Você sabe o que é o dióxido de titânio (TiO2)? Essa é uma substância muita utilizada como agente corante (E171) nos alimentos e bebidas, sendo considerada um aditivo alimentar, podendo ser encontrada em produtos como bebidas em pó, lácteos, suplementos, recheios cremosos, confeitos e molhos, por exemplo. É um ingrediente inorgânico, bastante aplicado por promover branqueamento e aspecto de brilho a esses alimentos, em uma utilização puramente para fins estéticos, esse aditivo não possui nenhum valor nutricional, e pode ser substituído sem comprometer a durabilidade do produto.

Apesar dos usos dessa substância ser comum em alimentos plant-based, é importante ressaltar que a segurança do dióxido de titânio como aditivo alimentar tem sido globalmente questionada, evidenciando a importância de substituí-lo por alternativas naturais e de rótulo limpo.  

Em maio, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) apresentou suas conclusões atualizadas sobre o aditivo alimentar e decidiu que o elemento não pode mais ser considerado seguro na composição de alimentos e bebidas.  

Segundo o comunicado emitido pela EFSA: “Um fator decisivo que levou a essa conclusão foi a impossibilidade de descartar problemas de genotoxicidade após o consumo de partículas de dióxido de titânio. Depois da ingestão oral, a absorção das partículas de dióxido de titânio é baixa, mas podem se acumular no corpo”. 

Nesse contexto, a genotoxidade significa o potencial que uma substância química possui de danificar o DNA (o material genético das células). Portanto, nesses estudos, não foi possível garantir que a ingestão de nanopartículas de dióxido de titânio não possam danificar o material genético humano. Na França, o aditivo recentemente teve seu uso proibido em composições de alimentos e bebidas, e a tendência é que essa decisão seja tomada por outros países da União Europeia.

Nesse contexto, a decisão do órgão europeu e de países como a França, podem ter consequências no mercado brasileiro, visto que a decisão também pode influenciar a regulamentação no Brasil.  

A situação brasileira do dióxido de titânio e o que a decisão da EFSA pode trazer de impactos para a  indústria do país

Atualmente, o dióxido de titânio tem sua aplicação como aditivo alimentar regulamentada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), órgão brasileiro responsável. Entretanto, esse cenário pode mudar em breve, dado que os estudos recentes têm mostrado resultados diferentes das avaliações anteriores. Sendo assim, visto que existem indicativos de que o elemento pode não ser seguro para o consumo humano, a decisão mais prudente é buscar substituí-lo por opções seguras.  

Nesse contexto, alguns fabricantes questionam essa decisão, visto que os estudos anteriores atestaram a segurança do ingrediente. Assim como na tecnologia, muitos avanços acontecem na ciência e possibilitam conclusões diferentes de estudos anteriores. Por isso, é preciso estar de olho nas investigações mais recentes acerca de cada ingrediente, e nas decisões relacionadas aos mesmos.

Com essas hipóteses em vista, a busca por alternativas seguras se tornou ainda mais necessária. Isso porque, além de oferecer um alimento mais saudável, as indústrias de alimentos e bebidas precisam trabalhar com a hipótese de proibição do componente também no Brasil e se prepararem. Afinal, caso realmente seja necessário substituir o dióxido de titânio como corante em alimentos e bebidas, é vantajoso buscar por alternativas com antecedência.

Alternativas naturais ao uso do Dióxido de Titânio  

Em meio a esse cenário, o White Diamond®, produzido pela Döhler, foi desenvolvido como uma alternativa completa  para promover branqueamento e turbidez em uma ampla variedade de alimentos e bebidas. Com uma composição 100% natural e segura, é totalmente à base de plantas e apto a ser utilizado em produtos veganos, além de possuir benefícios nutricionais adicionais e sua aplicação apresentar excelência em performance. 

Possibilidades de aplicação do White Diamond 

Com alta performance em entrega de branqueamento e turbidez, o White Diamond® é uma cor natural e clean label, que pode ter aporte de cálcio. Ideal para produtos como confeitos, recheios, bebidas em pó e suplementos, seus benefícios são os seguintes:

● Alternativa natural ao dióxido de titânio;

● Seguro e globalmente aceito como aditivo alimentar; 

● Com benefícios nutricionais;  

● Não interfere na aplicação de outros aditivos (fácil estabilização);

● Característica clean label (rótulos limpos).

Sobre a Döhler 

A Döhler tem uma história de mais de 180 anos, iniciada na Alemanha, é um dos líderes  mundiais em ingredientes para indústria de alimentos e bebidas.  

Possui o DNA voltado à inovação, e a natureza é o seu principal fornecedor. Desenvolve, fornece e comercializa ingredientes naturais, sistemas de ingredientes e soluções integradas, com presença em mais de 130 países. Tem 4 sedes no Brasil, contando com o Centro Administrativo, Comercial e Técnico em Limeira (SP).  

Impulsionados por tecnologia, a Döhler dá vida a uma gama ampla de produtos com alta performance multissensorial e excelência em aplicações para todos os segmentos da indústria de alimentos e bebidas. Tudo isso somado aos parâmetros e certificações em qualidade, segurança alimentar, ênfase em sustentabilidade e ética  ambiental. 

Aproveite e leia também: 

Alternativas veganas e a descarbonização da economia

Como ser um consumidor consciente

*Imagem de capa: Unsplash



por Amanda Stucchi em 22 de junho