A certificadora eureciclo, especializada em logística reversa, levantou R$ 100 milhões em uma Série B, a rodada foi liderada pela empresa de capital de risco Ória Capital. Outros participantes foram Rise Ventures, Redpoint Eventures, Tera e Endeavour Scale-up.

Atualmente, a eureciclo possui em seu portfólio mais de 6 mil marcas que escolheram a certificadora como a principal solução de logística reversa de embalagens. 

“Celebramos como uma grande conquista não apenas para a eureciclo, mas para todos que trabalham para transformar a sociedade e o meio ambiente através do apoio à reciclagem. Para cada um real investido, o retorno é financeiro para acionistas, operadores e clientes, social e ambiental para a sociedade e reguladores”, comentou o fundador Thiago Carvalho Pinto em sua rede social profissional. 

O destino do valor levantado pela eureciclo na Série B 

O valor será utilizado para estruturar e expandir a cadeia de reciclagem no país, portanto, a empresa pretende ampliar sua rede de operadores, focando no aumento da estruturação de cooperativas e também na mecanização de centrais de triagem. Além disso, conforme o Pequenas Empresas & Grandes Negócios, também estão nos planos a expansão da operação para o Chile. 

Outra novidade, segundo o Brazil Journal, é que a empresa levantará um FIDC (Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios) visando emprestar capital para os operadores de reciclagem que desejam expandir sua capacidade. Legal, não é? 

Como funciona a operação da eureciclo? 

Com o objetivo de cumprir as metas de logística reversa de embalagens pós-consumo definidas de forma nacional, as empresas precisam adquirir Certificados de Reciclagem que são equivalentes a pelo menos 22% do material que produzem. Isso se deve a Política Nacional de Resíduos Sólidos, implementada em 2010. 

Logo, vamos explicar como funciona a operação da empresa: 

  • Homologação dos operadores parceiros — os mesmos coletam e separam as embalagens pós-consumo conforme o grupo material pertencente e comercializam os materiais recicláveis para as empresas que reciclam. Eles passam pela homologação que investiga condições de trabalho, operação, documentos gerais e o destino dos materiais recicláveis por meio das notas fiscais. 
  • Rastreamento e validação das notas fiscais — após isso, é realizado o rastreamento e validação das notas fiscais ofertadas pelos operadores parceiros. O documento serve para atestar que o material foi reciclado, bem como serve para verificarem a validade do conteúdo dessa nota fiscal por meio do site da Receita Federal, além de também realizarem análises estatísticas e visitas in loco, com processo validado por auditoria externa.
  • Demanda de certificados de reciclagem — no último passo, a eureciclo atende a demanda das empresas. Aqui as empresas calculam as embalagens dos seus produtos que são comercializados, considerando todas as embalagens que existem nos produtos, incluindo aquelas do transporte. Os dados são autodeclarados e as empresas assumem a responsabilidade legal pela sua veracidade. Além disso, para evitar equívocos podem ter conferências que avaliam a autenticidade desses dados. 

Com o selo, os consumidores podem reconhecer marcas com atitudes sustentáveis como a logística reversa. 

Sobre a empresa 

A eureciclo foi fundada por Thiago e Luciana Oliveira, com o selo tendo sido idealizado em 2016. 

“Apaixonados por transformar o mundo em um lugar mais sustentável, Thiago e Luciana Oliveira, co-fundadores da eureciclo, trazem ao Brasil um projeto que viria a revolucionar a forma como administramos os resíduos sólidos”, apontou a história da empresa. 

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Laboratório em Belém emite selo vegano com tecnologia molecular

Conheça os calçados veganos e sustentáveis da Linus

Renner lança calçados feitos com resíduos de uva

*Imagem de capa: Divulgação eureciclo 



por Amanda Stucchi em 14 de junho