Durante a Euro 2024, os fãs que viajarem para os estádios na Alemanha a bordo dos trens da Deutsche Bahn (DB) serão presenteados com cookies de chocolate gratuitos, mas com um toque especial. Esses cookies são feitos com chocolate sem cacau da ChoViva, uma sub-marca da startup alemã Planet A Foods.

Os passageiros de primeira classe dos trens Intercity Express (ICE) e Intercity (IC) da DB receberão os cookies em formato de coração como parte de uma colaboração de vários anos entre as duas empresas, começando com uma versão especial para a Euro 2024.

A Alemanha será a anfitriã do campeonato de futebol UEFA Euro de 14 de junho a 14 de julho. Para marcar essa ocasião, os cookies serão chamados “Lieblingsfan” (fã favorito) durante o torneio. A iniciativa visa conscientizar milhões de fãs de futebol sobre o impacto do chocolate na desflorestação e nas emissões de gases de efeito estufa.

“Deutsche Bahn é o parceiro ideal para nós. Ambos perseguimos a mesma missão: salvar vários milhões de toneladas de CO2 por ano”, diz Maximilian Marquart, CEO da Planet A Foods, que fundou a marca com sua irmã Sara em 2021. “Um oferecendo soluções de mobilidade sustentável, e o outro produzindo ingredientes alimentares sustentáveis que não dependem de recursos limitados. Juntos podemos alcançar ainda mais.”

Chocolate amigo do clima além da Euro 2024

A colaboração é uma versão de verão do “Lieblingsgast” (convidado favorito), um pequeno chocolate oferecido aos passageiros da DB, feito com cacau de comércio justo e embalado em papel reciclável certificado pelo FSC. Essa iniciativa, parte dos compromissos climáticos da DB, está em vigor desde março de 2023.

“O objetivo é mostrar apreço, com a sustentabilidade sendo um foco central tanto para a DB quanto para nós,” diz Maximilian, cuja startup participou de um processo de licitação para ganhar o contrato com a DB. Ele cita o sabor e as credenciais de sustentabilidade da marca como razões para sua seleção.

Isso significa que o chocolate alternativo da ChoViva – feito a partir de uma base de aveia fermentada e sementes de girassol – fará parte do cardápio da DB nos trens de longa distância pelos próximos dois verões.

“O cookie é um desenvolvimento específico para a Deutsche Bahn junto com um de nossos parceiros,” diz Sara, diretora de tecnologia da empresa. “Escolhemos um cookie em vez de uma barra de chocolate porque eles serão distribuídos durante os meses de verão, evitando problemas de derretimento e distribuição.”

E qual é a diferença entre as versões da Euro e pós-Euro? “O cookie em si permanece o mesmo,” ela diz. “O que muda é que, após o campeonato de futebol europeu, voltaremos para a versão Lieblingsgast com um novo design de embalagem.”

Maximilian acrescenta que a ChoViva já está trabalhando em uma segunda versão do cookie para aumentar ainda mais sua sustentabilidade. Ele não revela detalhes, mas diz que a equipe está “trabalhando em melhorar diferentes áreas ainda mais”.

A história da DB com alimentos sustentáveis

Esta não é a única oferta alimentar sustentável da DB. A empresa ferroviária tem feito parcerias com várias empresas ao longo dos anos para atender à crescente demanda dos consumidores por opções de catering mais sustentáveis.

Desde março de 2022, mais da metade dos alimentos oferecidos nos restaurantes a bordo são sem carne, incluindo análogos de carne vegana, lanches vegetarianos e produtos sazonais. Poucos meses antes, a DB introduziu o leite de aveia barista da Oatly para pedidos de café.

Nos últimos meses, a DB fez parcerias com duas marcas locais de frutos do mar veganos. A primeira envolveu uma baguete estilo chilli-cheese com atum da BettaF!sh, e a segunda um stir-fry de noodles com camarão à base de soja da Happy Ocean Foods. Esta última foi introduzida durante o Veganuary, destacando os benefícios de uma dieta plant-based.

O impacto climático do cacau

Embora a carne seja o alimento mais destrutivo para o planeta – liberando o dobro de gases de efeito estufa que os alimentos de origem vegetal – o chocolate também tem uma pegada significativa. O chocolate amargo, por exemplo, é o segundo alimento mais poluente, perdendo apenas para a carne bovina. A desflorestação intensiva desempenha um grande papel aqui, e os efeitos adversos das mudanças climáticas podem levar à extinção de um terço de todas as árvores de cacau até 2050.

Usando métodos tradicionais de fermentação e torrefação – mas sem usar o grão de cacau – a ChoViva (anteriormente NoCoa/QOA) consegue reduzir as emissões de carbono em 90% por kg de chocolate. Isso tem sido reconhecido por gigantes como Lindt, Kölln, Rewe e Griesson de Beukelaer, que lançaram vários produtos usando o chocolate sem cacau.

No entanto, o chocolate da ChoViva para os cookies da DB ainda usa óleo de palma, embora seja certificado pelo RSPO, garantindo que é obtido de unidades de produção certificadas e produzido de acordo com critérios ecológicos e sociais rigorosos. Em uma entrevista no ano passado, Maximilian explicou que o óleo de palma pode ser essencial para algumas de suas colaborações. “Se o usamos, apoiamos o cultivo sustentável de óleo de palma e trabalhamos com parceiros que fazem o mesmo,” explicou.

“Para algumas aplicações especiais, ainda não conseguimos nos livrar do óleo de palma por razões técnicas. Tentamos limitar essas aplicações,” acrescentou Sara. Ela revelou que a empresa está trabalhando em suas próprias alternativas ao óleo de palma e outras gorduras de cacau.

Perguntada sobre o progresso nessa área, ela agora diz: “Investimos muito esforço e orçamento em nossa alternativa à gordura do cacau. Estamos progredindo conforme nosso plano de desenvolvimento.”

Leia também:

Profissionais da saúde condenam campanha do governo do Reino Unido que promove carne e laticínios

A maior eleição do mundo foi decidida pela crise climática?

Plantê – Biscoitos para comer na Naturaltech

Por Vitor Di Renzo em 10 de junho
Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores