Uma nova pesquisa da Edith Cowan University (ECU), na Austrália, liderada pela Dra. Nicola Bondonno, revelou que nitratos provenientes de plantas podem reduzir o risco de morte por diversas causas, incluindo doenças cardíacas e câncer. Em contrapartida, nitratos de produtos animais e carnes processadas podem aumentar o risco de mortalidade.

A importância da fonte

Nitratos e nitritos estão presentes em alimentos e bebidas, com fontes que variam de plantas, carnes processadas (como aditivos), água potável ou produtos animais, onde ocorrem naturalmente, impactando a saúde humana de maneiras diferentes.

O estudo investigou se os resultados de saúde associados ao consumo de nitratos e nitritos diferem conforme a fonte desses compostos.

Após analisar 52.247 participantes do Estudo Dinamarquês de Dieta, Câncer e Saúde, calculando sua ingestão de nitratos e nitritos com base em dados de composição de alimentos e bancos de dados nacionais sobre a qualidade da água potável, os pesquisadores sugerem que a fonte de nitrato é crucial.

Nitratos de origem vegetal parecem ser benéficos, enquanto nitratos de outras fontes podem representar riscos à saúde. O estudo descobriu que ingestões moderadas a altas de vegetais ricos em nitratos reduzem o risco de mortalidade por todas as causas, doenças cardiovasculares (DCV) e câncer em 14% a 24%. A razão por trás disso é que antioxidantes vegetais parecem converter nitratos de plantas em óxido nítrico, o que beneficia a saúde cardiovascular.

Notavelmente, a pesquisa reforçou a crescente evidência de que não há risco de câncer associado a vegetais ricos em nitratos, como folhas verdes e beterraba, ao contrário do que se acreditava.

Nitrosaminas nocivas

Os pesquisadores descobriram que outras fontes de nitratos podem ser convertidas em nitrosaminas potencialmente nocivas, que são cancerígenas.

Por exemplo, o estudo revelou que maiores ingestões de nitratos de origem animal estão ligadas a um aumento de 9% e 12% no risco de mortalidade por todas as causas e por DCV, respectivamente. Ao mesmo tempo, nitritos de origem animal estão associados a um aumento do risco de mortalidade por todas as causas, por DCV e por câncer em 25%, 29% e 18%, respectivamente.

No caso de nitratos e nitritos de carnes processadas, os pesquisadores sugerem um aumento no risco de mortalidade por todas as causas e por câncer de 12% a 22%.

Curiosamente, participantes com maior ingestão de nitratos provenientes de água potável apresentaram maior mortalidade por todas as causas e por DCV, mas não por câncer.

Caminhos do nitrato

Embora a pesquisa não pudesse identificar o nitrato de plantas como o único fator promotor da saúde — já que vegetais contêm outros compostos ligados a menores riscos de DCV, câncer e diabetes — o estudo enfatiza a importância de consumir mais vegetais ricos em nitratos para reduzir os riscos de mortalidade. Incentiva-se uma dieta rica em vegetais e com redução de carne processada.

A Dra. Bondonno disse à ECU Newsroom: “Em termos simplistas, o nitrato pode seguir dois caminhos diferentes ao ser introduzido no corpo. Um é formar um composto chamado óxido nítrico, que melhora o fluxo sanguíneo, reduz a pressão arterial e apoia a saúde cardiovascular geral.

“Mas o nitrato também pode seguir um segundo caminho, formando um grupo de compostos chamados nitrosaminas, que são considerados cancerígenos e estão ligados ao câncer. Acredita-se que os compostos antioxidantes dos vegetais empurrem o nitrato para o primeiro caminho.”

O estudo completo pode ser encontrado aqui.

Confira a matéria publicada na vegconomist.

Leia também:

Estudo busca aumentar a produção de leguminosas na Itália

Dinamarca introduzirá “primeiro” imposto de carbono na agricultura

Cellivate Technologies ganha US$ 3,3 milhões em reality show

Por Vitor Di Renzo em 27 de junho
Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores