A startup Melt & Marble (anteriormente Biopetrolia), localizada na Suécia, produz gordura para produtos plant-based e levantou um investimento de € 750 mil. A rodada foi liderada pela Nordic FoodTech VC, empresa de venture capital que investe no futuro dos alimentos. 

Outros participantes foram PINC (braço da Paulig’s Venture), Chalmers Ventures (incubadora e investidora de startups) e a Purple Orange Ventures (investidora com foco em proteínas alternativas). 

A empresa afirma que o valor do investimento dará um “pontapé inicial” no seu objetivo de oferecer gordura livres de elementos de origem animal para produtos plant-based. 

O valor recebido irá para planejar seu primeiro protótipo de gordura livre de animais até o final desse ano e aumentar a pesquisa e desenvolvimento, depois, planejam lançar uma linha completa de gorduras para carnes vegetais. 

Para produzir essa gordura, a empresa utiliza a fermentação de precisão, feita através de um processo de engenharia do próprio metabolismo das leveduras, dessa forma, a empresa consegue criar gorduras sob medida.

Um exemplo de marca que já utiliza essa tecnologia é a Perfect Day. 

Já falamos sobre essa empresa, que recria proteínas do soro de leite e caseína sem o uso de elementos de origem animal, para isso coletaram os genes de vacas em banco de dados científicos gratuitos. Tecnológica, não é? Lembrando que o produto não é recomendado para quem tem alergia ao leite por ser molecularmente idêntico ao original.

Importância da gordura para produtos plant-based 

Qual a importância da gordura para produtos plant-based? 

A co-founder da Melt & Marbles, Anastasia Krivoruchko, respondeu essa questão para à EU Startups: “A gordura é a chave para a experiência de comer um delicioso pedaço de carne. Como as propriedades das gorduras vegetais são diferentes das gorduras animais, a experiência de comer muitas carnes vegetais tem sido inferior em comparação com a real. Isso é algo que queremos abordar”. 

Ela também acrescentou: “Com nossa tecnologia, podemos criar gorduras idênticas às de animais, ou até melhores! Isso pode se tornar um impulsionador para toda a indústria”. 

Essa tecnologia da Melt & Marbles tem importância por conta da biodiversidade. Segundo o veículo, demora até dez anos para um coqueiro produzir a primeira safra e vinte para conseguir as melhores.

Pensando que a gordura de coco e óleo de palma são os ingredientes mais utilizados nas carnes vegetais, é necessário refletir sobre a biodiversidade. 

O sócio da Nordic FoodTech VC, Lauri Reuter, também deu uma declaração: “Com o ritmo de crescimento da carne vegetal, não haverá coqueiros suficientes para atender à demanda, se quisermos substituir uma parte significativa da produção animal por carnes vegetais, precisamos de uma fonte de gordura mais sustentável e escalonável […]”.

Sobre a Melt & Marble

A Melt & Marble se chamava Biopetrolia e era focada em ser detentora de patentes para grupos de pesquisas, sendo financiada pela prestação de serviços de engenharia de leveduras. 

No ano de 2021, os fundadores Anastasia Krivoruchko (CEO), Florian David (CSO) e Jens Nielsen (presidente do conselho) pensaram em transformá-la em uma marca de criação de gordura para produtos plant-based. 

“Reconhecemos o enorme potencial da indústria baseada em plantas para resolver os principais desafios em mudanças climáticas, sustentabilidade e saúde”, é afirmado na visão da marca.

A plataforma de tecnologia da empresa está sendo desenvolvida desde 2010. 

Aproveite e leia também: 

Empresa de gordura vegetal levanta € 555 mil em investimento

Como Começar a Investir do Zero: Guia Para Iniciantes (2021)

O Que é Equity Crowdfunding? Um Guia Completo (2021)

*Imagem de capa de Anastasia Krivoruchko e Florian David: Divulgação Melt & Marble (via Green Queen)



por Amanda Stucchi em 24 de agosto