Edimburgo torna-se a primeira cidade escocesa e a primeira capital europeia a aderir à iniciativa do Tratado Plant-Based em resposta à emergência climática.

Haywards Heath no Reino Unido, Boynton Beach na Flórida, Los Angeles , Rosario na Argentina, assim como uma cidade na Turquia e quatorze cidades na Índia aderiram ao Tratado Plant-Based. Desde o seu lançamento em agosto de 2021, a iniciativa recebeu apoio de 70.000 endossantes individuais, 5 prêmios Nobel, cientistas do IPCC, mais de 1.000 ONGs e 1.000 empresas.

O Conselheiro Verde Steve Burgess apresentou o Tratado Plant-Based ao Conselho Municipal de Edimburgo, que votou unanimemente para produzir uma avaliação de impacto sobre as implicações de endossar o Tratado. O relatório mostra que “o consumo de carne e laticínios deve ser reduzido para atingir as metas climáticas” porque as emissões relacionadas a alimentos e o desmatamento atribuído à pecuária são considerados os principais impulsionadores da emergência climática.

Mudança para uma alimentação plant-based

A avaliação revelou que alimentos e dietas representam 23% da pegada baseada no consumo de Edimburgo, com 12% dessas emissões provenientes do consumo de carne. De acordo com o relatório “uma mudança para dietas à base de plantas reduziria significativamente as emissões baseadas no consumo da cidade”.

Burgess disse: “O conselho de Edimburgo agora também tem uma oportunidade fantástica de incentivar uma alimentação muito mais baseada em vegetais. Aguardo com expectativa o próximo relatório do conselho sobre como podemos fazer isso. Reconhecemos que os sistemas alimentares são um dos principais impulsionadores da emergência climática. Dessa maneira, uma mudança para dietas à base de plantas pode reduzir significativamente as emissões de gases de efeito estufa”.

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Os ativistas climáticos estão pedindo a outras cidades que sigam o exemplo de Edimburgo, ajudando a criar um movimento de mudança para dietas mais sustentáveis.

Nicola Harris, diretora de comunicações da Plant-Based Tratado, disse: “Edimburgo fez jus à sua reputação como líder global em clima, reconhecendo a necessidade crítica de reduzir as emissões de gases de efeito estufa do sistema alimentar para atingir nossas metas climáticas”.

De acordo com Harris: “Todos podem se juntar ao movimento pedindo a seus conselheiros locais que apoiem o Tratado Plant-Based e apresentem uma moção”.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também:

Ipanema lança sandálias feitas a partir de algas

Mercado de carne plant-based atingirá US$ 15,7 bilhões até 2027

Brasil é o país com mais opções veganas na América Latina

Imagem ilustrativa de capa: Divulgação Tratado Plant-Based

Por Ana Cristina Gomes em 19 de janeiro