de capa: Divulgação Rebundle | Foto de Curtis Taylor Jr.



por Amanda Stucchi em 21 de janeiro